“A Lição A Ser Aprendida Com A Kristallnacht” (Times Of Israel)

O Times of Israel publicou meu novo artigo: “A Lição A Ser Aprendida Com A Kristallnacht

Dezenas de judeus foram assassinados, muitos mais foram humilhados publicamente e enviados para campos de concentração; casas e empresas foram destruídas e mais de mil sinagogas em toda a Alemanha e Áustria foram incendiadas – essa foi a história de destruição deixada pelos nazistas na Kristallnacht, a “Noite dos Vidros Quebrados”, em 9 de novembro de 1938. No 82º aniversário do dia, é claro que a história pode se repetir à medida que a sombra do antissemitismo e do radicalismo se expande pelo mundo.

Uma nova série de ataques terroristas fundamentalistas islâmicos abalou a Europa nos últimos dias. O Reino Unido elevou seu nível de alerta de terror para “grave” após os ataques mortais na França, em Paris e Nice dias atrás e, mais recentemente, em Viena, Áustria, onde quatro pessoas foram mortas e 22 feridas em tiroteios perpetrados em uma área próxima a várias sinagogas. Mesmo se alguém acreditar que os judeus não foram especificamente alvos naquele ataque, a paz e a tranquilidade que a cidade ofereceu à comunidade judaica acabou. Em uma rara declaração, os líderes judeus europeus pediram mais “controle e transparência” das mesquitas em todo o continente – sobre o que está sendo pregado e onde eles conseguem financiamento que poderia promover o incitamento para cometer tais atos de violência.

Mas a radicalização é apenas uma das ameaças, embora não seja pequena. O antissemitismo está em geral em ascensão na Europa e já há algum tempo, à medida que casos recordes de ataques físicos e assédio são relatados nas principais cidades europeias. Sentimentos antijudaicos e anti-israelenses criados por grupos extremistas não são hoje itens de referência histórica, mas uma realidade muito atual em todo o mundo.

No entanto, os judeus previsivelmente pensam que tudo vai passar. Eles estão convencidos de que cartas de condenação a organizações ou governos darão conta do recado. Acordem! Não funcionou até agora e nunca funcionará. Ainda não aprendemos a lição de toda a história de perseguição aos judeus. O povo judeu resiste em aceitar o fato de que não é desejado na Europa. À medida que o terrorismo se intensifica e os problemas sociais e econômicos pioram, os judeus serão responsabilizados, como sempre acontece. Muitos vão querer concluir o que a Alemanha e a Áustria começaram há mais de oito décadas, alegando “por que eles devem viver entre nós; nós realmente sofremos com todas essas pessoas; estamos com problemas e não temos escolha a não ser acabar com eles”.

Grandes pressões sobre os judeus europeus e as comunidades judaicas de todo o mundo aguardam até que os judeus percebam que estão no epicentro do ódio por uma razão. Precisamos aprender que o mundo não muda, então devemos mudar. Devemos mostrar à humanidade como um todo como consertar a ruptura do mundo – isso é o que se espera dos judeus.

A sabedoria da Cabalá explica que os judeus têm um papel especial no grande quebra-cabeça humano: “O propósito de Israel é unir o mundo inteiro em uma família”, escreve o Rav Kook, o primeiro Rabino Chefe de Israel. A missão do povo de Israel, segundo o mais renomado Cabalista do século XX, Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), é servir de canal para transferir o sistema de conexão positiva à humanidade para que ela possa recuperar o equilíbrio e facilitar suas dores. Ele escreveu: “E quando eles fizerem isso, é claro que com Sua obra, toda inveja e ódio serão abolidos da humanidade” (“A Paz”).

No entanto, para que isso aconteça, os primeiros judeus devem se unir. Enquanto esse papel for adiado, o sofrimento em escala pessoal e global continuará a se intensificar como um lembrete do papel que os judeus precisam cumprir. Portanto, não vamos esquecer que nossas vidas dependem de uma boa conexão, simples assim. Enquanto apresentarmos a armadura impenetrável da unidade ao mundo, nenhum inimigo se levantará contra nós. Só então seremos capazes de relegar nosso passado doloroso aos anais da história e virar uma nova página para começar a escrever um presente e um futuro ensolarados.

Comente