Como Uma Família

933Pergunta: O homem se desenvolveu ao longo da história e, em algum momento, ele teve tempo para pensar no sentido da vida. O desejo de compreender as forças ocultas da natureza despertou 3.800 anos atrás entre os habitantes da antiga Babilônia.

As fontes primárias dizem que antes disso toda a humanidade era como uma família, embora entendamos que na época em que foram escritas, a vida já existia há dezenas de milhares de anos e as pessoas estavam se matando. Não está claro o que significa “como uma família”?

Resposta: O fato é que as relações amigáveis ​​entre os babilônios se deviam a um certo desenvolvimento histórico. Naquela época, na Mesopotâmia, entre o Tigre e o Eufrates, as condições externas favoreciam uma vida pacífica. A abundância de água e o alagamento dos rios contribuíam para uma boa colheita.

As pessoas comiam peixe, alho, pão de cevada assado e criavam vacas e ovelhas. A natureza era tão generosa com eles que não eles precisavam reconquistar seus frutos uns dos outros. Portanto, eles viviam em relativo equilíbrio entre si.

A Torá diz que “havia uma língua e um dialeto em toda a Terra”. Isso significa que as pessoas se entendiam. Não se trata de linguagem. Elas não precisavam de mais do que tinham.

Por um lado, a natureza as favorecia e em troca de um pouco de esforço da parte delas, dava-lhes tudo. Por outro lado, elas ainda não eram tão egoístas a ponto de tirar da natureza mais do que o necessário. Era uma existência correta, bela e natural. Na Cabalá, isso é chamado de nível zero de egoísmo.

Havia entendimento completo entre os babilônios, como em uma família normal. Então, de repente, houve uma onda de egoísmo, e eles imediatamente quiseram se dividir em classes: os ricos, os pobres, os fortes e assim por diante. Então, todos os tipos de insígnias apareceram entre eles.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 13/05/19

Comente