“O Verdadeiro Significado Da Tolerância” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “O Verdadeiro Significado da Tolerância

Com que este mundo se parece mais: um jardim pacífico ou uma selva com predadores selvagens devorando uns aos outros? Provavelmente a última. Ao mesmo tempo em que os confrontos e as divisões são violentos nos Estados Unidos e no resto do planeta, o Dia Internacional da Tolerância da ONU é comemorado. Mas, a menos que exploremos o que a tolerância realmente significa, não haverá implementação. Compreender e dominar a arte de ouvir e abraçar uns aos outros é o que nos dará as ferramentas para equilibrar a polarização.

“Tolerância é respeito, aceitação e valorização da rica diversidade das culturas de nosso mundo, nossas formas de expressão e maneiras de ser humano”, declara a Declaração de Princípios sobre Tolerância da ONU. Os ideais dessas palavras são importantes, mas marcar um dia especial para a tolerância no calendário não tem sentido se não educarmos a humanidade primeiro sobre a essência do que essa premissa significa e como colocá-la em prática em nossa vida diária. Caso contrário, “tolerância” torna-se uma palavra vazia.

Situações semelhantes existem com outras comemorações como o Dia Internacional da Mulher. Já ouvimos pessoas recebendo aulas durante a infância – no jardim de infância ou na escola – sobre como respeitar as mulheres ou mesmo os princípios mais básicos de como respeitar e amar sua mãe? Não tenho essa lembrança. Portanto, nossa educação está carente, pois não conseguimos gravar os valores fundamentais no tecido social.

A palavra para “tolerância” em hebraico é sovlanut, do verbo “lisbol” (sofrer), como se precisássemos suportar ou sofrer as opiniões dos outros. No entanto, nesse sentido, não há necessidade de tolerar, mas sim de abraçar um ao outro. O sofrimento que experimentamos decorre do fato de que nossa visão é egocêntrica e é incapaz de sentir os outros, especialmente aqueles que são diferentes de nós. Devemos antes aceitar e sentir o outro como nós, suas opiniões e sentimentos, mesmo que sejam contrários aos nossos.

Devemos basear nossas relações humanas no princípio de que todos têm um lugar na sociedade e devemos reconhecer que a diferença e a diversidade criam um mosaico colorido e maravilhoso. A natureza nos criou dessa maneira para que pudéssemos perceber como a riqueza de opiniões de mentes diversas fortalece a todos. Se soubéssemos como integrar adequadamente a miríade de peças das engrenagens humanas, veríamos como cada uma é indispensável para o mecanismo sincronizado e bem lubrificado chamado criação.

Mas por que nos tornamos cada vez mais reticentes ao longo dos anos em até mesmo nos olharmos nos olhos, quanto mais em nos comunicarmos e conectarmos adequadamente? A razão está ligada ao nosso ego em constante crescimento que a natureza se desenvolve dentro de nós – nosso impulso insaciável de realizar nossos próprios desejos em detrimento dos outros. Quanto mais o ego cresce, menos calmos nos tornamos.

Agravamento, intolerância e rejeição mútua são todos estados que a natureza nos obriga a sentir a fim de nos permitir reconhecer nossa abordagem egoísta humana como a causa da turbulência em nossas vidas, e alcançando um beco sem saída em nossa capacidade de conviver com outros, para desenvolver um novo desejo sincero de se elevar acima do ego.

O processo evolutivo move a humanidade de níveis mais profundos de conflito para estados mais elevados de equilíbrio e cooperação. A sociedade humana está chegando a um ponto em que a polarização social extrema trará inevitavelmente um nível mais alto de organização social. Não há como escapar de aprender como se unir acima de lados opostos, não eliminando os opostos, mas sim equilibrando-os para criar um entendimento superior.

Portanto, a fim de evitar a catástrofe social, teremos que promover uma nova mentalidade e estabelecer um modelo inteiramente novo de ordem sociopolítica, que possa acomodar visões opostas para alcançar a estabilidade social em vez de perpetuar e aprofundar a divisão social.

Na natureza, o impulso fundamental que opera em todos os organismos vivos é encontrar a coexistência e a interação entre duas forças opostas, criando um nível superior de ordem e prosperidade. A evolução une os opostos por meio do equilíbrio dinâmico. O conhecimento sobre como funciona esse princípio do sistema interno da natureza – a força que opera e controla tudo na realidade – é nossa única âncora no mundo em mudança.

Trazer pessoas com pontos de vista diferentes para mais perto umas das outras, a fim de alcançar novos níveis de compreensão mútua, deve ser o objetivo final das sociedades de hoje. Quando isso acontecer, nossas diferenças permanecerão, mas de forma complementar, para o benefício coletivo. Então ocorrerá a verdadeira tolerância, entendida como compreensão, aceitação e fraternidade. Como o cabalista Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) escreveu em seu ensaio A Liberdade:

“Cada indivíduo deve manter a integridade de sua herança, e a contradição e oposição entre eles permanecerão para sempre, para garantir a crítica e o progresso da sabedoria, que é a maior vantagem da humanidade”.

Comente