“A Natureza Dos Empossamentos E Discursos De Unidade” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Natureza Dos Empossamentos E Discursos De Unidade

O discurso de posse de Joe Biden foi sobre unidade. Ele disse que toda a sua alma está em “Unir a América, unir nosso povo e unir nossa nação”. Os telespectadores no YouTube não ficaram convencidos. Uma hora depois, Biden assinou uma série de ordens executivas que reverteram totalmente as políticas de Trump.

Quatro anos atrás, o discurso de posse de Donald Trump também clamou pela unidade. Mas assim que assumiu o cargo, ele começou a “Drenar o pântano”, como ele chamou. Basicamente, ele fez tudo o que pôde para desfazer os objetivos e esforços de Obama.

Você pode ter uma opinião sobre qual política é melhor para a América ou melhor para o mundo, mas se a unidade não estiver no topo da lista, você precisa saber que está apoiando a política errada. A era das ideologias dominantes que ditam as políticas acabou. Nós nos tornamos muito interligados em todo o mundo para sermos capazes de defender um lado ou uma ideologia e oprimir outros. Nós nos tornamos um só corpo. Se a mão esquerda está ocupada amarrando a mão direita, ambas as mãos não podem funcionar e todo o corpo não pode trabalhar, comer ou fazer qualquer coisa. Mas se for o contrário, e ambas as mãos estiverem livres e trabalharem juntas, não há limite para o que esse corpo pode fazer.

Globalização significa dependência mútua. No entanto, também significa apoio mútuo. A primeira ocorre naturalmente, pois produtos e alimentos são produzidos em vários países e as cadeias produtivas tornam-se multinacionais. Este último só pode vir por meio de esforços conscientes e contínuos, uma vez que nossa tendência natural é apoiar apenas a nós mesmos, e é preciso compreensão e aceitação de nossas interconexões para apoiarmos uns aos outros de boa vontade. No entanto, hoje, somente se apoiarmos uns aos outros podemos ter uma vida decente na Terra.

Pense em suas mãos novamente. Se precisar coçar a cabeça, uma mão pode fazer isso enquanto a outra faz outra coisa que beneficia o resto do corpo, como segurar uma xícara de café. Se as mãos brigarem sobre qual delas vai coçar e qual vai segurar o café, continuaremos com coceira e sede indefinidamente.

Atualmente, a humanidade, e os Estados Unidos, têm problemas maiores do que café e coceira na cabeça. A vida de milhões de pessoas está em jogo. A Covid-19 está em alta nos Estados Unidos e em todo o mundo; a economia global está em queda livre e a fome mundial é um perigo real e iminente. Brigar por assentos de poder é infantil em tais momentos, mas é exatamente isso que nossos líderes estão fazendo, em todo o mundo.

Uma política correta hoje deve abranger toda a nação, não excluir ninguém e forjar solidariedade e um senso de camaradagem de irmãos de armas. Na verdade, estamos em guerra. Estamos lutando contra o vírus; lutamos contra a fome e lutamos contra a pobreza. Mas, acima de tudo, estamos lutando principalmente contra o ódio que está explodindo entre nós. Este é nosso verdadeiro inimigo. Se pudéssemos reverter o ódio e perceber os benefícios que cada indivíduo pode contribuir para a humanidade, perceberíamos como é sem sentido odiar alguém, como isso compromete nossas próprias habilidades como sociedade e como indivíduos, e como prejudica nosso futuro.

A unidade não será construída por políticos, mas por pessoas comuns. A política, por definição, visa dividir. Se visasse a unidade, não haveria necessidade de tantos políticos, pois todos estariam unidos. Ao nos colocar uns contra os outros, eles nos dividem e fazem com que cada um de nós apoie um partido diferente. Como resultado, nós damos a eles poder, e eles nos dão mais ódio de cada um, para que possamos dar a eles ainda mais poder. É por isso que não devemos esperar que os políticos reconciliem o povo. Devemos quebrar esse ciclo vicioso por nós mesmos, decidir que o ódio não é desejado aqui e começar a explorar como podemos trabalhar juntos para construir uma nação mais unida e um mundo mais unido.

Comente