“Nenhum Herói Quando Se Trata Da Covid” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Nenhum Herói Quando Se Trata Da Covid

Você ainda consegue se lembrar de como se sentia no ano passado? Você se lembra de suas esperanças, seus sonhos e suas visões da década recém-nascida? O que sobrou desses sonhos um ano depois? Se você desse seu palpite sobre 2020, seria algo parecido com a realidade que se desenrolou? A Covid-19 nos ensinou uma grande lição: não sabemos nada e não controlamos nada. Na verdade, nem mesmo sabemos o que não sabemos e certamente não podemos controlar algo que não sabemos que existe!

Mas se não sabemos de nada, como podemos fazer planos? Qual é o valor de nosso medicamento de alta tecnologia se um mês depois de lançarmos as vacinas com muito alarde, três novas cepas de Covid apareceram, para as quais não temos certeza de que as vacinas sejam sequer eficazes, e que são muito mais contagiosas e possivelmente mais violentas do que a cepa original? Nos primeiros dias de mandato, o novo governo, que menosprezou o anterior pelo tratamento da pandemia, já fez duas declarações derrotistas: a primeira afirmava que a Covid “piorará antes de melhorar” e a segunda, ainda mais desanimadora, afirmava que “Não há nada que possamos fazer para mudar a trajetória da pandemia nos próximos meses”. Simplificando, a administração anterior tentou e falhou, e a administração atual falhou antes mesmo de tentar. Claramente, quando se trata da Covid, não há heróis.

Isso levanta questões interessantes: o que acontecerá se nos rendermos? O que significa render-se ao vírus? Isso significa que todos vamos morrer ou talvez outra coisa? Existe uma maneira de impedir a disseminação da Covid-19 além das vacinas?

Existem respostas simples para isso: podemos impedir a propagação do vírus seguindo os requisitos que todos sabemos que são úteis – distanciamento social, uso de máscaras e lavagem das mãos. Mas isso vai derrotar o vírus? Isso fará com que ele desapareça? Na melhor das hipóteses, essas medidas retardarão sua disseminação, mas não a cessarão.

Pode parecer contraintuitivo, mas para eliminar o vírus, devemos parar de combatê-lo. O vírus é como um adulto vendo uma criança prestes a bater a cabeça contra um galho baixo que a criança não vê por que está procurando tesouros no chão. O adulto não tem escolha a não ser empurrar a cabeça da criança para baixo antes que ela bata no galho e se machuque. A criança, que não vê o galho, olha com raiva para o adulto “agressivo” e tenta continuar caminhando ereta, então o adulto é forçado a empurrar a cabeça da criança para baixo com ainda mais força, pois seu empurrão, por mais desagradável que seja, é muito menos doloroso do que bater com a cabeça em um galho pesado. O adulto tenta mostrar à criança que há outro caminho que ela pode seguir, onde encontrará todos os tesouros que procura, e que não há nada para onde ela insista em ir. Ainda assim, a criança é obstinada e insiste em seguir o caminho errado. O que o adulto deve fazer? Ele deve deixar a criança se arriscar ou insistir até que ela compreenda?

A resposta é clara, mas não tão simples de fazer. Para a criança entender, ela deve parar de lutar contra o adulto. Só então ela verá o galho e olhará para onde o adulto está apontando. Mas até que a criança desista da luta, ela continuará a avançar e o adulto continuará a impedi-la, um pouco mais assertivamente a cada vez.

Como aquela criança teimosa, insistimos em buscar a normalidade que pensamos ser boa para nós: a vida que tínhamos na década anterior. No entanto, ela entrou em colapso no final da década. O aparecimento da Covid em sua conclusão marcou o fim do antigo modo de vida, e voltar a ela nos machucará muito mais do que se batêssemos com a cabeça em um galho baixo e alegórico.

O coronavírus nos impede toda vez que tentamos voltar para o lugar de onde viemos: um mundo desatualizado e obsoleto. Somente se nos rendermos ao vírus, seguirmos os requisitos para impedir sua propagação, descobriremos que, além de impedir o contágio, também aprendemos novas maneiras de tratar uns aos outros e, inadvertidamente, transformamos nossa sociedade inimiga e hostil em uma sociedade saudável onde é um prazer viver, onde consideração, aceitação e responsabilidade mútua são verdadeiramente os valores dominantes. E, depois de nos transformarmos, não haverá esforço para fazer o que for preciso para bloquear completamente a propagação do Covid-19, e o vírus se tornará um capítulo em nossa história.

Comente