“De Exilados Reunidos A Clãs Em Fuga” (Times Of Israel)

The Times of Israel publicou meu novo artigo: “De Exilados Reunidos A Clãs Em Fuga

Israel, a terra que deveria hospedar os exilados reunidos e reunir o povo judeu, está de despedaçando. Nunca houve uma unidade real na sociedade israelense, mas sempre soubemos como nos elevar acima de nossos interesses partidários na hora da verdade. Não podemos mais fazer isso; ódio e divisão assumiram o controle. Parece que vamos nos dividir em uma série de grupos e clãs, e muitos buscarão asilo em outro lugar, e não tenho certeza se serão bem-vindos em qualquer lugar.

A verdade de nossa constituição está vindo à tona; não somos uma nação, mas uma horda de indivíduos impiedosos e egoístas, descendentes dos indivíduos mais antissociais que viveram na antiga Babilônia, cuja autoabsorção era tão intensa que escaparam ou foram expulsos de seu local de nascimento. Aqueles antigos rejeitados encontraram Abraão, que os ensinou sobre amor e cuidado, e os forjou em uma nova nação cujo cerne era a unidade acima do ódio. Afinal, eles não tinham mais nada em comum.

Desde então, o povo judeu tem estado em um de dois estados: unidade e amor, ou divisão e ódio. Nos últimos dois milênios, o último tem sido nossa mentalidade, e a recente turbulência na sociedade israelense o expõe mais vividamente do que nunca. Se não reunirmos forças para nos levantarmos, a sociedade se desintegrará e o Estado de Israel se dissolverá.

A comitiva de Abraão o seguiu porque eles sabiam que tipo de pessoa eles eram. Eles eram altamente desenvolvidos, inteligentes e sensíveis, mas seu desenvolvimento se manifestava em expressões negativas. Eles queriam se transformar, e Abraão lhes ofereceu uma saída de sua maldade.

Hoje, estamos mais uma vez juntos, mas não há Abraão entre nós. Em vez disso, devemos ser nossos próprios unificadores. Temos que ajudar uns aos outros a superar nossos egos e estabelecer a responsabilidade mútua, o lema de nosso povo ao longo dos tempos. Devemos aprender a cuidar uns dos outros apesar de nossas diferenças, a ver que nossa nação é de fato um tecido de contradições e cuja força está em sua diversidade. Precisamos ajudar uns aos outros a ver que nossa unidade nos torna “uma luz para as nações” e nossa divisão faz com que o mundo nos despreze. Temos que ajudar uns aos outros porque ninguém mais o fará, porque nossas vidas dependem disso e porque escolher se unir ou se separar significa escolher entre a existência e a extinção.

Comente