“Por Que As Vidas Dos Americanos Estão Diminuindo, Ao Contrário Do Resto Do Mundo” (Thrive Global)

Thrive Global publicou meu novo artigo: “Por Que As Vidas Dos Americanos Estão Diminuindo, Ao Contrário Do Resto Do Mundo

Pode ser que a América tenha ultrapassado o ponto sem volta e as divisões na sociedade estejam além do reparo neste ponto.

O site Our World in Data, da Universidade de Oxford, para fornecer estatísticas confiáveis, publicou recentemente alguns números perturbadores sobre a América. Em praticamente todos os países do mundo, a expectativa de vida está crescendo. A única exceção notável são os Estados Unidos. Lá, a expectativa de vida tem diminuído consistentemente desde 2014.

Pode ser necessária outra guerra civil para que os americanos reconheçam que apenas a aceitação, valorização e abraçar a diversidade podem formar uma sociedade sustentável, mas o fato de que um novo governo começará em janeiro próximo, independentemente da identidade do presidente, exige que eu faça mais um esforço para expressar minha opinião de que a educação para abraçar a diversidade é a base da sobrevivência da América, antes que o líder do mundo livre desapareça em chamas.
Michael Laitman

Os pesquisadores atônitos, que perceberam que o declínio na expectativa de vida dos americanos é uma tendência, e não um “erro estatístico”, examinaram as razões dessa estranheza e encontraram alguns fatos inquietantes. Os motivos pelos quais os americanos vivem cada vez menos são sociais, e não médicos, econômicos ou ambientais. Os americanos matam uns aos outros e a si próprios, morrem de overdoses de opioides, obesidade, bem como outras esquisitices, como mortalidade infantil prevalente e falta de acesso a medicamentos que salvam vidas, como a insulina. Estes dois últimos, por sua vez, também apontam para problemas sociais estruturais mais do que médicos ou ambientais, pois não há razão para que o país com o sistema de saúde mais desenvolvido do mundo não consiga eliminar praticamente a mortalidade infantil ou fornecer insulina para quem realmente precisa.

Eu acho que esses dados refletem muito bem a crise social que está se desenrolando na América. A América negligenciou seu trabalho social – o trabalho sobre as relações humanas. Devemos entender que não há país no mundo como os Estados Unidos. A população dos Estados Unidos consiste em tamanha diversidade de povos e raças que a torna uma assembleia eclética de pessoas que não têm nada em comum e muitas vezes abrigam antigas hostilidades entre si. É por isso que na América, mais do que em qualquer outro lugar, a educação para a unidade é vital para sua sobrevivência. Eu chegaria ao ponto de dizer que, sem formar uma identidade americana uniforme, que falta aos americanos por causa de suas origens diversas, a América não sobreviverá.

Como a América não fez isso de forma significativa desde o fim da guerra civil, os mesmos problemas que causaram a eclosão da guerra civil ainda existem hoje, junto com vários outros problemas que se acumularam em cima deles. Agora, esses problemas estão levando o país à beira de uma segunda guerra civil.

A América proclama ser “a terra dos livres”, mas o que você faz se a liberdade de uma pessoa é a sujeição de outra? “A inclinação do coração do homem é má desde a sua juventude” (Gênesis 8:21), nós sabemos. Se deixarmos nossa inclinação solta sem restrições, ela explorará, abusará e matará indiscriminadamente. O liberalismo é uma ótima idéia, contanto que você libere as pessoas na medida em que foram ensinadas a preservar e respeitar a liberdade de expressão e segurança de outras pessoas, tanto quanto respeitam e preservam a sua própria.

A Primeira Emenda, que determina a liberdade de expressão para todos, é frequentemente implementada mais ao longo das linhas de liberdade para expressar ódio aos outros e liberdade para silenciar pontos de vista que eu acho que estejam errados. Este é o resultado direto da libertação do ego antes que ele aprendesse que o liberalismo e a liberdade de expressão significam que todos têm o direito de se expressar, não apenas eu.

Assim como você não pode deixar um cachorro não treinado na rua, não devemos deixar o “cachorro não treinado” dentro de nós correr solto, ou ele está fadado a morder e mutilar outras pessoas. Primeiro, devemos aprender a aceitar, depois apreciar e, por fim, valorizar as diferenças entre nós. Precisamos ver como nossa diversidade pode inicialmente criar mal-entendidos e antipatia, mas quando trabalhamos corretamente com ela, ela nos enriquece e contribui para nossa sabedoria como indivíduos e para nossa força como sociedade.

Pode ser que a América tenha ultrapassado o ponto sem volta e as divisões na sociedade estejam além do reparo neste ponto. Pode ser necessária outra guerra civil para que os americanos reconheçam que apenas a aceitação, valorização e abraçar a diversidade podem formar uma sociedade sustentável, mas o fato de que um novo governo começará em janeiro próximo, independentemente da identidade do presidente, exige que eu faça mais um esforço para expressar minha opinião de que a educação para abraçar a diversidade é a base da sobrevivência da América, antes que o líder do mundo livre desapareça em chamas.

– Publicado em 23 de novembro de 2020

Comente