“Passemos À Próxima Dor!” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Passemos à Próxima Dor!

Ótimo! Existe uma vacina para a Covid-19! É hora de seguir em frente: para as garras da próxima dor …

Embora pareça que estejamos quase no fim com a Covid-19, está claro que não fizemos nada para merecer superá-la. E o que não fizemos em 2020, vamos arrastar para 2021. Com os desafios adicionais que a próxima etapa do nosso desenvolvimento está destinada a nos apresentar, não há dúvida de que o próximo ano será mais difícil do que esse.

Nós mudamos no ano passado; precisamos de um novo tipo de satisfação, mais profunda e significativa, que se relacione com relacionamentos e não com bens materiais e exibicionismo.

O que não fizemos? Não aprendemos que somos interdependentes; não compreendemos isso profundamente e internalizamos sua mensagem: que temos que cuidar uns dos outros da mesma forma, senão mais do que cuidamos de nós mesmos, ou então adoecemos uns aos outros. Também não aprendemos que o mercado de trabalho mudou para sempre e não preparamos um novo mercado adequado à nova era. Não percebemos que o trabalho mais importante hoje é construir solidariedade e responsabilidade mútua. Tudo o que fizemos foi culpar uns aos outros por todos os erros que pudemos detectar, enquanto nos consideramos inocentes. No ano passado, não percebemos que culpar alguém por ter outros pontos de vista não é apenas errado; é autodestrutivo, porque se você destruir o outro, também destruirá a si mesmo. Não percebemos que não podemos estar certos se pensarmos que outra pessoa está errada por ter outros pontos de vista. Não estaríamos pensando o que estamos pensando, a menos que essas outras pessoas pensassem o que estão pensando. Essa é a verdade, e este ano não chegamos mais perto de reconhecer isso.

O mercado de trabalho que deveríamos ter construído, para voltar aos nossos fracassos do ano passado, deveria ter sido aquele em que as pessoas trabalhassem o que fosse necessário, enquanto o resto das pessoas se ocupasse de cultivar a solidariedade, pois, como acabamos de dizer, o trabalho mais importante que podemos fazer hoje é nos conectarmos uns com os outros.

Quanto à renda, quem se empenhasse nessas ocupações pró-sociais receberia uma renda suficiente para uma vida decente. Ela substituiria os programas de benefícios existentes, e o recebimento dessa receita dependeria da participação nesses esforços para construir a solidariedade na comunidade, no país e no mundo.

Embora pareça uma tarefa difícil, e não algo que possamos alcançar em um único ano, ainda não demos o primeiro passo, e foi aqui que falhamos.

Agora que existe uma vacina, as pessoas vão querer voltar ao modo de vida de 2019. Isso pode explodir por um tempo, mas logo diminuirá. Nós mudamos no ano passado; precisamos de um novo tipo de satisfação, mais profunda e significativa, que se relacione com relacionamentos e não com bens materiais e exibicionismo. Os empregadores irão procurar funcionários, mas eles serão muito mais difíceis de encontrar e, gostemos ou não, teremos que seguir na direção que a Covid-19 nos indicou: a conexão nos corações, e não nos corpos.

E, como antes, quanto mais protelarmos em 2021, mais doloroso será o próximo golpe, que com certeza virá.

Comente