“Uma Quarta Eleição, E Sem Fim À Vista” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “A Quarta Eleição, E Sem Fim À Vista

Ainda não nos recuperamos da torrente de três eleições gerais consecutivas e uma quarta já está em andamento. Além disso, de repente, todos pensam que podem ser melhores, senão o melhor, primeiro-ministro do Estado de Israel.

Mas se você me perguntar, essa atitude frívola em relação à tarefa de ser o primeiro-ministro de Israel indica um lapso de compreensão e falta de responsabilidade. Os egos das pessoas cresceram a ponto de quererem apenas governar, ser reis, mesmo que apenas por alguns minutos, e independentemente das consequências. Vejo uma semelhança distinta entre o que está acontecendo agora e o que aconteceu ao povo de Israel pouco antes da ruína do Segundo Templo e do exílio de Jerusalém. Naquela época, o Sumo Sacerdote comprava ou subornava para obter o título e servia por um período muito curto até ser retirado de lá e substituído por outro. Não havia mais santidade naquela instituição, apenas lutas pelo poder e o desejo de ser “rei por um dia”. Todos nós sabemos como terminou.

Isso não está acontecendo apenas em Israel. Em todo o mundo, não existem sistemas que preparem as pessoas para serem governadores. Como se pode esperar que uma pessoa saiba como governar um país sem preparação prévia? Qualquer trabalho exige aprendizado e preparação, mas o trabalho mais impactante do país não? Onde está o sentido dessa abordagem?

Anteriormente, nas monarquias, um príncipe nascia sabendo que um dia se tornaria rei. Desde o primeiro dia, ele aprendia o que isso significa, o que implica, como controlar os nobres, como liderar o exército e administrar um sistema de tributação que pudesse sustentar a monarquia e o monarca. Nesse sentido, a democracia é um sistema fracassado à revelia, pois permite que pessoas que nada sabem sobre governar proclamem que merecem governar com base apenas em sua palavra. Porque sabem que estão aqui hoje e amanhã partem, não sentem nenhuma responsabilidade. Elas afirmam trabalhar para o bem das pessoas quando tudo o que realmente querem é usar seu mandato no topo para ganhar o máximo possível para si mesmas.

Um rei, por outro lado, sente que a monarquia é sua, que seu reino é seu legado, que ele é o Estado. Na época das monarquias, um rei não era apenas um autocrata. As pessoas depositavam suas esperanças no rei. Um bom rei significava uma boa vida para todos. Um rei era respeitado não apenas por medo, mas também como um sinal de que o povo concordava com sua autoridade para administrar suas vidas e torná-las melhores. Compare isso com a obrigação que um Chefe de Estado eleito “democraticamente” sente em relação ao seu eleitorado, e você verá como nosso sistema é falho.

No entanto, o triste estado das democracias de hoje não significa que devemos restabelecer as monarquias. Os egos furiosos das pessoas, sem dúvida, farão com que abusem de seu poder absoluto. Uma olhada na Coreia do Norte ou na Venezuela demonstra o que acontece quando você dá poder irrestrito a indivíduos hoje.

A solução para o impasse em que os governos mundiais se encontram só pode ser encontrada na compreensão de nossa conexão, de nossa interdependência mútua. Enquanto não tivermos a compreensão de que o que fere a cada um de nós fere a todos, e o que ajuda cada um de nós ajuda a todos nós, não podemos fazer nada direito, muito menos governar corretamente.

Os antigos governantes de Israel eram o Sinédrio. Eram pessoas que se engajavam em primeiro lugar na conexão entre eles. Eles se sentavam em um semicírculo para que todos pudessem se ver e se comunicar uns com os outros. Somente as pessoas que alcançavam um certo nível de conexão entre si, um certo nível de cuidado com os outros, poderiam se tornar membros do Sinédrio. Essas pessoas eram os governadores da terra de Israel, pois tinham em mente o melhor interesse do povo, não o seu próprio.

Os governadores de hoje refletem o nível de conexão entre todos nós. Já que nós, na sociedade, estamos desconectados, e como nossos governantes vêm de entre nós, eles também estão desconectados do resto do povo e não se importam conosco. A única diferença entre eles e as outras pessoas é que eles desejam estar no poder e conseguiram nos convencer de que trabalhariam em nosso benefício. Mas se ninguém na sociedade trabalha para o benefício de ninguém, se o egoísmo é o traço que domina as relações humanas, e elas emergem das pessoas que agora governam, como podemos esperar que sejam tudo menos egoístas?

Por isso, se quisermos salvar o país, melhorar o governo e mudar a forma como os governantes se relacionam com seu eleitorado, devemos ensinar a nós mesmos e a toda a sociedade a viver de acordo com valores diferentes. Quando vivemos de acordo com valores de responsabilidade mútua, carinho e responsabilidade, assim será a natureza de nossos líderes. Até então, continuaremos o ciclo interminável de eleições até que tenhamos o suficiente, ou até terminarmos da maneira que nossos antepassados ​​terminaram 2.000 anos atrás.

Comente