“Como Podemos Atingir A Maturidade Espiritual?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Como Podemos Atingir A Maturidade Espiritual?

Uma pessoa espiritualmente madura é aquela que deixa de buscar o prazer voltado para si mesma e, em seu lugar, busca amor, doação e conexão positiva com os outros.

Da mesma forma, em nossa vida corpórea, como crianças, tudo o que sabemos é como receber prazer voltado para nós mesmos e corremos atrás de uma coisa divertida atrás da outra. Então, em um determinado estágio de maturidade corporal, quando nos tornamos adultos, temos que assumir um papel mais doador e responsável na sociedade, para trabalhar e contribuir socialmente de várias maneiras. No entanto, mesmo um adulto em nosso mundo, que trabalha e contribui para a sociedade, funciona de acordo com um desejo autodirecionado fundamental de desfrutar.

Alcançar a maturidade espiritual significa que invertemos o objetivo de nossos desejos de “para nosso próprio benefício” para “para o benefício dos outros”.

Ao fazer isso, cruzamos uma barreira entre o nosso mundo corporal e o mundo espiritual. A essência do nosso prazer, portanto, também muda: em vez de desfrutar passando de um prazer autodirecionado para o próximo entre os desejos por comida, sexo, família, dinheiro, honra, controle e conhecimento, nós desfrutamos de estar conectados ao propósito de nossa vida e fonte – a força espiritual de amor, doação e conexão que existe em perfeição eterna absoluta. Em outras palavras, maturidade espiritual significa viver em amor, doação e conexão positiva com os outros, não pelo prazer que isso nos traz, mas por nos conectarmos com a fonte de nossas vidas.

A maturidade espiritual, portanto, vem depois de estabelecer uma conexão e um grau de semelhança com a força espiritual de amor, doação e conexão. Ao fazer isso, nos elevamos acima do nível corporal da nossa vida, onde buscamos o prazer egoísta.

Se tirarmos um instantâneo da evolução humana para ver onde estamos atualmente em relação a tal maturidade espiritual, como humanidade, podemos ver que estamos em processo de transição para uma nova era onde não extraímos mais o mesmo tipo de desfrutar dos prazeres corpóreos como antigamente. Também não vemos mais uma imagem rosada à nossa frente. No passado, podíamos recorrer a diferentes sistemas para substituir os atuais. Isso não é mais o caso hoje, pois já podemos vislumbrar a falência das direções que tentamos. Simplesmente não esperamos mais a recepção de quaisquer novos prazeres especiais na vida.

Tal estado faz parte de nossa evolução natural: atingimos um limite em nosso desenvolvimento corpóreo e chegou a hora de fazer a transição para um novo paradigma espiritual. Em português claro, isso significa que encontramos cada vez menos satisfação em correr atrás de prazeres o tempo todo, a fim de perceber que a verdadeira realização em nossa era vindoura é, em vez disso, perseguir a fonte de todo prazer: a força espiritual de amor, doação e conexão. Além disso, se deixarmos de nos aplicar a esta transição por nossa própria vontade, vamos experimentar cada vez mais sensações negativas – insatisfação, vazio, depressão, solidão, estresse, ansiedade e outras formas de sofrimento – a fim de nos incitar a perceber a necessidade de amadurecer espiritualmente. Seremos simplesmente impedidos de desfrutar de qualquer coisa, e começaremos a fazer perguntas fundamentais sobre nossas vidas, como “Por que isso está acontecendo?”, “Qual é o sentido disto tudo?”, “Para que serve esta vida?”, “Por que existe tanto sofrimento neste mundo?” e “O que posso fazer sobre isso?”

Em outras palavras, começaremos a perguntar não sobre os prazeres em si, mas sobre sua origem. Quanto mais fazemos esse tipo de pergunta, mais seremos levados a buscar ambientes novos e diferentes daqueles em que nos engajamos até agora – aqueles que nos ajudarão a amadurecer espiritualmente.

Enquanto desfrutamos neste mundo, não perguntamos sobre a fonte do prazer. No entanto, assim que paramos de aproveitar a vida e também não vemos um objetivo futuro que nos atraia a desfrutar, no sentido de nos movermos em direção a algum objetivo digno à nossa frente, começamos a nos sentir como se estivéssemos imersos em um sério problema existencial. Começamos então a fazer perguntas fundamentais sobre o propósito e o sentido da vida, e não simplesmente como desfrutar enquanto estamos aqui.

Nessa conjuntura, começamos a entender que se quisermos aproveitar a vida, precisamos nos aproximar da fonte da vida, o que significa inverter o objetivo pelo qual desfrutamos de “para nosso próprio benefício” para “para o benefício dos outros”.

Baseado na Lição Diária de Cabalá em 30 de dezembro de 2020. Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

Comente