“Judeus Americanos E Israel, A Grande Divisão” (Times Of Israel)

The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Judeus Americanos E Israel, A Grande Divisão

A eleição americana não foi apenas o termômetro para medir a temperatura da política americana, mas também mediu a temperatura entre os judeus americanos e israelenses sobre o que eles poderiam considerar seu melhor interesse comum. O resultado foi um frio congelante. A corrida presidencial americana revelou que a alienação entre as duas comunidades não para de crescer.

Em outubro, uma pesquisa da Comunidade Judaica Americana revelou que apenas 22% dos judeus americanos votariam no presidente Donald Trump e 75% escolheriam o ex-vice-presidente Joe Biden. Essa estimativa foi próxima ao apoio de 77% recebido pelos democratas de acordo com as pesquisas eleitorais. Curiosamente, essa mesma porcentagem de judeus israelenses favoreceu o candidato oposto, Trump, que é considerado por muitos como o presidente dos Estados Unidos mais amigável para com Israel na história.

A divisão entre as duas maiores comunidades judaicas do mundo não é surpreendente. A visão de mundo das pessoas é marcada pelo ambiente em que vivem. Eu estou aqui, no Oriente Médio, em um pequeno pedaço de terra cercado por inimigos que estão constantemente pensando em como nos massacrar, nos destruir, então é natural que eu pense diferente do que se eu estivesse na América, sentado em uma confortável segurança física. É claro de onde derivam as visões opostas.

Alguém pode perguntar: não é do interesse de Israel trabalhar para diminuir a distância entre as duas comunidades? No estado em que se encontra agora, é uma causa perdida. O que os judeus israelenses podem oferecer que os atraia se não se importarem com a segurança e o futuro de Israel? Para os israelenses, parece que não existimos para os judeus americanos de forma real, nem como nação, nem como país, nem como povo. Parece que eles se consideram parte do povo de Israel apenas no nome, mas sem sentimentos comuns.

Depois de viajar pela América ao longo dos anos e encontrar líderes judeus dos EUA várias vezes, minha avaliação é que, além das declarações superficiais de ser um povo, na verdade aproximar-se de Israel não está em sua percepção, em sua consciência. Eles são judeus apenas na América. Existe uma desconexão completa. Não é à toa que quase 6 em cada 10 judeus americanos nunca visitaram Israel em suas vidas e essas estatísticas não mudam há décadas.

No entanto, assim como o desligamento do judaísmo não salvou os judeus da Alemanha da perseguição há quase um século, o desligamento do Estado judeu não ajudará os judeus americanos agora. Com o antissemitismo se espalhando rapidamente, os judeus estão sob ameaça, e o distanciamento de Israel não fará nada para melhorar a percepção de quem os odeia. Assim como no passado, os judeus serão responsabilizados por quaisquer problemas que estejam na agenda. Essa é a natureza do antissemitismo. Portanto, o único remédio capaz de oferecer uma ajuda real nesta situação é a unidade.

Do ponto de vista econômico, aqueles que ainda acreditam que o sonho americano está vivo e que seu sustento é seguro devem acordar de seu sono. Por um longo tempo, a hegemonia da América está desaparecendo lentamente, como aconteceu com todos os impérios antigos. A tendência está mudando do Ocidente para o Oriente, e a Ásia está prestes a assumir o controle da economia mundial. Não apenas a China já está no topo da competição, mas o Japão, a Coreia do Sul e outros países do Extremo Oriente também não estão muito atrás.

O que tudo isso significa para os judeus americanos? Isso significa que a importância da unidade judaica não pode ser exagerada como a única rede de segurança para garantir um bom futuro. A unidade deve ser construída com toda pressa acima da divisão entre direita e esquerda, entre republicanos e democratas, entre judeus americanos e israelenses, acima de todas as diferenças. Nosso futuro não depende de nenhuma pessoa ou campo político em particular; depende apenas de nossa conexão como um só povo.

Claramente, há muitas questões controversas entre as duas comunidades que valem a pena abordar – visões políticas opostas, disputas sobre quem é judeu, como o judaísmo deve ser praticado, apenas para citar alguns. No entanto, acima e além de nossas divergências, o Estado de Israel e os judeus americanos devem sentir que, não importa o que aconteça, há um vínculo subjacente e indivisível que nos conecta, semelhante à maneira como irmãos às vezes discordam ferozmente, mas sempre se lembram de que são família.

Unidade não significa apagar nossas opiniões únicas ou exigir que todos pensem o mesmo. (Isso corroeria a própria essência do povo judeu que debate ferozmente sobre qualquer coisa.) Não, todas as diferenças permanecem e nós apenas construímos uma ponte de conexão acima delas, reconhecendo que nossa conexão é muito mais importante do que qualquer outra questão.

Como o principal Cabalista Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) escreveu,

“Também está claro que o imenso esforço exigido de nós na estrada acidentada à frente requer uma unidade tão forte e sólida como o aço, de todas as facções da nação, sem quaisquer exceções. Se não sairmos com fileiras unidas em direção às poderosas forças que estão em nosso caminho, estaremos condenados antes mesmo de começarmos” (Os Escritos do Baal HaSulam, A Nação).

A unidade é a mercadoria principal e o alicerce do povo de Israel, pois possuímos o método inestimável de reunir as pessoas – famílias, nações e toda a humanidade. Quando começarmos a implementar este método principalmente entre nós, o impacto positivo irá reverberar com força em todo o mundo e nosso destino comum será salvaguardado.

Comente