“O Amor Espiritual É Diferente Do Amor Que Conhecemos? Se Sim, Podemos Fazer Algo Para Alimentá-Lo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Amor Espiritual É Diferente Do Amor Que Conhecemos? Se Sim, Podemos Fazer Algo Para Alimentá-Lo?

O amor que conhecemos, ou amor corpóreo, envolve amar quem ou o que quer que nos dê prazer. O amor espiritual, ao contrário, baseia-se no sentimento de distância interior, rejeição e oposição aos outros e na construção do amor a partir dessa distância.

Em outras palavras, o amor que conhecemos é aquele que aparece em nosso ego inato, onde sentimos uma atração natural e proximidade uns com os outros. Cada pessoa que sente esse amor o faz com base no cálculo de que, no final das contas, se beneficiará desse amor. Esse é o cálculo de nossa natureza egoísta, que é um desejo de desfrutar de outras pessoas e coisas. Portanto, de acordo com o amor que conhecemos – amor corpóreo – sentimos amor, atração e proximidade uns com os outros às vezes, e em outras ocasiões, ódio, rejeição e distância.

O amor espiritual, no entanto, requer sentimento de distância, rejeição e oposição um ao outro, juntamente com uma atitude de amor, conexão e atração que construímos acima dessas sensações. Em nossa realidade atual, não podemos sentir simultaneamente amor e ódio pelos outros, mas sentimos essas sensações em momentos diferentes. O amor espiritual, portanto, requer grande talento artístico no processo espiritual de nos elevarmos acima do ego para nos conectarmos positivamente com os outros, e precisamos nos tornar dignos de atingir esse elevado nível de amor.

No entanto, estamos atingindo um nível em nosso desenvolvimento em que nos tornamos cada vez mais preparados para experimentar o amor espiritual. Por um lado, vemos que o amor que conhecemos está nos levando a mais e mais problemas. Quanto maior se torna o nosso ego, mais exigimos a fim de nos realizarmos e mais difícil é nos tornarmos realizados. Por outro lado, estamos nos preparando para amadurecer.

Alimentos doces podem nos ajudar a ver um exemplo desse processo de maturação. As crianças geralmente gostam de alimentos doces que são apenas doces, mas quando crescemos, geralmente gostamos de comer alimentos doces junto com ou depois de algo picante, amargo ou azedo. Quanto mais amadurecemos, mais nos sentimos incapazes de desfrutar de uma coisa só, mas de exigir a coisa e seu oposto.

Também vemos como, se tivéssemos experimentado apenas estados positivos na vida, sem a necessidade de lutar e superar, e sem sentir limites e críticas, sentiríamos como se algo faltasse em nossa vida. Somos construídos de uma forma onde desejamos ter pontos agarráveis ​​para outros cálculos, e assim desenvolvemos a necessidade de adicionar amargor, azedume e tempero para saborear e apreciar a doçura. Essa tendência origina-se da base de nossa existência, onde nós – seres criados – fomos originalmente criados em oposição à natureza: a natureza é a qualidade de amor que somente deseja conceder prazer e satisfação, e somos feitos de uma qualidade oposta que somente deseja receber prazer e realização.

Portanto, para que possamos “saborear a doçura” do amor espiritual, precisamos atingir a qualidade de amor e doação que não existe em nossa natureza receptiva inata e, portanto, precisamos construir essa qualidade em nós sobre nossa rejeição natural e distância dessas qualidades. Isso é possível com a orientação de um método – a sabedoria da Cabalá – que ensina as maneiras de se elevar acima da natureza transitória e incompleta do ego para descobrir a qualidade do amor espiritual, que é eterno e completo.

Os Cabalistas escreveram sobre o amor espiritual – “O amor cobrirá todos os crimes” (Provérbios 10:12) – onde os “crimes” são a distância, rejeição e oposição que sentimos em nosso ego. Quanto mais implementamos essa forma de amor em nosso desenvolvimento espiritual, mais alcançaremos tudo o que a natureza estabeleceu para nós a fim de atingir nosso propósito último de existência: a sensação de amor em sua perfeição, plenitude e eternidade.

Baseado na Lição Diária de Cabalá com o Cabalista Dr. Michael Laitman em 29 de janeiro de 2021. Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

Foto de Tamanna Rumee no Unsplash.

Comente