“Qual É A Mentira Recorrente Mais Antiga Da História Humana?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É A Mentira Recorrente Mais Antiga Na História Da Humanidade?

É a que pensamos que nosso inimigo está fora de nós.

Pensamos em nosso inimigo como pertencendo a um grupo, tribo, partido, raça diferente, ou que seja mais favorecido de alguma forma, de um estrato social mais elevado, mais rico, mais inteligente, mais atraente ou mais afortunado.

No entanto, todos esses “inimigos” são uma invenção da nossa imaginação.

Nosso verdadeiro e único inimigo não está fora de nós, mas dentro de nós. É a nossa natureza egoísta, o sistema operacional por trás de todos os nossos desejos, pensamentos e ações.

Não temos controle sobre o ego humano. Ele cresce interiormente e se torna parte de nossa identidade pessoal a tal ponto que não o sentimos – e, como não o sentimos, também não o sentimos como um problema.

No entanto, se não conseguirmos ganhar consciência de como o ego opera dentro de nós, e como podemos nos elevar acima dele, isso vai continuar nos fazendo perceber problemas em outras pessoas – que precisamos mudar ou até mesmo eliminar certas outras pessoas que têm diferentes pontos de vista ou que exibem atributos diferentes dos nossos.

Não podemos esperar resultados positivos e nenhum vencedor surgindo da percepção do inimigo fora de nós, porque é uma percepção incorreta e incompleta para começar.

Se, no entanto, mudarmos nossa percepção, percebendo o inimigo como o ego habilmente posicionado dentro de cada um de nossos desejos e pensamentos, ou seja, um desejo de usar o que percebemos fora de nós a fim de nos beneficiarmos, então nos posicionamos para lutar contra uma batalha que pode realmente nos levar à vitória – uma vida muito melhor para todos.

Em tal batalha, precisamos de pessoas que pareçam diferentes para nós, pessoas que nos sentimos indiferentes, críticas e até odiosas, estando juntas conosco na mesma equipe. Podemos então sentir nossos impulsos negativos involuntários em relação a elas e exercer uma conexão positiva acima desses impulsos.

No entanto, o objetivo constante de se conectar positivamente acima do ego enfurecido requer um acordo unânime de pré-requisito por todos os membros da sociedade que desejam superá-lo – que almejar a unidade acima de todos os impulsos egoístas divisionistas é mais importante e mais benéfico para a sociedade do que ceder aos nossos egoísmos. Sem um acordo entre todos os membros da sociedade sobre este ponto, então basta que uma pessoa seja vítima das demandas do ego por ganho pessoal às custas de outros, e todos cairão como resultado.

Embora um esforço mútuo para nos unir entre pessoas que se odeiam possa parecer muito romântico e utópico para se tornar realidade, quanto mais nos desenvolvermos e sofrermos com nossos atritos, mais perceberemos que não temos outras alternativas.

Em suma, se todos nós falharmos em nos unir acima de nossas diferenças egoístas, todos nós perderemos.

Hoje, mais do que nunca, testemunhamos a crescente pressão de nossa interdependência ao redor do planeta, onde todos dependemos de todos, gostemos ou não. Se nos permitirmos desenvolver ainda mais sem fazer qualquer movimento para nos unir, podemos esperar que uma quantidade cada vez maior de fenômenos negativos nos pressione. Seremos levados a um canto onde veremos que ou nos unimos acima de nossas diferenças e encontramos uma maneira de sair desse canto, ou suportamos sofrimentos intoleráveis.

Para apoiar a ideia de precisarmos nos unir acima de nossas diferenças, podemos tomar um exemplo de organismos vivos: um organismo contém várias células contrastantes, órgãos e partes, vantagens e desvantagens de todos os tipos, e sua sobrevivência se deve a uma tendência sistêmica envolvente que faz com que todas as suas partes se complementem para o funcionamento saudável de todo o organismo.

Portanto, assim como não existe manhã sem noite, dia sem noite ou luz sem escuridão, também seríamos sábios se elevássemos nossa perspectiva unilateral do mundo e sentíssemos a necessidade de complementar todas as qualidades e visões diferentes.

Por enquanto, nos vemos cada vez mais encurralados em nossas próprias cascas egoístas, apontando o dedo para os outros como a fonte de nossos problemas. Quanto mais continuarmos nos desenvolvendo dessa maneira, mais nossa sociedade se dividirá e mais sofreremos. É simplesmente um modus operandi insustentável.

Portanto, precisamos começar a despertar para o único inimigo real em nossas vidas – o ego humano aninhado dentro de cada um de nós – e chegar a uma resolução unânime de nos unir acima dele. Para acelerar nosso caminho para esse despertar, precisamos de uma nova cultura onde louvamos a unidade acima de todas as formas de divisão, apoiamos os movimentos uns dos outros para nos conectarmos positivamente e abraçamos uma diversidade de pontos de vista, raças, nações e qualidades no processo.

Se atingirmos esse nível de consciência comum, estaremos no caminho certo para descobrir um mundo totalmente novo e harmonioso. Cada um de nós experimentaria uma nova felicidade, saúde, confiança e segurança, como nunca sentimos antes.

Foto de Sylas Boesten no Unsplash

Comente