A Vida É Um Jogo

610.2Pergunta: Na infância, brincar/jogar é o estado de crescimento mais normal. E ajudamos as crianças com isso: damos a elas kits de construção, quebra-cabeças e sugerimos todos os tipos de jogos. As crianças brincam e se desenvolvem.

Então, os jogos lentamente desaparecem da vida. Eu queria te perguntar: e os adultos? Devemos ter jogos em nossas vidas?

Resposta: Devemos continuar a jogar ao longo de nossas vidas. Se uma pessoa não joga, ela não cresce, mesmo aos 30, aos 40, aos 50 anos.

Comentário: Mas eu cresci, já sou adulto. Adquiri conhecimento, uma profissão.

Minha Resposta: Então, este também é um jogo porque você está jogando contra outra pessoa, quem você quer ser. E quando uma pessoa para de jogar, ela simplesmente serve ao seu corpo. Ela começa a voltar do nível do homem para o nível do animal. E é aqui que termina a vida de uma pessoa. Por alguns anos ela ainda viverá na forma de um animal servindo ao seu corpo. E isso é tudo.

Pergunta: Por que as pessoas pensam que brincar é coisa de criança? Quando uma pessoa diz que está brincando, está falando de algo inventado.

Resposta: Claro, uma invenção. Eu inventei. O que significa ousar? É tocar algo cada vez maior; tudo isso é aspiração, impulsos. Como crianças, em tudo o que brincam, elas querem melhorar. Nosso jogo deveria ser natural também, mas nós o perdemos.

Na adolescência, a pessoa já tem tudo, não exige nada e deixa de brincar.

Pergunta: Então, essa é a base de todas as depressões, drogas e assim por diante? As pessoas param de jogar?

Resposta: A vida não força ninguém a brincar.

Pergunta: A vida deve forçá-la a jogar?

Resposta: “O que é a nossa vida? Um jogo!” Só um jogo diferente!

Eu realmente me examino e avalio: há algum desejo em mim de ficar parado? Eu gostaria no último minuto de aspirar – bombear! E isso é tudo. Está tudo bem.

Pergunta: Neste ano de pandemia, o jogo é uma forma de sair do estado em que a humanidade está agora? Ela está em um beco sem saída, em reflexão.

Resposta: Claro. Devemos jogar o estado que desejamos alcançar. Como disse Kozma Prutkov: “Se você quer ser feliz, seja feliz”. Isso é verdade.

Pergunta: Que jogo devemos jogar agora? Agora, neste tempo nebuloso?

Resposta: Devemos brincar de amizade e amor. O que mais existe em uma pessoa? Quando isso desaparece, a vida não tem mais sabor.

Pergunta: Então este é o jogo principal? O tempo todo?

Resposta: Claro. Flertando com a vida.

Pergunta: E quando você diz “amizade e amor”, é um pelo outro, por alguém próximo, distante, pelo mundo? Você colocou tudo lá?

Resposta: Claro, isso é tudo. Deve haver movimento.

Pergunta: Mas se isso é um jogo e eu entendo internamente que não trato os outros dessa forma?

Resposta: Não importa. Mesmo se eu fizer isso de propósito, posso não tratá-lo assim inicialmente, e depois crio.

Pergunta: Eu crio este mundo de jogo: não o trato assim, mas quero amá-lo o tempo todo, quero ser amigo dele. Então este mundo aparece neste nível. Eu estou entrando nele? Isso acontece?

Resposta: O que você deseja que aconteça, acontecerá.

Pergunta: Nosso jogo principal é o jogo da amizade e do amor?

Resposta: Sim. Não vamos chamar isso de amizade e amor. É muito infantil. Só boas conexões entre nós, assistência mútua, sentindo a necessidade de boas relações podem nos levar a um novo mundo. Caso contrário, não há nada.

O novo mundo é uma nova sociedade onde cada vez mais sentirei que minha saúde física e mental depende de todos ao meu redor e a deles, da minha. E nós estamos constantemente tão incluídos uns nos outros que é impossível se separar.

Eu devo compreender que existe tal lei da natureza, uma lei muito estrita, que minha atitude para com os outros determina a atitude deles para comigo. Isso é tão estranho para nós. Mas se realmente tentarmos, então, é claro, veremos gradualmente que o mundo depende apenas de nossa atitude em relação a ele e ele mudará para melhor. Ou seja, você projeta seu mundo.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 04/01/21

Comente