“Quando O Terror Ataca Perto De Casa”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 03/11/20

Eduard (Edi) Yosupov é um estudante veterano e amigo. Ele estuda comigo há 20 anos e, durante a maior parte desses anos, morou em Viena. Em 2005, eu o visitei e fui ao capítulo local de nosso grupo mundial. Não muito longe dali fica a empresa do Edi, um centro de estética médica. Edi não mora mais na Áustria; ele se mudou com sua família para Israel há dois anos, mas sua clínica ainda está lá.

Ontem à noite, o telefone de Edi tocou inesperadamente; era um de seus funcionários. Com um tremor na voz, ela sussurrou que estava sozinha na clínica, a única que não saiu a tempo, antes do início do tiroteio. Ela estava apavorada. Várias balas atravessaram o vidro e entraram na clínica e ela não sabia onde se esconder. Ela disse que os outros funcionários deixaram a clínica alguns minutos antes, logo no início do tiroteio, e fugiram do local assim que começou. Felizmente, eles saíram ilesos.

Momentos depois, o telefone de Edi começou a receber fotos de janelas quebradas, buracos de bala nas vidraças e sangue, muito sangue.

Esta manhã, nos encontramos para uma conversa no zoom. Edi disse “Há pânico nas ruas. Eles fecharam todo o centro de Viena e proibiram as pessoas de trabalhar”. Os austríacos estão horrorizados. “A Áustria é um país neutro”, disse ele, “e as pessoas se perguntam por que merecem isso”. Ele acrescentou, “O choque entre os judeus é o pior”.

Foi aqui que o parei. Você pode dizer o que quiser, mas a Áustria não é um país neutro. Adolf Hitler era austríaco, Adolf Eichmann era austríaco e a Áustria em geral tem uma longa história de antissemitismo. Talvez os judeus austríacos gostem de contar a si mesmos histórias inverídicas para se acalmarem, mas isso não é sábio e não os deixará com nenhum lugar para onde correr quando chegar a hora, e ela vai chegar.

O evento de ontem é parte de uma crise crescente ao final da qual os judeus serão acusados ​​de todos os problemas que afligem a Europa e sofrerão o mesmo destino que os judeus europeus sofreram na década de 1940. No entanto, existem duas maneiras de evitar esse destino: 1) Fuja e procure um novo lugar para se estabelecer. Quase não era possível fazer isso há oitenta anos, já que nenhum país ocidental aceitaria judeus da Alemanha e da Áustria, e será muito mais difícil agora, mas se eles não forem muito exigentes, podem encontrar um refúgio temporário. 2) Revolucione todo o significado do judaísmo e transforme-o de uma cultura que se concentra nos costumes e tradições em uma ideologia que consagra a unidade acima de todos os outros valores no espírito de responsabilidade mútua e no lema: “Ame o seu próximo como a si mesmo”. Esta última opção é a verdadeira essência do Judaísmo. Embora seja muito difícil emocionalmente, e os judeus não tenham se unido desde que travaram uma guerra civil dentro das muralhas de Jerusalém antes que os romanos a conquistassem e arruinassem o Templo, mas se puderem, eles estarão seguros e serão bem-vindos onde quer que estejam.

A essência do Judaísmo é cuidar dos outros, como disse o velho Hilel: “O que você odeia, não faça ao seu próximo. O resto é comentário, vá e estude”. Somente quando os judeus empregam esse lema, ou pelo menos não se odeiam, eles são fiéis ao seu legado e à sua missão de ser “uma luz para as nações”.

Pode parecer contraintuitivo, mas a unidade interna é o que as nações querem ver de nós. Ser a luz das nações não significa que temos que pregar ou ensinar algo a elas. Significa simplesmente que devemos dar o exemplo de amor aos outros.

Nós demos ao mundo a ideia de que amar nosso próximo como a nós mesmos é o cerne da Torá, mas não a estamos vivendo. Nisso, somos falsos conosco e o mundo sente isso. Tudo o que as nações querem é que sejamos o que devemos ser, unidos como um, e então elas vão nos apreciar e nos querer entre elas, e não teremos que passar pela provação que os judeus europeus estão começando a experimentar .

[Um homem levanta as mãos enquanto os policiais o examinam em uma rua após trocas de tiros em Viena, Áustria, 2 de novembro de 2020. REUTERS/Lisi Niesner]

Comente