O Primeiro Degrau

439No mundo corporal, o mais importante para avançar é abrir o portão e entrar. Mas é diferente na espiritualidade porque o progresso é construído em cima de tudo o que vivemos.

Portanto, o portão fechado não é visível de todo, parece ser uma parede sólida. O homem sente que há uma parede em seu caminho e, de repente, uma entrada aparece nessa parede e permite que ele passe.

No entanto, antes que a entrada se abrisse, era totalmente impossível ver que havia uma porta trancada na parede. Não havia sinal de que havia uma abertura na parede.

Por isso é tão importante entender o que são essa parede e essas fechaduras nas entradas. Agora o mundo inteiro está trancado a sete chaves, em quarentena. Esta é também uma espécie de ocultação, que se revela cada vez mais para que possamos imaginar o que significa retirar as fechaduras, ou seja, a revelação, e atraí-la o mais rapidamente possível.

Nós sentimos que estamos aprisionados, na escuridão, em um mundo estreito e escuro, mas queremos revelar a força superior nele e que não há nada além dela, o que significa que é essa força que retrata para nós tudo o que acontece conosco.

Portanto, não importa em que estado estejamos, o principal é tentar revelar nele essa força sobre a qual se diz “Eu habito entre o meu próprio povo”. A coisa mais importante é sentir que em qualquer estado de escuridão estamos em conexão com o Criador e tentar aderir a ele.

Portanto, não precisamos procurar por uma porta na parede. No lugar onde podemos nos elevar pela fé acima da razão, de acordo com nossa oração, pedido, desejo e invocando a ajuda da força superior, a abertura aparecerá na parede e nos permitirá passar. Assim como o Mar Vermelho se abriu durante o êxodo do Egito.

No lugar onde nos unimos em nosso desejo de passar, encontramos uma abertura e passamos por ela.

A fé acima da razão é o que abre a entrada na parede. A parede é o nosso egoísmo que nos separa da qualidade de doação. Estamos de um lado da parede no mundo do egoísmo, e além está o mundo da doação, aonde queremos ir. Essa transição é realizada pela fé acima da razão, ou seja, na medida em que sou capaz em meu estado atual de retratar que a parede está se abrindo, a intenção de doação é revelada dentro do meu desejo egoísta. Essa será a abertura.

Eu entendo que não sou capaz de doar, mas eu realmente quero e estou pronto para fazer qualquer coisa para alcançar isso. Esse é o choque entre o estado existente e o desejado. Se nos anularmos um perante o outro para nos conectar, criamos uma qualidade que está perto da doação, e esse é o nosso apelo ao Criador para nos ajudar, para abrir a entrada para nós, a transição das qualidades de recepção para as qualidades de doação, como se estivesse cruzando o Mar Vermelho.

Encontrar as chaves para todas as fechaduras significa conectar Malchut a Bina e alcançar a abertura. No entanto, esta não é uma revelação mecânica, mas emocional.

A sensação de estarmos diante de uma porta trancada vem do fato de estarmos nos integrando ao grupo e tentando invadir o coração dos amigos para nos conectarmos como um só homem. Então descobrimos que existe uma parede que nos impede de fazer isso.

Na verdade, essa parede é o próprio Criador. Tudo o que temos a fazer é pressionar, persuadir, implorar e orar tanto quanto possível até que todas as fechaduras sejam abertas e as paredes entre nós sejam removidas.

Quando tentamos nos conectar na dezena, sentimos que algo está nos afastando, impedindo-nos de nos conectarmos em um só coração. Existem 125 graus no sentimento de um coração, cada um dos quais inclui três estágios: Ibur (Concepção), Yenika (Amamentação) e Mochin (Idade Adulta). Devemos tentar romper o primeiro degrau, alcançar a conexão em um desejo, de modo que estejamos juntos em um coração, em um sentimento de unidade.

Este é o primeiro avanço na espiritualidade quando começamos a agir como uma célula espiritual a partir da qual cresceremos. É necessária uma gota de sêmen espiritual a partir da qual o corpo se desenvolverá.

Existem várias condições para isso: ser incluído no superior (na dezena), se anular um perante o outro a fim de se fundir em uma célula e, assim, irromper no mundo espiritual e começar a crescer lá. O mais difícil é a primeira ação: tornar-se um embrião espiritual.

Cada coração está bloqueado. Devemos desbloquear cada coração e conectá-los todos juntos. Em seguida, fechamos a dezena inteira com uma fechadura chamada restrição, tela e luz refletida, que nos fecha juntos em uma ação espiritual comum em relação ao Criador.

Colocamos essa fechadura na conexão entre nós e pedimos ao Criador para não nos deixar escapar do grupo e quebrar essa conexão, e assim nos conectamos com a força superior.

Orando por meus amigos, implorando ao Criador para ajudá-los, eu quebro a fechadura do meu coração. Orar pelos amigos é um meio de partir meu coração insensível.

Todos os nossos corações estão trancados com fechaduras egoístas e eles não sentem nada além de seu egoísmo. Não posso abrir essa fechadura sozinho; só posso pedir ao Criador para fazer isso.

Porém, é ainda melhor perguntar pelos amigos da dezena, cada um pelos outros. Isso é mais eficaz quando não peço para mim, mas para os outros, mesmo que seja um pedido formal.

Afinal, eu estava sempre me perguntando: “Me ajude, faça isso por mim!” E agora estou pedindo pelos outros como se existisse na dezena apenas para orar por meus amigos, para estabelecer uma conexão entre eles e o Criador. Essa é a minha única função; não quero nada além disso, anulo-me completamente como se não existisse. Meu único propósito é fornecer uma conexão do Criador com os nove amigos e deles com o Criador.

Se eu tentar construir tais relacionamentos, o Criador começará a cuidar da dezena através de mim.

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá 25/01/21, “Quebrar as Barreiras para a Espiritualidade”

Comente