“Sobre A Unidade Judaica E O Antissemitismo – O Triunfo Do Ódio” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “Sobre A Unidade Judaica E O Antissemitismo – O Triunfo Do Ódio

O artigo anterior descreveu a Revolta Hasmoneia, que eclodiu depois que os judeus se voltaram para Antíoco IV Epifânio, rei do Império Selêucida, e o atraiu para Judá para forçar a cultura helenística e o sistema de crenças sobre os judeus. A batalha que se seguiu entre os adversários foi a tentativa final de manter a lei judaica de responsabilidade mútua e cobrir o ódio com amor, em oposição à cultura do individualismo e da reverência de si mesmo, que os gregos cultivavam. A guerra civil foi amarga e sangrenta, mas os hasmoneus triunfaram, garantindo mais alguns anos de domínio judaico, que pelo menos tentaram seguir as leis que os conquistaram a admiração de Ptolomeu II, rei do Egito, cem anos antes.

Este artigo, o último da série, explorará o final do esforço de nossos antepassados ​​para manter uma sociedade que vive pela lei da responsabilidade mútua e do amor aos outros. Ele incluirá descrições desagradáveis, pois todas as manifestações de ódio extremo são desagradáveis, mas se quisermos compreender o presente, devemos também reconhecer nossa história. Talvez depois de ler esta série, sejamos capazes de entender o que significa ser judeu, por que existe antissemitismo e como podemos acabar com essa maldição de uma vez por todas.

O egoísmo que atormentava os helenistas não diminuiu simplesmente porque eles perderam a guerra. Os hasmoneus, que agora eram os senhores de Judá, logo foram vítimas do mesmo poder de aumentar o egocentrismo, e o declínio moral e social continuou. “Ao se tornarem governantes, reis e conquistadores”, escreve o historiador Paul Johnson, anteriormente mencionado, “os hasmoneus sofreram as corrupções do poder. … Alexandre Jannaeus [governou 103-76 AEC] (…) se tornou um déspota e um monstro, e entre suas vítimas estavam os judeus piedosos de quem sua família havia tirado suas forças. Como qualquer governante do Oriente Próximo naquela época, ele foi influenciado pelos modos gregos predominantes”.

Seguindo o exemplo de Jannaeus, vários judeus abandonaram o judaísmo e adotaram o helenismo. Jannaeus, que era o sumo sacerdote, declarou-se rei e massacrou milhares de judeus que se opuseram à introdução do helenismo. Desta vez, não havia hasmoneus para salvar os judeus; o próprio Alexandre Jannaeus era descendente de hasmoneus, e nenhuma outra força se levantou contra ele. “Alexandre, de fato”, conclui Johnson, “se viu como seus odiados antecessores, Jason e Menelau”, contra os quais seu bisavô lutou.

Após a morte de Jannaeus, o reino de Judá continuou a declinar e em 63 a.C., o general romano Pompeu, o Grande, conquistou Judá. Isso deu início à era do domínio romano em Judá e encerrou a era da independência de Judá. Talvez a conclusão pungente de Johnson descreva melhor a ascensão e queda da soberania dos hasmoneus em Judá: “A história de sua ascensão e queda é um estudo memorável sobre a arrogância. Eles começaram como vingadores de mártires; eles próprios terminaram como opressores religiosos. Eles chegaram ao poder à frente de um ansioso bando de guerrilheiros; eles terminaram cercados por mercenários. Seu reino, fundado na fé, dissolvido na impiedade”.

Os romanos, como os gregos antes deles, não tinham interesse em impor suas crenças ou cultura aos judeus. Enquanto anexavam a Síria, eles “deixaram a Judéia como um estado de Templo dependente e diminuído”, escreve a Enciclopédia Britânica. Na verdade, os romanos deram aos judeus um grande arranjo: um poderoso império os protegia dos inimigos, enquanto os deixava livres para levar suas vidas como quisessem. Eles poderiam ter vivido pacificamente e silenciosamente sob a proteção de Roma se não fosse pelos governantes do Estado que, mais uma vez, surgiram de seu rebanho. Esses governantes eram tão sediciosos e cruéis com seu próprio povo que, por fim, em 6 a.C., a paciência dos romanos se esgotou e eles declararam Judá uma província de Roma e mudaram seu nome para Judéia.

Entre os anos 6 d.C e 66 d.C., quando estourou a Grande Revolta que destruiu a Judéia, Jerusalém e o Templo, nada menos que quinze procuradores romanos governaram, às vezes por apenas dois anos. Como era de se esperar, esses anos não foram nada tranquilos. Não entraremos em detalhes neste ensaio ou descreveremos os incontáveis ​​atos dos judeus para com seus irmãos, mas falaremos sobre um grupo de pessoas particularmente nocivo: os Sicarii. Os Sicarii certamente ganharam o título de “Terroristas do Primeiro Século” que a Dra. Amy Zalman lhes deu, ou “Antigos ‘Terroristas Judeus’”, como o Prof. Richard Horsley os chamou.

No entanto, eles diferem das organizações terroristas contemporâneas que agem contra os judeus ou o Estado de Israel no sentido de que os Sicarii vieram de sua própria fé. Eles não eram um movimento clandestino que buscava derrubar o governo e escolheu a violência como meio de atingir seu objetivo. Em vez disso, eles procuraram intimidar e erradicar fisicamente as pessoas de sua própria religião que não aprovavam, seja porque as consideravam submissas aos romanos ou por qualquer outro motivo. A divisão entre os zelotes (de quem surgiram os Sicarii) e o resto da nação foi a semente do banho de sangue que o povo de Israel infligiu a si mesmo durante a Grande Revolta, alguns anos depois, mas os diabólicos assassinatos dos Sicarii aprofundaram o ódio e a suspeita entre as facções da nação a níveis que selaram o destino dos judeus.

Após 60 anos de inquietação, a Grande Revolta estourou. Enquanto o inimigo oficial dos judeus era a legião romana, as agonias mais indescritíveis, inconcebíveis e desumanas chegaram aos judeus pelas mãos de seus correligionários. O ponto principal das atrocidades da Grande Revolta é como nossos sábios colocaram (Masechet Yoma 9b), “O Segundo Templo … por que foi arruinado? Era porque havia ódio infundado nele”, e por causa de como esse ódio se manifestou.

A guerra dos romanos contra os judeus foi tão horrível e cheia de crueldade autoinfligida pelos judeus que os fez pensar que Deus estava realmente do lado deles. No início do cerco, observando os judeus lutando uns contra os outros dentro da cidade, “os romanos consideraram esta sedição entre seus inimigos uma grande vantagem para eles e estavam muito empenhados em marchar para a cidade”, escreve Josefo. “Eles exortaram Vespasiano,” o imperador recém-coroado, “a se apressar, e disseram-lhe que ‘A providência de Deus está do nosso lado, colocando nossos inimigos uns contra os outros’”. Os comandantes romanos queriam tirar vantagem da situação por medo de que “os judeus possam voltar a se unir rapidamente”, seja porque estão “cansados ​​de suas misérias civis” ou porque podem “arrepender-se de tais atos”.

No entanto, o imperador estava muito confiante de que o ódio dos judeus uns pelos outros era irremediável. De acordo com Josefo, Vespasiano respondeu “que eles estavam muito enganados no que achavam que deveria ser feito”, acrescentando que “Se eles ficarem um pouco, terão menos inimigos, porque serão consumidos nesta sedição, que Deus age como um general dos romanos melhor do que ele pode fazer, e está entregando os judeus a eles sem nenhuma dor própria, e concedendo a seu exército uma vitória sem qualquer perigo; que, portanto, é o seu melhor caminho, enquanto seus inimigos estão se destruindo com as próprias mãos e caindo no maior dos infortúnios, que é o da sedição, sentados como espectadores dos perigos que correm, em vez de lutar corpo a corpo com homens que amam matar, e estão loucos um contra o outro.(…) Os judeus são vexados em pedaços todos os dias por suas guerras civis e dissensões, e estão sob maiores misérias do que, se eles fossem capturados, poderia ser infligida a eles por nós. Portanto, quer alguém tenha consideração pelo que é para nossa segurança, ele deve permitir que esses judeus destruam uns aos outros”.

O cerco a Jerusalém foi o fim de uma batalha de quatro anos. Quando começou em 66 d.C., a violência eclodiu em toda a província. Se durante a Revolta Hasmoneia, a luta era entre judeus helenizados e judeus militantes que permaneceram fiéis à sua religião, agora a luta era apenas entre judeus “verdadeiros”, entre várias seitas de zelotes militantes, e judeus moderados, que se esforçavam para negociar a paz com os romanos.

No entanto, o ódio infundado que surgiu entre os judeus durante a revolta foi muito pior do que até mesmo o ódio já intenso que as facções da nação sentiam umas pelas outras antes de sua eclosão. Inicialmente, escreve Josefo, “Todas as pessoas de todos os lugares se lançaram à rapina, depois do que se reuniram em corpos, a fim de roubar o povo do país, de modo que por barbárie e iniquidade, os da mesma nação não fizeram nada diferente dos romanos. Não, parecia ser uma coisa muito mais leve ser arruinado pelos romanos do que por eles próprios”.

Depois de sitiada dentro de Jerusalém, a luta tornou-se ainda mais cheia de ódio. Josefo escreve que “esse temperamento briguento pegou famílias privadas, que não podiam concordar entre si, após o que aquelas pessoas que eram as mais queridas umas das outras romperam todas as restrições entre si, e todos associados com aqueles de sua própria opinião e já começaram a se opor entre si, de modo que as sedições surgiram por toda parte”.

“Os judeus estavam … irreconciliavelmente divididos”, escreve Johnson. Eles estavam tão absortos na destruição mútua que não podiam pensar no futuro, nem mesmo no dia seguinte. Como resultado, e como parte de sua guerra total, “Simão e seu grupo incendiaram as casas que estavam cheias de milho e de todas as outras provisões … como se tivessem, de propósito, feito isso para servir aos romanos destruindo o que a cidade havia armado contra o cerco e, assim, cortando os nervos de seu próprio poder”. Como resultado, “quase todo aquele milho foi queimado, o que teria sido suficiente para um cerco de muitos anos. Então, eles foram levados por meio da fome”, escreve Josefo.

Assim, os judeus não conheciam limites quando se tratava de autodestruição. No final, eles até recorreram ao canibalismo, embora não descreverei aqui os testemunhos.

Nessas circunstâncias, a ruína de Jerusalém, a destruição do Templo e o exílio da terra eram inevitáveis. Até mesmo Tito, o comandante da legião romana, reconheceu que não foi sua ação que lhe deu o triunfo, mas o ódio dos judeus uns pelos outros. O sofista grego Filóstrato descreve os sentimentos de Tito em relação aos infelizes judeus: “Quando Helena da Judéia ofereceu a Tito uma coroa da vitória depois que ele tomou a cidade, ele a recusou alegando que não havia mérito em derrotar um povo abandonado por seu próprio Deus”.

O que Tito não sabia, entretanto, era que a queda dos judeus não foi porque seu Deus os abandonou, mas porque eles se abandonaram uns aos outros. Na verdade, a ruína do Segundo Templo, com todas as atrocidades que o acompanharam, testemunha mais do que qualquer coisa que o destino dos judeus está em suas mãos: quando estão unidos, eles têm sucesso glorioso; quando estão divididos, eles falham miseravelmente.

Quando comecei esta série de artigos, foi porque o editor de um dos jornais onde escrevo artigos de opinião regulares solicitou mais informações sobre minha mensagem de que se os judeus não estiverem unidos, eles atraem para si o antissemitismo. Especificamente, ele queria saber minhas fontes para fazer esse argumento tão insistentemente.

Eu espero que agora minhas fontes estejam mais claras. Devemos entender que a unidade não é uma opção para os judeus; é uma obrigação; é nossa corda de salvamento. Como mostrei ao longo desta série, o cenário de divisão causando aflição e união trazendo paz se manifestou em cada um dos principais momentos da história de nossa nação.

Hoje, estamos em mais uma dessas encruzilhadas. Mais uma vez, estamos diante da questão: unidade e triunfo ou divisão e derrota? Não importa de que opressor venha a derrota, mas o certo é que virá se estivermos divididos e não virá se estivermos unidos. É minha esperança e desejo que todos unamos forças em um esforço comum para superar nossas diferenças e nos tornarmos verdadeiramente uma luz de unidade para as nações, como sempre fomos destinados a ser. Hoje, como nunca, isso é fundamental para a nossa sobrevivência.

Comente