“2021 — Entre O Pessimismo E O Otimismo?” (Thrive Global)

Thrive Global publicou meu novo artigo: “2021 – Entre O Pessimismo E O Otimismo?

Uma placa gigante de 2021 de 2,10 metros de altura foi colocada no meio da Times Square em 21 de dezembro para iniciar a contagem regressiva para o Ano Novo. O letreiro será aceso à meia-noite do dia 31 de dezembro. As pessoas são solicitadas a tirar fotos com o cartaz e compartilhá-las nas redes sociais usando a hashtag ‘#balldrop’, mantendo as diretrizes de segurança COVID-19.  Onde: Nova York, Estados Unidos. Quando: 21 de dezembro de 2020
Crédito: Niyi Fote / TheNews2 / Imagens da capa

O novo ano está sempre associado a um novo começo, especialmente depois de um ano tumultuado que as pessoas querem esquecer por completo. Essa é uma forma natural de autopreservação pela qual a humanidade passa, agindo como crianças que fecham os olhos e dizem: “Não estamos mais com medo, não há nada lá fora”. Pelo contrário, o ano que deixamos para trás foi um ano de grandes lições aprendidas, uma revelação para a importância da conexão entre nós para fazer um novo começo do mundo em direção a um bom futuro. Tudo depende da nossa unidade.

A humanidade está dividida em duas partes – pessimistas e otimistas, esquerdistas e direitistas, homens e mulheres. A natureza criou uma realidade diversa, mas se aprendermos a nos conectarmos uns com os outros de uma forma mutuamente complementar, todas as sombras e distinções se fundirão lindamente. Essa fusão criará o tipo de totalidade que nenhuma parte isolada poderia alcançar por conta própria.

Você vê o copo meio vazio ou meio cheio? Ser pessimista ou otimista em relação à vida é amplamente determinado pela maneira como o cérebro funciona e é influenciado por nossos genes. Nesse caso, como podemos construir uma abordagem equilibrada para todos os tipos de situações que podem surgir?

Ser constantemente otimista não é o ideal, porque se, por exemplo, não reconhecemos o perigo inerente a uma situação particular, podemos ter problemas. Por outro lado, também não é bom ser sempre pessimista. Precisamos aprender a conectar essas duas tendências de maneira equilibrada, como a positiva e a negativa em um sistema elétrico.

Se olharmos profundamente, descobriremos que dentro de todo pessimista também há um pouco de otimismo e vice-versa. É assim que somos construídos para termos algo em comum, por meio do qual podemos, de alguma forma, nos conectar e nos comunicar com outras pessoas que têm qualidades opostas. Ou seja, para completar todas as qualidades do lado negativo das forças da rejeição, separação e ódio, existe uma qualidade complementar do lado positivo que expressa união e amor. É assim que alcançamos o equilíbrio.

Para atualizar nossa perspectiva de vida, precisamos nos conectar com diferentes tipos de pessoas. Considere o seguinte: não apenas temos dois olhos, mas nosso cérebro também é dividido em dois. A combinação de opostos é necessária para construir um sistema de trabalho completo. Nos últimos anos, essa percepção foi internalizada nos campos da ciência, tecnologia e várias outras inovações. Os projetos mais significativos exigem um alto nível de integração.

Estudos mostram que pessoas otimistas tendem a se concentrar no progresso e crescimento, enquanto os pessimistas se preocupam principalmente com a confiança e a estabilidade, tomando cuidado para não tomar ações arriscadas. A combinação certa das duas tendências pode nos mover para a frente com confiança e segurança de forma ideal.

As tendências que são inerentes a nós desde o nascimento não podem ser mudadas, mas o que pode ser moldado e direcionado é a maneira como são usadas, e isso é possível através da conexão com outras pessoas. Portanto, a autocrítica constante ou nos torturarmos para mudar é inútil. É muito melhor se concentrar no desenvolvimento de relacionamentos com outras pessoas, o que, então, leva à obtenção de novas conquistas em um nível superior. A formação de conexões profundas exige esforços para transcender nossa tendência egoísta natural de querer controlar os outros, a rejeição natural que temos de alguém que é diferente de nós.

Em um sentido amplo, toda sociedade é composta de constituintes díspares e pessoas divergentes e, a cada ano, as lutas entre tipos conflitantes se tornam mais fortes. No entanto, o mundo globalizado em que vivemos é uma única rede conectada que está nos fechando. Em tal realidade, onde estamos nos tornando cada vez mais dependentes uns dos outros por necessidade, somente se nos complementarmos com garantia mútua, poderemos construir um sistema estável que garantirá que a humanidade não implodirá e vá para a sua ruína.

O desafio da nossa época é aprender a manter a diferença e a singularidade de cada um, ao mesmo tempo que construímos o equilíbrio entre todos. Tal processo abrirá para nós uma mente e emoções novas, integrais, complementares e compartilhadas, que irromperão em uma nova dimensão de existência, que é conectada e bela. Como a natureza, como o tecido da vida. Portanto, a melhor resolução de Ano Novo que podemos definir é nos aproximarmos de uma conexão mais estreita.

Comente