“A América Está À Beira Da Guerra Civil?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A América Está À Beira Da Guerra Civil?

A América enfrenta tempos turbulentos. A invasão do Capitólio dos EUA ativou os alarmes de uma possível guerra civil enquanto os democratas aumentaram a pressão para a destituição do presidente Trump do cargo menos de duas semanas antes do final de seu mandato na Casa Branca. Se a pressão interna continuar aumentando, a situação pode ser como sentar em um barril de pólvora que pode explodir em todas as direções. A única maneira de evitar um desastre é encontrar um terreno comum para o interesse de todos.

Se o próximo governo iniciar uma caça às bruxas e tentar destruir os elementos positivos que a precederam, essas ações podem constituir uma ditadura e não uma democracia. A violência e a vingança de qualquer lado não podem ser a solução. Isso apenas aumentaria a polarização e a animosidade no plano social e teria profundas repercussões econômicas para todo o país.

Um abismo separa a direita da esquerda neste momento, então não há solução mágica para transpor a divisão como uma pílula que poderia ser engolida e de repente a calma seria restaurada. Essa solução não existe, então o diálogo entre os dois lados parece agora escasso. Ninguém de qualquer lado, democrata ou republicano, parece fazer qualquer esforço para acalmar os nervos, que a mídia está interessada em esquentar e intensificar.

Os americanos estão agora nos dando um exemplo de como a humanidade parecerá se continuar seu caminho de egoísmo intensificado e indisciplinado, no qual um lado deseja controlar, dominar e, finalmente, até mesmo eliminar o outro. O ódio mútuo incontrolável só pode levar a um beco sem saída, à guerra. Hoje, vemos sinais perigosos de polarização semelhantes à situação vivida na Guerra Civil Americana travada entre os estados do Norte e do Sul há 160 anos; com a diferença que agora está acontecendo entre as duas facções do espectro político sem nenhum vislumbre de reconciliação no horizonte.

Existem muitas partes interessadas no mundo que ficariam felizes se uma guerra eclodisse nos Estados Unidos. Todas elas querem que a América comece a queimar de dentro para fora por sua própria prevalência econômica e nacionalista. O México ganharia fronteiras mais abertas, enquanto a China, a Rússia e até os europeus se beneficiariam de uma nação americana fraca.

Então, é possível evitar uma guerra na América? Isso só é alcançável se houver o reconhecimento da força perversa e destrutiva das relações egoístas nas quais uma tem sucesso às custas da outra. É importante perceber que as forças de direita e de esquerda existem na sociedade humana desde os tempos antigos e cada vez mais se distanciam. Afinal, ambas as linhas são egoístas e o egoísmo se torna cada vez mais exigente com seu desenvolvimento. Essa luta não vai acabar. Portanto, devemos aprender a equilibrá-las e chegar a um ponto médio de convergência onde a força de equilíbrio da natureza é revelada.

Se as pessoas compreenderem que alcançar a linha média entre posições conflitantes é uma condição para uma América próspera e pacífica, elas perceberão seus oponentes de maneira diferente. Elas verão que tudo o que é negativo e positivo acontece apenas para nos impulsionar para esse objetivo benéfico, para o avanço geral da sociedade.

A vida é organizada de acordo com esse princípio. É assim que foi criada na natureza, como em um átomo. Este primeiro elemento de qualquer matéria consiste em partículas negativas e positivas, mais e menos, e muitas partículas neutras chamadas nêutrons. Eles equilibram prótons e elétrons, acrescentam peso, massa e estabilidade a eles; assim, um átomo pode existir. Portanto, não podemos mudar a natureza, mas podemos aprender com ela e replicar seu funcionamento harmonioso para uma coexistência pacífica. Não há nada a perder e tudo a ganhar.

Comente