“O Fim Do Fechamento, Mas Sem Fim À Vista” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Fim Do Fechamento, Mas Nenhum Fim À Vista

Cheios de raiva, frustração e aversão mútua cultivada avidamente ao longo de semanas de fechamento, os residentes do Estado de Israel estão começando a retomar a vida, se você pode chamar assim. Ninguém está esperançoso. Todos sabem que o próximo fechamento está chegando, pois todos sabem que agora que o fechamento foi facilitado, o número de novos casos confirmados aumentará novamente, gerando uma terceira onda de surto de Covid-19 e um terceiro lockdown, sem fim à vista. Afinal, se ninguém vai seguir as regras simples de distanciamento social e uso de máscaras, não há nada que impeça o vírus de retornar.

Como venho alertando desde o início do surto, a Covid-19 não apenas veio para ficar, mas se tornará cada vez mais sinistra em sincronia com nossa relutância em mudar nossa atitude uns com os outros.

Só podemos culpar a nós mesmos pelo surto, mas culpamos todos os outros. Você não precisa ler as estatísticas da pandemia para saber que Israel é uma sociedade doente, mas a Covid-19 não é a pior, nem mesmo a doença real. O país está crivado de aversão interna em níveis nunca antes vistos. Ele nem importa se uma vacina ou cura para o coronavírus for encontrada; já está claro que esse ódio está fadado a produzir mais punições para toda a sociedade.

Como venho alertando desde o início do surto, a Covid-19 não apenas veio para ficar, mas se tornará cada vez mais sinistra em sincronia com nossa relutância em mudar nossa atitude uns com os outros. Na primeira onda, ela atingiu principalmente os enfermos e idosos. Na segunda onda, como eu já havia avisado, já está atingindo pessoas saudáveis ​​e mais jovens, além de crianças. Na terceira onda, ela atingirá ainda mais forte, muito mais forte.

Se não mudarmos de atitude e começarmos a cumprir as instruções de saúde sem levar em conta os outros, enfrentaremos taxas de mortalidade que abalarão toda a sociedade. Haverá pacientes gravemente enfermos e parentes falecidos em todas as famílias. Estamos prestes a sofrer um trauma infligido a nós por nossas próprias mãos cheias de ódio.

Nós, israelenses, pensamos que estamos acima do sistema, ou pelo menos podemos vencê-lo. Mas a arrogância não o torna forte; isso cega você. Estamos cegos para o fato de que o vírus está nos derrotando, que perdemos a segunda rodada contra o vírus, mas estamos ignorando isso como se a terceira rodada será melhor para nós. Não será; ela acabará em lágrimas.

Quando nos rendermos, entenderemos que tudo o que precisávamos fazer para que o vírus fosse embora era cuidar uns dos outros. Se não nos rendermos e começarmos a cuidar uns dos outros, o vírus nos matará, ou iremos nos matar, ou algum outro fim violento em nossas vidas nos encontrará. De uma forma ou de outra, o tempo de “jogar bonito” acabou. Ou todos nós agimos juntos e nos unimos para derrotar a praga invisível, ou aquela coisinha pontiaguda nos dará o nocaute final.

Comente