“Os Judeus Podem Ser A Chave Para A Unidade Americana” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Os Judeus Podem Ser a Chave para a Unidade Americana

Alguém poderia imaginar que chegaria o dia em que os judeus na América precisariam esconder sua religião e formação cultural? Na América – a terra da liberdade e das oportunidades infinitas, o caldeirão onde pessoas de todas as esferas da vida poderiam convergir e coexistir em respeito mútuo – como os Pais Fundadores a conceberam. Como podemos agora aceitar o fato de que 24% dos judeus americanos dizem que evitam usar um pingente com a estrela de Davi, kipá e qualquer outro símbolo judeu em público por preocupação com sua segurança? Esta é a realidade perturbadora revelada pela pesquisa mais recente sobre as atitudes dos judeus americanos em relação ao antissemitismo. Alimento para uma reflexão séria.

“A profunda ansiedade entre os judeus dos EUA e falta de consciência do público em geral sobre a gravidade do antissemitismo nos EUA” é revelada no relatório deste ano conduzido pelo Comitê Judaico Americano. O lançamento da pesquisa coincide com o segundo aniversário do tiroteio na sinagoga Árvore da Vida. As feridas que ainda sangravam de ódio contra os judeus são evidentes nos contínuos ataques aos campi universitários e crimes de ódio cometidos em todo o país. Na verdade, quase nove em cada dez entrevistados acreditam que o câncer do antissemitismo é um problema preocupante nos Estados Unidos.

Tentar evitar sermos identificados como judeus nos ajudaria a escapar de ser o alvo dos antissemitas? Não, porque o número de inimigos tende a se multiplicar. Divisões, confrontos e hostilidade crescente dentro da sociedade americana são o terreno fértil de uma crise profunda em todos os níveis. A América é uma nação muito dinâmica. Os efeitos da pandemia prejudicaram e desestabilizaram a economia. A saúde pública e a instabilidade social são apenas algumas das preocupações que afligem o público americano. A mídia de massa nos Estados Unidos é poderosa e muito influente no aquecimento do meio ambiente. Todos esses elementos se combinam para criar uma situação instável em que os nervos das pessoas estão tão desgastados e as circunstâncias tão voláteis que qualquer problema poderia inflamar o barril de pólvora em um piscar de olhos.

Em tais condições incertas, é inteiramente possível que veremos em um futuro próximo um acordo unânime em toda a população americana de que os judeus são os culpados pelos severos golpes que a nação pode sofrer, tanto na arena política quanto no espectro socioeconômico. As tendências atuais indicam que protestos de rua e pogroms podem não ser uma ocorrência rara. Parece cada vez menos improvável que um novo Holocausto esteja surgindo no horizonte. Eu digo isso com toda a seriedade. Certamente, alguns podem estar em estado de negação, assim como estava na Alemanha quando a maioria dos judeus se recusou a acreditar que a Solução Final era iminente.

Como outro Holocausto poderia ser possível? A história nos ensinou da maneira mais difícil que, quando as coisas dão errado na sociedade, mais cedo ou mais tarde, os judeus serão culpados e perseguidos. No entanto, antes que a situação chegue a esse ponto, os judeus têm a capacidade e a oportunidade de aplicar um tratamento preventivo especial: superar todas as diferenças e se unir. E isso deve ocorrer independentemente de qualquer preferência política ou outra consideração. Em vez de permitir que a política nos divida, devemos estar juntos na solidariedade e na coesão. Como está escrito no livro Maor VaShemesh, “A principal defesa contra a calamidade é o amor e a unidade. Quando há amor, unidade e amizade em Israel, nenhuma calamidade pode sobrevir a eles”.

Judeus americanos de todos os lados da cena política tornaram-se tão alienados uns dos outros que cada facção sente que a outra se comporta contra os interesses do povo judeu e contra nossos valores fundamentais. Ironicamente, o maior dos valores judaicos é a unidade acima das diferenças! É notoriamente declarada como a maior lei da Torah, “Ama o teu próximo como a ti mesmo”.

A incapacidade dos judeus de se erguerem acima das diferenças de opinião mostra claramente como nos distanciamos de nossa verdadeira herança. Esse lapso colossal deve ser reparado rapidamente, não apenas porque é nosso verdadeiro objetivo como povo, mas porque nosso erro de supervisão nos coloca em grave e iminente perigo. Podemos ter opiniões políticas diferentes, mas somos todos judeus e, para os antissemitas, isso é o suficiente.

A sabedoria da Cabalá explica que o propósito histórico dos judeus é demonstrar unidade e ser o modelo de relações sociais corrigidas para os outros. Nós nos tornamos uma nação aos pés do Monte Sinai somente depois que cada pessoa presente aceitou a condição de ser “como um homem com um coração”. Os judeus praticavam o método que lhes permitia superar suas diferenças e viver sob os princípios da verdadeira igualdade e preocupação mútua. Mas depois o ódio infundado e a desunião surgiram causando a destruição do Primeiro e do Segundo Templos. Desde então, esquecemos que, a menos que estejamos em amor fraternal e unidade, as aflições continuarão a cair sobre nós até que nos lembremos e cumpramos nossa missão.

Hoje, conforme o antissemitismo aumenta mais uma vez, os judeus devem finalmente fornecer o modelo de coesão social que só nós podemos. Nossa antiga vocação tornou-se tão urgente e relevante nestes tempos precários que ignorar isso terá consequências terríveis.

As ameaças aos judeus sinalizam uma mudança imperativa que precisa acontecer, uma mudança que os judeus devem iniciar e desempenhar um papel decisivo nela. Devemos ver que nosso verdadeiro poder judaico, tanto para proteger nossas comunidades quanto para contribuir com o mundo, reside em nossa capacidade de nos unir acima de todas as diferenças, e que a sabedoria de como fazer isso é mais do que um simples mecanismo para afastar ameaças e salvaguardar o nosso povo. Isso está profundamente enraizado em nossos valores fundamentais e herança.

Comente