“A Democracia Não Pode Vencer A Natureza Humana” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Democracia Não Pode Vencer A Natureza Humana

O anos de 2020 começou com um golpe e está terminando em turbulência. A Covid-19 acertou um doloroso golpe na face da civilização e nos deteve em nosso caminho. Desde que ela atacou, estamos no modo de espera esperando a chegada de uma vacina. Mas, por mais dolorosa que seja, a pandemia empalidece em comparação com a turbulência que os Estados Unidos estão passando após a eleição presidencial e que nenhuma vacina pode curar. Dizem que, quando Wall Street tosse, os mercados de ações do mundo pegam um resfriado. Podemos apenas imaginar como o colapso da democracia americana que estamos testemunhando hoje terá impacto no resto do mundo, mas seja o que for, não será agradável.

A boa notícia é que o futuro sombrio da América e do mundo não está escrito em pedra. Pelo menos por agora, podemos determinar isso. Mas fazer isso exigirá comprometimento, determinação e, acima de tudo, reconhecer que chegamos ao limte e se não fizermos o que for preciso para nos salvar, estaremos condenados.

Eu sou um Cabalista e um cientista. Antes de começar a aprender Cabalá, eu era um cientista e fiz uma extensa pesquisa sobre como os organismos mantêm a homeostase (equilíbrio) em condições dinâmicas. Quando me deparei com meu professor de Cabalá, Baruch Ashlag – o filho primogênito e sucessor de Yehuda Ashlag, autor de um comentário completo sobre o Livro do Zohar– essa abordagem me atraiu precisamente porque era muito científica. O filho Ashlag continuou os passos de seu pai, que, além de ser o principal Cabalista do século XX, era profundamente interessado em ciências sociais e humanas, e muito prolífico em seus escritos sobre o assunto. Seu amplo conhecimento da Cabalá, que é a ciência de conectar pessoas por meio da coesão social, o ajudou tremendamente quando ele analisou os sistemas e processos sociais pelos quais viveu na movimentada metade do século XX.

Em seus últimos anos, após a Segunda Guerra Mundial, Ashlag ocupou-se em dois projetos colossais, apenas um dos quais conseguiu concluir. Antes de sua morte, ele publicou o comentário completo sobre O Livro do Zohar, que agora chamamos de comentário Sulam [Escada]. Após essa enorme conquista, Ashlag agora é conhecido como Baal HaSulam [autor de A Escada]. Ao mesmo tempo, ele estava trabalhando no que poderia ter sido uma explicação extensa da estrutura da sociedade que Baal HaSulam pensava que a humanidade deveria construir a fim de estabelecer uma sociedade justa, sustentável e próspera. Ele nos deixou apenas rascunhos e notas, mas eram tantos que é fácil ver aonde ele estava indo com suas ideias.

Além do mais, é fascinante ver a clareza com que o Baal HaSulam viu os eventos futuros que estamos experimentando em primeira mão. Ele reconheceu que todas as pessoas são inerentemente egocêntricas e, portanto, explorarão, intimidarão e subjugarão os outros se souberem que poderiam escapar impunes. Já na década de 1930, ele escreveu o seguinte em seu ensaio “Paz no Mundo”: “Em palavras simples, diremos que a natureza de cada pessoa é explorar a vida de todas as outras pessoas no mundo para seu próprio benefício, e tudo o que ela dá a outro é apenas por necessidade. Mesmo assim, há exploração de outros nisso, mas é feito astutamente, para que seu próximo não perceba e conceda de bom grado. … Essa é uma lei inquebrável. A única diferença está nas escolhas das pessoas: uma escolhe explorar as pessoas obtendo luxúrias inferiores, outra obtendo governança, enquanto a terceira obtendo respeito. Além disso, se a pessoa pudesse fazer isso sem muito esforço, ela concordaria em explorar o mundo com os três juntos – riqueza, governança e respeito”. Isso é o que estamos vendo hoje: um senso absoluto de direito e, portanto, exploração descarada e desenfreada, ou pelo menos tentativas de tal exploração. E como o Baal HaSulam disse: “Isso é feito astutamente, para que seu próximo não perceba e conceda de bom grado”. Poucos anos depois de seu aviso, os nazistas chegaram ao poder.

Mais ou menos na mesma época, o Baal HaSulam escreveu elaboradamente sobre as falhas do comunismo da Rússia, explicando que ele não iria durar porque os ideais de igualdade e contribuição para a sociedade da melhor maneira possível, recebendo apenas o que você precisa para seu sustento, foi imposto a pessoas que não foram educadas dessa maneira e, portanto, fracassaria. Na verdade, ele estava tão confiante em sua observação que escreveu sobre a queda da Rússia no tempo passado, embora o tenha feito na década de 1930, quando o comunismo da Rússia estava no auge. No ensaio “A Paz” (um ensaio diferente de “Paz no Mundo”), ele escreveu: “Na verdade, a própria história tem se preocupado a nosso favor e preparado para nós um fato estabelecido, suficiente para uma apreciação plena e conclusão inequívoca : todos podem ver como uma grande sociedade como a da Rússia, com centenas de milhões de habitantes, mais terras do que toda a Europa, inigualável em riqueza e matérias-primas, e que já concordou em levar a vida comunal e praticamente aboliu totalmente a propriedade privada, onde cada um se preocupa apenas com o bem-estar de sociedade, aparentemente adquiriu a medida completa da virtude de doar aos outros em seu significado completo, tanto quanto a mente humana pode compreender. No entanto, vá e veja o que aconteceu com eles: em vez de subir e superar as conquistas dos países capitalistas, eles caíram cada vez mais. Agora, eles não apenas deixam de beneficiar a vida dos trabalhadores um pouco mais do que nos países capitalistas, como não podem nem mesmo garantir o pão de cada dia e as roupas em sua carne”

Nos anos 1950, quando Baal HaSulam escreveu seus rascunhos e notas detalhando suas visões sobre a sociedade sustentável e justa, ele projetou um futuro sombrio para a democracia, novamente por causa da falta de educação adequada. Nessas peças, publicadas em Os Escritos do Baal HaSulam, ele explica que não vê futuro para a democracia precisamente por causa do mal inerente à natureza humana, que ainda não foi corrigido. Em suas palavras, “Desde o início dos tempos, nunca aconteceu que a maioria do público governasse um país. Ou os autocratas fizeram … ou a oligarquia, ou os democratas enganadores. Mas a maioria do povo simples governou apenas nos dias de Hitler, que, além disso, promoveu a maldade contra outras nações. Ele elevou [o valor de] beneficiar o público ao nível de devoção completa, uma vez que entendeu o estado de espírito dos sádicos, que, se tiverem espaço para descarregar seu sadismo, pagarão por isso com suas vidas”.

“De fato”, continua Baal HaSulam, “é a verdade absoluta que não pode haver uma sociedade boa e completa a menos que sua maioria seja boa porque a gestão reflete a qualidade da sociedade … Se a maioria for má, a gestão também será necessariamente má, porque os ímpios não colocarão sobre eles governantes que eles não aprovam. Não precisamos deduzir das democracias modernas”. Ele explica sua falta de esperança para elas (no início dos anos 1950): “já que usam várias táticas para enganar o eleitorado. Quando [os eleitores] ficarem mais sábios e compreenderem sua astúcia, a maioria certamente elegerá uma gestão de acordo com seu espírito”. Portanto, Baal HaSulam explica que, para enganar o público, os governantes da sociedade colocam “manequins” que parecem bons, mas na verdade são impotentes, e seu único propósito é permitir que os governantes continuem governando sem serem perturbados. Em suas palavras, “A tática principal deles é que primeiro eles saúdem as pessoas com boa reputação e as promovam como sábias ou como justas, e então as massas acreditam e as elegem. Mas a mentira não dura para sempre”, conclui.

No final, como diz Baal HaSulam, uma democracia que permite que uma maioria autocentrada decida seu líder elegerá um líder autocentrado, de acordo com a natureza inerente do povo. Isso não pode durar muito. No final, o egocentrismo atinge níveis tão extremos que todo o sistema se corrompe e desmorona. Nesse ponto, a democracia se torna mais uma vítima da natureza humana maligna.

Até mudarmos quem somos, não mudaremos nossos líderes ou regimes, e não seremos capazes de construir uma boa sociedade para todos nós. Precisamos começar a reconhecer que não apenas há espaço para todos nós neste planeta, mas que precisamos de todos nós, todos os nossos pontos de vista e nossas ideias, nossas fantasias e aversões, nossas cores, raças, crenças e culturas. Precisamos deles porque, se eles não estivessem por perto, também estaríamos incompletos. Os democratas não seriam democratas se não fosse pela existência dos republicanos, e vice-versa. Você pode pensar em masculinidade sem compará-la com a feminilidade, ou o contrário? Sem um ao outro, não seríamos nada definível, apenas pedaços de carne vagando sem rumo até a hora certa.

Hoje, mais do que nunca, precisamos que toda a humanidade reconheça isso e, em breve, entenderemos o mal que estamos causando a nós mesmos por meio de nossa cultura do cancelamento e da aversão mútua. Como escrevi no início deste artigo mais longo do que o esperado, ainda podemos determinar nosso futuro. Quando a violência explodir, não tenho certeza de que ainda será possível. Portanto, devemos nos apressar, nos convencer e compartilhar com os outros as noções de nossa interdependência, da vulnerabilidade da democracia e do único remédio que pode salvar nossa sociedade e nosso futuro: a educação para a conexão.

Comente