Regras Do Jogo Com O Criador

275Os conceitos da sabedoria Cabalística são diferentes daqueles aos quais estamos acostumados em nosso mundo. Jogar é na verdade uma transição. Como um gato que se agacha antes de pular, mira e só então pula. Toda essa preparação e ajuste para um salto imaginário é um jogo. O gato joga como ele vai pular agora.

Ou seja, um jogo é uma forma de visualizar um estado futuro. Portanto, toda a nossa vida deve ser um jogo. Estamos ansiosos para nos conectar e dentro de nossa conexão para revelar o Criador, o propósito de nossa existência, vida eterna e perfeita. Tudo isso é conseguido através do jogo.

As crianças jogam o tempo todo e é assim que crescem. É o mesmo na vida espiritual, mas aí devemos tomar o jogo em nossas próprias mãos, entendê-lo e jogar junto com o Criador. Afinal, sem o jogo, não conseguiremos nos aproximar Dele e nos tornarmos Seus parceiros. Quanto mais nos retratamos como estando mais próximos do Criador, melhor entendemos as regras deste jogo.

Acontece que devemos jogar constantemente: uma pessoa joga consigo mesma, joga com o grupo, joga com o Criador. E o Criador joga com o Leviatã, ou seja, com toda a criação. Com a ajuda do jogo, alcançamos um estado chamado “refeição do Leviatã”, quando toda a humanidade se senta ao redor de uma grande mesa com o Criador para saborear o Leviatã.

Nós jogamos com ele, o usamos para nos tornar um homem, Adam, semelhante ao Criador, e nos fundimos com Ele em um. Então, todo o Leviatã, toda a criação, é colocada à nossa disposição para o uso correto, que é chamado de refeição do Leviatã, o fim da correção.

Não há nada além do jogo. O jogo significa que eu passo do estado atual para o próximo, mais avançado. A vida é mudança constante, transição de um estado para outro. Eu só preciso adicionar o Criador a essas mudanças como o primeiro a iniciar todo o jogo e como o último a quem procuro após uma implementação bem-sucedida.

Primeiro, descubro todos os estados pelos quais passo dentro da dezena, no estado atual, e mudo a dezena, minha participação nela, até chegar ao uso correto das condições preparadas pelo Criador. É assim que avançamos.

Isso é chamado de jogo porque ainda não alcançamos o estado que desejamos. O esforço para se mover para o estado desejado, o mais elevado, mais doador e mais avançado em relação à conexão entre nós e nossa conexão com o Criador, é chamado de jogo.

Sempre é possível jogar. Até os animais jogam, mas o fazem inconscientemente, como crianças, em virtude do instinto de desenvolvimento. Se quisermos usar o jogo para sair deste mundo para o mundo superior, devemos aceitar esse jogo, compreender suas regras e construir nós mesmos o sistema do jogo para nos elevarmos acima.

Cada um de nós está jogando o tempo todo. Cada pessoa é como um fantoche representado pelo desejo de receber, sem pedir sua permissão, ou pelo desejo de doar, que ela mesma convida a agir dentro dela. Então ela joga apaixonada pelos amigos.

Sempre vemos um jogo e, portanto, devemos avaliar uma pessoa apenas dependendo do tipo de jogo que ela está jogando: um negativo, por iniciativa de seu egoísmo, ou um positivo, quando atrai o desejo de doar a jogar através dela.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 04/01/21, “O Jogo”

Comente