“Uma Nova Administração E As Perspectivas De Paz Para Israel” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “Uma Nova Administração E As Perspectivas De Paz Para Israel

Atualmente, parece que Joe Biden será o próximo presidente dos Estados Unidos. Se Biden assumir o cargo, será uma má notícia para Israel. A normalização com os países árabes e muçulmanos que Trump trabalhou tão arduamente para conseguir se dissolverá, e o novo governo dará novo ânimo ao Irã. A paz e, certamente, a normalização, irão voar pela janela.

A administração Biden será na verdade dirigida por Barack Hussein Obama e companhia, e Biden será um fantoche que faz o que deve. Assim como agora os países fazem paz com Israel porque querem agradar ao presidente Trump, eles evitarão essa paz quando quiserem agradar ao “presidente” Obama, e Israel não poderá fazer nada a respeito. Obama, com sua origem muçulmana, nutre um ódio profundo por Israel; ele mal pode esperar para se livrar disso.

Israel também não poderá obter ajuda da Rússia, já que os russos sempre preferirão suas relações com o mundo árabe, deixando Israel isolado, cercado de inimigos e sob fogo de todas as direções.

A Europa é ainda pior. A Europa já tentou aniquilar o povo judeu no século anterior, e os europeus não mudaram desde então. Quando chegar a hora, não devemos esperar nada de bom dessa direção.

No entanto, como uma vez conectei o bom futuro de Israel ao presidente Trump, já que pensava que Israel teria sucesso em ser mais sério sobre seu dever para com as nações, agora penduro tudo em Obama e Biden, já que sua pressão sobre Israel pode nos direcionar à correção.

Precisamos entender que a única justificativa de existência de Israel é o desempenho da tarefa para a qual foi criado – dar o exemplo de unidade. Em vez de unidade, ele está exibindo divisão e ódio interno que levou a uma frequência impressionante de eleições. A próxima eleição geral será a quarta de Israel em apenas dois anos e, de acordo com o Instituto de Democracia de Israel, desde 1996, Israel realiza eleições gerais a cada 2,3 anos em média, a taxa mais alta da OCDE.

Agora, em direção à próxima eleição, podemos ver o sistema político já fragmentado em Israel se desintegrando em ainda mais partidos, com o objetivo proclamado de todos ser o de derrubar o primeiro-ministro em exercício, e ninguém está realmente propondo uma plataforma verdadeiramente alternativa. Se continuarmos a nos comportar assim uns com os outros, as nações decidirão que não há benefício na existência de um estado judeu e resolverão apagá-lo da existência.

O fenômeno das companhias aéreas removendo Israel de seus mapas do Oriente Médio, conforme relatado pelo The Telegraph, ou a omissão de Israel da CNN em seu mapa do Oriente Médio, ou a contrainteligência militar alemã cometendo esse exato “erro” não é coincidência; eles estão expressando seus pontos de vista por meio de suas ações. Se Israel não prestar atenção e agir de acordo, ou seja, tornar-se um modelo de unidade ao invés de um modelo de divisão, os países farão de seus sentimentos uma política oficial, e Israel enfrentará um mundo unido em seu desejo de eliminá-lo.

Nossa única maneira de superar as pressões externas iminentes é por meio da unidade. E não porque a unidade nos torna fortes, mas principalmente porque ela é o que o mundo quer ver de nós.

O mundo precisa de unidade. Ninguém pode se unir a ninguém e logo os países entrarão em guerras. O desejo natural de domínio que governa todo ser humano está saindo do controle e, a menos que aprendamos a controlá-lo, ele dominará o mundo.

A única nação que pode fazer isso é a nação israelense, como escrevi em The Jewish Choice (A Escolha Judaica) e Like a Bundle of Reeds (Como Um Feixe De Juncos), dois livros que, se você não leu, deveria. Se os israelenses não forem primeiro e se erguerem acima de seus egos para se conectar, ninguém saberá como fazer isso. Se Israel fizer isso e se tornar um exemplo para o resto do mundo, todos saberão como fazer e serão capazes de fazê-lo. É por isso que quando o povo de Israel se une, eles não precisam se preocupar em derrotar seus inimigos; eles simplesmente não terão nenhum.

Não faz diferença se essas palavras fazem ou não sentido para nossas mentes guiadas pelo ego. É simplesmente que, se não buscarmos a unidade logo, teremos que escolher entre nos unir contra nossa vontade ou perecer.

Comente