“Independentemente Dos Resultados Das Eleições, Se Israel Se Unir, Poderá Decidir Seu Próprio Destino” (Times Of Israel)

O Times of Israel publicou meu novo artigo: “Independentemente Dos Resultados Das Eleições, Se Israel Se Unir, Pode Decidir Seu Próprio Destino

Em todo o mundo, as pessoas estão observando atentamente a contagem de votos na América. Quando se trata dos Estados Unidos, todos têm interesse. Em Israel, também, a sociedade dividida está dividida entre apoiar os candidatos. Mas Israel é diferente do resto do mundo. Se a sociedade israelense conseguir se unir acima de suas divergências e aversões internas, não terá que escolher qual presidente é melhor para ela; todos, incluindo os inimigos atuais, vão querer ajudar Israel.

Em vez de buscar satisfação ou desânimo no exterior, os israelenses deveriam olhar uns aos outros e fazer as pazes entre si. Nada fere mais a Israel do que seu ódio interno.

Sempre houve conflitos e divergências entre os judeus. É da natureza das pessoas dogmáticas serem obstinadas. Isso não é um problema. O problema começa quando pensamos que devemos convencer nossos dissidentes de que estamos certos e eles errados. Isso nunca vai acontecer; não é para acontecer.

O povo judeu não deveria concordar um com o outro; eles foram feitos para superar suas divergências. Podemos pensar que não é importante fazer isso, mas a incapacidade de transcender o ódio e a disputa é o problema número um do mundo. Hoje, todos estão se tornando cada vez mais opinativos e intolerantes a outros pontos de vista. Como todos pensam que estão certos, começamos a nos odiar e a querer cancelar um ao outro. A menos que encontremos uma maneira de manter a coesão social, a tensão aumentará até que se rompa e o caos tomará conta.

Os antigos hebreus foram os únicos que encontraram tal caminho. Eles descobriram que os desentendimentos os enriquecem, aprimoram seus pensamentos e polem suas ideias, desde que aumentem o amor um pelo outro mais do que a distância que os desentendimentos criam. Na verdade, eles aprenderam que o propósito dos argumentos, e seu benefício real, não era o polimento de pontos de vista, mas o aumento do amor e da unidade. As divergências foram apenas o ímpeto que levou o povo israelense a aprofundar sua coesão e fortalecer seus laços. É por isso que O Livro do Zohar (BeShalach) afirmou: “Todas as guerras na Torá são paz e amor”.

Sem divergências, nos tornaríamos indiferentes uns aos outros. As disputas fazem com que prestemos atenção uns aos outros e a raiva nos deixa incomodados. Se sucumbirmos à nossa raiva, terminamos em ódio. Mas se nos esforçamos para nos amar como irmãos se amam, mesmo quando discordam, o amor entre nós aumenta a cada disputa, pois a intensidade da disputa nos obriga a igualá-la ao amor para não desintegrar a sociedade.

Atualmente, Israel está profundamente dividido. Este é exatamente o ponto em que devemos aumentar nosso amor um pelo outro a fim de combiná-lo com nossa antipatia mútua. Se não fizermos isso, acabaremos em uma guerra civil e o país se desintegrará. Mas se aumentarmos nossa unidade e cuidarmos uns dos outros acima do nível de ódio que se revela a cada vez, o mundo inteiro verá que isso é possível e vai querer aprender com nosso exemplo. A capacidade de superar as disputas é a característica que todos precisam e ninguém tem. Se mostrarmos como podemos fazer isso, todos ficarão gratos, inclusive nossos inimigos. É por isso que Israel é o único país cujo destino depende apenas de seu povo, e não de forças externas.

Comente