“A Hipocrisia Dos Escândalos Sexuais” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Hipocrisia Dos Escândalos Sexuais

De vez em quando, e hoje com mais frequência do que antes, um escândalo sexual explode na mídia e todos ficam chocados ao ouvir que esta ou aquela celebridade, que costumava ser um modelo que todos nós crescemos e admirávamos, é realmente um monstro disfarçado. Quando isso acontece, os moralistas estalam a língua em desaprovação e rapidamente recorrem às redes sociais para expressar sua justa indignação e descrença de que essa pessoa, o ídolo de nossa juventude, era na verdade um predador sexual, um vilão da pior espécie.

Quando falamos sobre mudanças climáticas, pandemias, quedas de energia ou mesmo um congestionamento, não percebemos que essas são manifestações de nossa conexão. A única razão pela qual eles estão aqui é que não temos consciência de que nossa atitude irrefletida e descuidada uns para com os outros os causa.

Eu acho que são hipócritas. Em primeiro lugar, quando tal escândalo explodir, você sempre encontrará pessoas que sabiam dele, mas ficaram caladas, ou teriam sabido se não tivessem tentado tanto não ver o óbvio. Em segundo lugar, não há nada de novo nesse fenômeno; as perversões sexuais têm sido uma parte inseparável das perversões humanas ao longo dos tempos. Em culturas antigas, como no Egito, Grécia ou Roma, algumas perversões eram permitidas e aceitáveis, e outras eram consideradas uma abominação. Em tempos mais puritanos, como a Idade Média, era possível encontrar-se amarrado à fogueira por ter feito o mesmo que os outros faziam na antiguidade, sem que ninguém se preocupasse com isso. Não é que os puritanos que condenam não cometiam os mesmos “crimes” que acusaram outros de cometer; é que eles escondiam melhor, e, principalmente, estavam mais bem conectados com as autoridades encarregadas de expor esses comportamentos “imorais”.

A verdade sobre esses escândalos não é que esses crimes estejam crescendo, mas que são usados ​​com mais frequência do que antes contra seus perpetradores. Em outras palavras, hoje, as acusações de má conduta sexual são uma arma que os políticos usam para destruir seus rivais. Expor crimes sexuais não impedirá o próximo crime nem tornará mais seguras as vítimas potenciais. No entanto, afetará o acusado, mesmo que a acusação seja falsa. Portanto, da próxima vez que um escândalo sexual estourar, verifique quem se beneficia com sua exposição.

Se quisermos prevenir crimes sexuais, não precisamos nos concentrar na punição, mas em educar o público. Não estou dizendo que não devemos punir os criminosos sexuais; estou apenas apontando que, se quisermos prevenir tais crimes, a maneira de fazê-lo não é por intimidação, mas por educação à consideração.

Fomos criados em um ambiente social que não nos ensina nada a não ser nos concentrar em nossos próprios desejos e necessidades e ignorar os dos outros. Com essa educação narcisista, as pessoas tendem a ser indiferentes e apáticas ao sofrimento de outras pessoas; elas não se encolherão ao pensar em machucar outras pessoas.

Mas a verdade é que tais comportamentos prejudicam também o agressor, e não apenas a vítima. Na verdade, estamos conectados e somos dependentes uns dos outros, mesmo que não tenhamos consciência disso. Poderíamos nos tornar conscientes disso; poderíamos saber como nos conduzir de uma forma que nos satisfaça e a todos ao nosso redor, mas primeiro devemos aprender a nos ver dentro da imagem maior da humanidade.

Quando falamos de mudanças climáticas, pandemias, quedas de energia ou mesmo um congestionamento, não percebemos que essas são manifestações de nossa conexão. A única razão pela qual eles estão aqui é que não temos consciência de que nossa atitude irrefletida e descuidada uns para com os outros os causa.

Se fôssemos educados sobre nossas interconexões, saberíamos como nos conduzir para não infligir pandemias a nós mesmos. Além disso, haveria inúmeros benefícios para essa consciência: não nos machucaríamos, pois sentiríamos, não apenas intelectualmente, mas realmente em nossos corações que estamos todos conectados. E assim como eu não me machucaria, não machucaria mais ninguém.

Você pode imaginar como seria viver em uma sociedade assim? Não teríamos que nos preocupar com crimes sexuais, ou qualquer crime, já que as pessoas não sonhariam em machucar outras pessoas; elas se sentiriam conectadas!

Acontece que o verdadeiro conhecimento de que todos precisamos não é o próximo gadget de tecnologia, mas a consciência de que estamos todos conectados e afetamos uns aos outros de inúmeras maneiras. Se soubéssemos disso e vivêssemos com essa consciência, nos trataríamos com humanidade, da mesma forma que os seres humanos deveriam tratar os outros seres humanos, e não haveria escândalos de nenhum tipo.

Comente