Afinando As Cordas Da Alma

528.02“O amor cobrirá todos os crimes” não é apenas uma bela frase, mas um meio para alcançar o amor pelo Criador. Nós recebemos uma alma quebrada, e essa quebra é revelada até o final da correção durante toda a ascensão espiritual. Cada vez devemos nos empenhar pela unidade, por uma conexão devotada, até o amor.

Portanto, revelaremos constantemente as linhas esquerda e direita uma contra a outra e subiremos os degraus do ódio e do amor. O Criador quebrou o vaso precisamente para nos dar a oportunidade de ascender os degraus da unidade cada vez mais alto.

O grupo deve cumprir a condição: “O amor cobrirá todos os crimes”, isto é, revelar pecados, ódio, corrigir todos os tipos de diferenças entre nós e curá-los com amor. O amor é uma interconexão em que ninguém se sente, mas apenas todos juntos.

Desta forma, construímos os estágios de uma conexão cada vez mais poderosa, até que neles, como resultado de nossos esforços, a qualidade da unidade, que é chamada de Criador, comece a se desenvolver. Não há outra maneira de se aproximar do Criador.

Nós trabalhamos na dezena, tentamos nos conectar e revelar a má vontade, o ódio e a rejeição, brigamos, mas superamos a briga para nos abraçarmos novamente. E assim aceleramos o caminho.

Esta lei se aplica não só à dezena, mas também na vida cotidiana entre pessoas, países, entre crianças e adultos, nas relações familiares. Se quisermos chegar a uma conexão, devemos também identificar diferenças, separações e contradições.

Mas em tudo você precisa enxergar o objetivo futuro, ou seja, entender por que fazemos isso. Para qualquer pequena mudança em nossas vidas, devemos sempre nos mover da escuridão para a luz, da noite para o dia, e o mesmo acontece em nosso relacionamento com o Criador.

A participação na dezena é necessária para revelar as conexões entre nós: ódio e amor, cada vez mais forte e profundo, e no contraste da escuridão e da luz revelar o Criador como a vantagem da luz a partir da escuridão.

É como uma pequena voz que não podemos ouvir. Ainda estamos em um mar de sons, mas não os distinguimos. Precisamos atingir essa sensibilidade para começar a ouvi-los, para reconhecer que o Criador está entre nós, às vezes se escondendo, às vezes se revelando, em diferentes formas. E isso só é possível se construirmos conexões entre os amigos da dezena, para mostrar todas as nuances do contraste entre a quebra e a conexão.

Além disso, isso não requer manifestações externas, uma explosão de ódio e emoções. Tudo isso deve estar por dentro, expresso na sutileza das sensações. Devemos nos tornar cada vez mais sensíveis porque queremos revelar o Criador escondido entre nós.

O Criador está se escondendo porque não temos ferramentas precisas e sutis suficientes para capturá-Lo. Quanto mais profundamente penetramos em todas as sutilezas da transição da quebra para a conexão, sentimos toda a diferença entre elas, nesses limites começaremos a sentir o Criador.

Um mestre em seu ofício é aquele que é sensível aos menores detalhes, que aguçou sua sensibilidade. Nada é perceptível a olho nu, mas para o especialista, cada pequeno detalhe torna-se essencial e mostra o que está acontecendo.

Nos falta exatamente essa sensibilidade. O Criador ainda está entre nós, mas não temos os sentimentos certos. Nosso desejo de desfrutar é muito rude e está no grau mais baixo das sensações deste mundo. Também precisamos aprender a sentir sutilmente tudo o que acontece em um amigo. Tendo me estabelecido para tal relacionamento com meus amigos, eu começo a revelar meu relacionamento com o Criador neles.

Nossas relações mútuas são como cordas que soam afinadas, ora em tom menor, ora em tom maior, ou seja, em distância e conexão, em todos os tipos de estados. É assim que o Criador fala conosco, porque foi Ele quem nos despedaçou e nos separou, e também nos ajuda a nos conectar.

Então, nós O sentimos tocando em nossas cordas, nos fios de conexão que correm entre nós, tocando em nossos relacionamentos. É assim que O revelamos e descobrimos o que Ele quer nos dizer, e também tocamos nossa própria melodia para Ele, um hino de unidade, amor e desejo. E assim estamos cada vez mais sintonizados com a revelação do Criador na criação.

De nossa aproximação e distanciamento, de todos os estados possíveis, três linhas e conexões, como Sefirot espirituais, aprendemos a linguagem do Criador cada vez melhor, entendemos o que Ele nos diz e como responder a Ele. Toda a nossa conexão com o Criador é através da nossa conexão mútua. Portanto, aquele que não está em uma dezena não tem a oportunidade de revelar o Criador; essa é a condição da última geração.

Em nossa época, o Kli geral está sendo corrigido e, portanto, somos chamados de última geração. Precisamos corrigir dezena por dezena e começar a colocá-las juntas. Mas, antes de tudo, você precisa afinar cada corda como um violino ou violão, para que elas estejam em sintonia umas com as outras e juntas em sintonia com o Criador.

Este já é um trabalho espiritual na dezena para se conectar com o Criador, para dar a Ele um lugar para se abrir entre nós e jogar conosco. E nós poderíamos tocar para Ele uma canção de gratidão, um hino de Sua glória.

Extraído da Lição Diária de Cabalá, 16/01/21

Comente