Amor E Ódio Entre Os Alunos Do Rabino Shimon

592.04Pergunta: Muitas vezes você deu o exemplo dos alunos de Rabbi Shimon que descobriram que se odiavam a ponto de quererem se matar. Também descobri que odeio meus amigos e quero matá-los. Qual é a diferença entre eu e o grupo do Rabino Shimon?

Resposta: O ódio dos alunos do Rabino Shimon foi revelado a partir do próximo nível espiritual, a transcendência do ego acima do amor anterior. Suponha que eles estivessem no nível 100. Eles haviam alcançado uma conexão completa entre eles naquele nível. Depois disso, o ego neles subiu para o nível 101 e em vez do amor anterior que sentiam, eles descobriram um ódio ainda maior. Isso é o que os tipifica.

Eles entenderam e compreenderam onde se encontravam. Eles sentiram o nível anterior com precisão e clareza – o quanto se amavam e estavam mutuamente conectados entre si – e, em contraste com isso, o quanto agora era o oposto, eles agora se odiavam totalmente.

O que quer dizer que uma passagem muito clara do positivo para o negativo foi sentida neles, um reconhecimento do caminho de todo o sistema da criação, bem como por que estava acontecendo. Afinal, eles estavam presos a todo o sistema, pois sentiam que ele era global e mundial; eles sentiram todos os mundos, a matriz inteira e a conexão com o Criador que se encontra dentro dela, a anima e constitui sua energia interna.

Suponha que haja um pedaço de ferro dentro do qual uma corrente elétrica comece a fluir, impulsos, conexões e assim por diante. O que é o próprio pedaço de ferro? Em contraste com isso, a energia elétrica que estimula o ferro cria um computador ou qualquer outra coisa a partir dele, então já é significativa. Portanto, você precisa tanto do ferro quanto da energia que o preenche.

Em uma pessoa que está se movendo através dos níveis dos mundos espirituais, uma maior compreensão do “ferro” é constantemente descoberta, ou seja, o sistema no qual ela se encontra. Sem energia elétrica e o resto dos parâmetros, ela sente que o sistema está destruído, como um cadáver, ou é o contrário: a energia é descoberta neste corpo, vitaliza-o e faz tudo o que for necessário. Entre os Cabalistas, grandes distinções e diferenças foram observadas.

Em qualquer caso, em um ou outro caso, a pessoa não se separa do grupo, como foi dito sobre o Rabi Shimon; ele se sentia como o “Shimon do mercado”. Ele entendeu que tinha sido lançado lá de um nível mais alto especificamente para que pudesse subir a um nível ainda mais alto.

Tudo isso acontece na pessoa graças aos níveis anteriores e ao grupo em que se encontra. Do contrário, ela se sentiria assim: aqui estou, este é o meu trabalho, esta é a minha vida, não há mais nada, e é tudo desnecessário. Mas, como ela está conectada ao grupo, a Ohr Makif (luz circundante) já a influencia e diz: “Você precisa disso!”

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 08/02/19

Comente