A Ocultação É Um Lugar Para Revelar As Ações De Conexão

276.04Devemos examinar constantemente onde a ocultação está agindo. Afinal, todo o nosso mundo é uma ocultação da força superior, a força de conexão e unidade, que precisamos revelar.

A revelação do Criador nada mais é do que a revelação da unidade, da conexão, uma atitude calorosa, amor, conexão entre os pedaços quebrados da alma comum e o desejo de trazê-los para mais perto de mim, bem como de aproximá-los.

Aqui temos ações que uma pessoa realiza em si mesma e ações que uma pessoa realiza em relação a outras pessoas para que se integre com todos e se desenvolva. Como resultado, todos entendem que ela é a mensageira do Criador. Por meio desse trabalho, ao servir de exemplo de conexão para os outros e ajudando-os a se aproximar, ela realiza a correção da criação.

O mundo entrou em uma era de correção, que ficou clara com o início da pandemia do coronavírus. Gradualmente, está se tornando cada vez mais aparente que a conexão é a única coisa que nosso mundo precisa. Todos os estados pelos quais passamos, por um lado, ocultam de nós a força da conexão e, por outro, revelam a necessidade dela. É assim que iremos revelar gradualmente o Criador.

Não devemos esperar que o Criador se revele. Essa força de conexão só pode ser revelada se nós mesmos prepararmos uma plataforma para ela, estabelecermos o lugar onde ela deve ser revelada, como é dito “Tu me fizeste”.

Está escrito: “Eles ajudaram a todos seus amigos”, ou seja, todos mostram aos outros o quanto se preocupam e anseiam por uma conexão. Assim que alcançamos um certo sentimento de unidade, ele imediatamente desaparece e se transforma em uma desconexão ainda maior do que antes, a fim de nos dar uma oportunidade de nos conectarmos com ainda mais força. Dessa forma, podemos passar rapidamente por todos os estados, pelos inícios e paradas contínuas, juntar todas as desconexões e conexões, e chegar ao fim da correção.

Isso não requer muitas palavras; todo mundo só precisa fazer seu próprio trabalho interno. Portanto, o trabalho de um Cabalista é chamado de Torá oculta porque não é visível aos outros. No entanto, ele tenta se comportar em qualquer situação como se o Criador fosse revelado diante dele.

Precisamos constantemente despertar nossos amigos para buscar qualquer oportunidade de nos conectarmos ainda mais, como formigas trabalhadoras. É assim que vamos descobrir a rede de nossas conexões, Divindade (Shechina), e começar a trabalhar de forma organizada, vendo o que cada um está fazendo para conectar todos a este campo comum, ao sistema de Adam HaRishon.

O principal é tratar a ocultação como um lugar para revelar as ações de conexão.

Imagine-se em um mundo onde uma força da natureza chamada conexão existe entre todas as partes da criação; ela une átomos, moléculas, organismos vivos, matéria inanimada, plantas, animais, pessoas, gases, líquidos e objetos sólidos. Tudo isso está conectado por uma força, e as pessoas também estão internamente conectadas umas às outras.

Queremos revelar essa força de conexão geral. Não precisamos de mais nada. Se começarmos a descobrir essa força que liga todas as partes da realidade, entenderemos a lei geral pela qual todo o universo opera e por quais estados ele está passando: o que foi, o que é e o que será.

De acordo com a nossa conexão, poderemos influenciar a velocidade de desenvolvimento de toda a criação e vê-la como um único sistema, cada vez mais saudável e gentil, bom para todos, de onde cada um recebe energia e força.

Tudo isso depende apenas de revelar a conexão entre todas as partes, e nós somos os responsáveis ​​por isso. O mundo parecerá mais dividido, fragmentado e quebrado a cada dia. E tudo isso para que possamos mostrar ao mundo os caminhos da conexão até o seu ponto mais alto, que é o amor.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 27/12/20, “Ocultação”

Comente