“Sobre A Natureza Da Empatia”

Dr. Michael Laitman

Minha Página Do Facebook Michael Laitman 08/10/20

Neste exato minuto, cerca de 10.000 pessoas estão ocupadas tentando salvar o mundo de outro desastre natural. Ao mesmo tempo, a Amnistia Internacional informa que nos 28 anos entre 1989 e 2017, quase 2,5 milhões de pessoas morreram em conflitos armados. Quando nos concentramos no sofrimento pessoal, como quando uma criança é retirada das ruínas de um prédio destruído por uma bomba ou um terremoto, nossos corações se encolhem de compaixão.

Na verdade, não precisa ser um ser humano que está sofrendo. Existem muitos vídeos comoventes nas redes sociais, mostrando animais tentando desesperadamente atravessar uma estrada ou ajudar a se defender contra predadores, e nós nos solidarizamos profundamente com eles. Mas quando milhões morrem pela guerra, fome ou doença, quando dezenas de milhões são abusados ​​pela escravidão, tirania e incontáveis ​​outras formas de exploração, ficamos quase sempre entorpecidos e apáticos. Podemos nos perceber como indivíduos atenciosos porque sentimos muito pelos indivíduos fracos, mas nossa indiferença ao sofrimento das nações e das massas expõe nossas motivações egoístas. É importante reconhecer isso porque, uma vez que o reconhecemos, podemos começar a nos transformar em indivíduos genuinamente atenciosos.

Se pudermos nos colocar no lugar de outra pessoa, podemos sentir empatia. Mas isso não é gentileza; é imaginar como me sentiria se estivesse nessa situação. Não é apenas egoísta, mas também nos leva a pensar que somos gentis e nos faz sentir bem conosco mesmos. Nada retarda mais nossa transformação em indivíduos verdadeiramente atenciosos do que pensar que já somos gentis.

Se quisermos uma imagem mais verdadeira de nós mesmos, devemos examinar como nos sentimos a respeito de qualquer sofrimento, como nos sentimos responsáveis ​​e se isso nos impulsiona ou não a uma ação positiva em direção à conexão, em direção à unidade.

O sentimento de comunhão existe dentro de nós, mas está profundamente enterrado. A natureza está nos pressionando para reativá-lo, mas se não iniciarmos, ela terá que nos empurrar até o fim e isso será um processo muito doloroso. Podemos ver o que a natureza já está fazendo ao nosso planeta, às plantas, aos animais e às pessoas. Já existe a extinção de espécies inteiras, queima de florestas em grandes extensões de terra, enchentes que destroem milhões de hectares, pessoas morrendo de fome em todos os lugares, do Terceiro ao Primeiro Mundo, e uma pandemia global que está causando estragos em nossa ordem social. Tudo isso é uma “tentativa” da natureza de nos levar à ação, de desenvolver responsabilidade e cuidado mútuos, em vez do individualismo narcisista atual.

Se permitirmos que a natureza trabalhe sozinha e não iniciarmos a correção de nossa natureza por nossa própria vontade, ela o fará, mas a trilha que leva até lá será longa e sangrenta, encharcada de suor e lágrimas. Não há necessidade de sofrer assim. Podemos começar a trabalhar em nossa mutualidade neste minuto. Mesmo se não tivermos sucesso, nossos esforços funcionarão e iremos mudar. É muito melhor tentar e falhar e tentar de novo até que funcione e aprendermos a cuidar uns dos outros, do que não tentar fazer com que a natureza nos mude à força.

Comente