“Como Os Cabalistas Lidam Com Os Rumores” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin “Como Os Cabalistas Lidam Com Os Rumores

Um aluno me perguntou como os Cabalistas lidam com rumores sobre eles e falsas acusações: eles os ignoram completamente ou lidam com eles de alguma outra maneira?

Essa é uma pergunta interessante porque desde o alvorecer da Cabalá, muito antes mesmo de ser intitulada “a sabedoria da Cabalá”, os Cabalistas tiveram que lidar com calúnias e desprezo, e às vezes até mesmo com Cabalistas e violência contra eles. Por mais desagradável que seja, os Cabalistas sempre trataram esse fenômeno com paciência e compreensão, pois sabiam de onde ele vinha.

A humanidade é um sistema único, mas quebrado. Por quebrado, quero dizer que não sentimos nossas conexões e, portanto, tratamos uns aos outros como alienígenas ou inimigos, sem perceber que, ao fazer isso, estamos nos prejudicando, assim como nas doenças autoimunes, quando o sistema imunológico interpreta mal elementos do corpo como estranhos e os ataca, ferindo assim o corpo inteiro.

Todo o propósito da sabedoria da Cabalá é nos revelar nossa conexão e interdependência, e nos prevenir de ferirmos uns aos outros. Desta forma, a Cabalá busca curar cada pessoa e toda a sociedade simultaneamente. No entanto, uma vez que não sentimos nossa conexão, inconscientemente interpretamos os esforços dos Cabalistas e a sabedoria da Cabalá para nos unir como uma ameaça à nossa existência, como se estivéssemos sendo forçados a sentar perto de um inimigo jurado. Como resultado, nós o evitamos e alertamos os outros a fazerem o mesmo. Embora esse processo aconteça nas profundezas de nosso inconsciente, suas manifestações em nosso mundo são muito reais.

Enquanto a humanidade evoluiu nos níveis mais básicos, buscando principalmente satisfazer os desejos de necessidades básicas como comida, sexo, família, riqueza, poder e conhecimento, não precisávamos da sabedoria da Cabalá. Ou seja, não precisávamos ter consciência de nossa conexão. Por essa razão, qualquer tentativa de introduzir a Cabalá foi recebida com rejeição feroz.

No entanto, hoje, estamos desenvolvendo lentamente novos desejos – saber o sentido da vida, sua origem e propósito. É impossível compreender a vida, e certamente não seu propósito, a menos que compreendamos o fato de que estamos todos conectados. Assim como você não pode compreender o corpo humano examinando apenas uma célula, ou mesmo um órgão, mas apenas examinando todo o corpo, com todas as suas células, órgãos e (principalmente) as conexões e interações entre eles, é impossível compreender a vida, e certamente não a humanidade, sem compreender as interconexões entre todas as pessoas. É por isso que hoje em dia, muitos milhares de pessoas de todo o mundo estão vindo aprender Cabalá: elas querem saber como tudo funciona junto.

Se você olhar para a história humana, a Cabalá é uma ideia relativamente nova, precisamente porque é o estágio final em nosso desenvolvimento. O primeiro Cabalista foi Adão, que viveu há quase 6.000 anos. Embora ele tivesse alguns alunos, que transmitiram seus conhecimentos e percepções a seus próprios alunos, não havia um método claro de ensino, nenhum princípio que alguém pudesse seguir e, portanto, nenhum sistema de disseminação da ideia da unidade inerente da humanidade.

O primeiro a tratar a Cabalá como um remédio para a humanidade foi Abraão. É também por isso que ele foi o primeiro a encontrar resistência de seus contemporâneos, que se recusaram a ouvir sobre a conexão. Apesar da resistência, milhares de pessoas se identificaram com as palavras de Abraão e se tornaram seus alunos. Ele os ensinou sobre a unidade e começaram a praticá-la entre si. A peculiaridade dos alunos de Abraão era que eles vinham de clãs e tribos que eram inicialmente estranhos e muitas vezes hostis; no entanto, assim que se juntaram aos alunos de Abraão, tornaram-se muito próximos uns dos outros.

Ao formar seu grupo baseado unicamente na unidade, em vez de nas relações de sangue, Abraão provou os méritos da unidade. Em certo sentido, seu grupo ganhou uma grande vantagem sobre os outros, pois se tornaram um organismo inteiro, enquanto o restante das pessoas permaneceu como células ou órgãos separados.

O ódio que o grupo de Abraão experimentou, e particularmente o próprio Abraão, é a raiz do ódio que agora chamamos de “antissemitismo”. Em seu nível mais profundo, é a resistência do ego em se unir a qualquer pessoa ou coisa, por medo de perder sua própria identidade. A profunda sensação de que a unidade é a melhor maneira de viver, juntamente com a objeção do ego em aceitá-la e renunciar ao seu domínio, cria uma dissonância com a qual as pessoas são muito difíceis de lidar. Como resultado, eles odeiam os mensageiros da ideia de unidade – os descendentes do grupo de Abraão – os judeus.

O grupo de Abraão evoluiu para o povo de Israel. Por muitos séculos, eles viveram de acordo com os princípios prescritos por Abraão, ou seja, que a unidade é o princípio subjacente sobre o qual todas as regras do povo judeu são construídas. É por isso que nossos sábios disseram que “Ame seu próximo como a si mesmo” é a grande regra da Torá. No entanto, no final, os judeus também sucumbiram aos egos furiosos dentro deles e tornaram-se como todos os outros – egoístas e alheios ao princípio da unidade como base do judaísmo e à sua obrigação de dar o exemplo de unidade, como fez Abraão com seu grupo.

O resultado do abandono do princípio da unidade pelos judeus foi a resistência à Cabalá. Na verdade, o antissemitismo das nações em relação aos judeus origina-se do mesmo medo que faz com que os judeus se oponham à Cabalá – a resistência do ego à necessidade de se unir, ao fato de que estamos todos conectados, não importa o quanto tentemos negar.

Apesar de todos os esforços de nossos egos, a realidade prova que estamos todos conectados. A cada dia que passa, vamos descobrindo mais caminhos e mais fibras que nos conectam. E quanto mais descobrimos nossa conexão, mais percebemos que a sabedoria da Cabalá é fundamental para nossa compreensão do mundo ao nosso redor. Nos próximos meses e anos, todos, desde pessoas simples até líderes mundiais, descobrirão que, sem entender as complexidades de nossas conexões, não serão capazes de administrar suas vidas e, certamente, de liderar nações. A sabedoria da Cabalá terá que se mostrar como um método pelo qual entender o mundo e estabelecer conexões entre as pessoas que correspondam à realidade interconectada da humanidade e de toda a realidade.

Para mais informações sobre o tema da resistência à Cabalá, por favor, veja minha publicação, A Very Narrow Bridge: The fate of the Jewish people .

Comente