“A Natureza É Sensiente?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Natureza É Sensiente?

As pessoas que acreditam em Deus da maneira como as religiões se relacionam com Ele atribuem a Ele sentimentos e pensamentos, e se comunicam com Ele da maneira como nos comunicamos com qualquer pessoa poderosa que determina nosso destino: Nosso objetivo é agradá-Lo e, em troca, buscamos Seu favor. Mas e a natureza? A natureza é senciente? Devemos agradar a natureza? E se devemos, como podemos fazer isso?

A sabedoria da Cabalá não distingue entre a natureza e Deus. No ensaio “A Paz”, o grande Cabalista do século XX, Baal HaSulam, explicou que natureza e Deus são sinônimos. Assim, quando falamos de natureza, estamos realmente falando de Deus, e quando falamos de Deus, estamos na verdade nos referindo à natureza.

Esse mecanismo é evidentemente inteligente. Tudo dentro dele está intrincado e sabiamente ligado a todo o resto, e todas as partes da criação estão se movendo em sincronia em direção à fusão crescente. Assim como as formigas ou cardumes de peixes pensam e agem como um, guiados por sua inteligência sincronizada, tudo ao nosso redor opera em congruência; tudo menos o homem.

No entanto, na sabedoria da Cabalá, a natureza não é um “guarda-livros” que verifica nosso equilíbrio entre boas ou más ações e recompensa ou nos pune de acordo. A natureza é um mecanismo superinteligente que cria tudo, conduz tudo e orienta tudo para o seu propósito de completa unidade e harmonia com toda a realidade. A natureza desenvolve continuamente a criação em direção a uma maior complexidade, desde o nível atômico até os níveis mineral, vegetal, animal e humano.

No nível humano, evoluímos da maneira como toda a natureza está evoluindo. Primeiro nos reunimos em clãs, que se transformaram em vilas, vilas em cidades, cidades se tornaram países, e hoje, quando o mundo inteiro é uma aldeia global, pessoas, animais, plantas e minerais são todos parte de um sistema interdependente. Nós nos tornamos um único mecanismo enroscado e atado em todo o mundo.

Além disso, esse mecanismo é evidentemente inteligente. Tudo dentro dele está intrincado e sabiamente ligado a todo o resto, e todas as partes da criação estão se movendo em sincronia em direção à fusão crescente. Assim como as formigas ou cardumes de peixes pensam e agem como um, guiados por sua inteligência sincronizada, tudo ao nosso redor opera em congruência; tudo menos o homem.

Os humanos são o único elemento na natureza a quem foi negado o conhecimento instintivo do certo e do errado, e de quando fazer o quê. Mas isso também foi feito com um propósito. O único elemento que falta na criação perfeita ao nosso redor é a consciência do propósito de nossa vida. O reconhecimento não pode ser pré-instalado; tem que ser adquirido. É por isso que nascemos desprovidos de qualquer conhecimento sobre o nosso mundo. Na verdade, nós nascemos tão desamparados que, no início, não podemos nem alcançar o mamilo de nossa mãe para comer, ou defecar sem nos bagunçarmos. Nenhum animal jovem é tão indefeso quanto um bebê recém-nascido. No entanto, isso é feito de propósito, então vamos aprender tudo do zero e, no final do processo, atingir o zênite da criação e nos tornar tão inteligentes quanto o sistema que nos criou – a natureza (ou Deus).

Visto que a “natureza” da natureza é harmonia e fusão, e visto que devemos adquirir a consciência da meta, quando nascemos, somos completamente opostos a ela, então aprenderemos todos os aspectos da harmonia e fusão. O problema é que, embora sejamos opostos à natureza, não passamos de uma ameaça, destruindo tudo ao nosso redor como crianças sem sentido. Mas à medida que aprendemos a trabalhar em uníssono, à medida que tomamos consciência da vitalidade da unidade e da solidariedade para a nossa compreensão da criação, também aprendemos a nos conduzir com mais sabedoria, de acordo com a disposição da natureza, e os conflitos que sentimos entre nós e com a natureza se tornam ventos que nos empurram para frente.

Enquanto somos obstinados, sofremos. Poluímos o céu, a água e o solo. Esgotamos a abundância que a natureza nos deu para obter poder e controle; usamos e abusamos uns dos outros, matamos, estupramos e denegrimos uns aos outros como se apenas nós tivéssemos o direito de aproveitar a vida e não deixarmos nada para o futuro. Nós nos comportamos como crianças crescidas, com corpos de adultos, mas mente de criança.

Se nos concentrarmos na conexão, encontraremos o caminho certo e limparemos a bagunça que criamos. Se continuarmos exigindo por nós mesmos e evitarmos a disposição da natureza em direção à harmonia e à fusão, nosso conflito crescente com a natureza nos infligirá adversidades cada vez maiores. Podemos ser inteligentes, mas somos muito pouco sábios. Se realmente quisermos fazer o bem por nós, devemos primeiro aprender o que sabemos, o que não sabemos e como podemos aprender o que devemos fazer para nos ajudar. Se ouvirmos o mecanismo inteligente da natureza e seguirmos sua trajetória em direção ao aumento da coesão, a vida será muito mais fácil e simples do que a destruição que causamos em nós mesmos.

Comente