“Covid-19 – O Próximo Estágio” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Covid-19 – o Próximo Estágio

Estamos entrando em uma nova etapa em nosso “relacionamento” com o coronavírus. Quase terminamos o estágio de negação e as pessoas estão começando a aceitar que ele está aqui e não há nada que possamos fazer para afugentá-lo. Embora pareçamos estar profundamente no estágio de raiva, e isso ainda possa causar muitos danos, também estamos começando a nos cansar da guerra e desistir. Não temos muito o que procurar. Procuramos as velhas formas de nos divertir, de conseguir alguma coisa, de lucrar, de competir, mas não há nada disso. Estamos apenas indo sem rumo dia após dia. Essa falta de objetivo não é tão passiva quanto parece. Em alguns, desperta raiva e agressão; em outros, causa apatia.

Procuramos as velhas formas de nos divertir, de conseguir alguma coisa, de lucrar, de competir, mas não há nada disso. Estamos apenas indo sem rumo dia após dia. Essa falta de objetivo não é tão passiva quanto parece. Em alguns, desperta raiva e agressão; em outros, causa apatia.

Pior ainda, a frustração e desespero podem fluir do nível pessoal para o nível social e levar a desordens sociais, revoluções e desintegração de sociedades e países. A partir daí, a desesperança pode se espalhar para o nível internacional e levar a confrontos entre países, que, não vendo futuro para si próprios ou para o mundo, podem levar a uma guerra mundial total onde eles se esforçarão não para vencer, mas para destruir outro. Se as coisas chegarem a esse ponto, será uma guerra mundial nuclear, o pior pesadelo da humanidade.

Não é que nossas vidas tivessem tanto significado antes da Covid-19, mas antes da pandemia, podíamos camuflar nosso vazio com viagens, compras, carreiras, relocação frequente, mudança frequente de parceiros e Netflix. Agora tudo o que temos é a Netflix. Mas com a morte da indústria cinematográfica, até a Netflix parece mais um monumento a uma vida passada do que um bom passatempo no presente. É como se o vírus tivesse sufocado nossas formas anteriores de diversão e nos deixado com falta de ar, buscando desesperadamente uma nova forma de encontrar vitalidade, encontrar uma razão para viver.

Quando estamos nesse estágio, podemos realmente começar a construir algo novo. Somente quando desistirmos inteiramente de encontrar maneiras de agradar a nós mesmos, começaremos a ter uma visão mais favorável de como agradar aos outros. É para onde a Covid está nos levando, porque, quando se trata de agradar aos outros, não há limites para o que podemos fazer e o que os outros podem fazer por nós.

A humanidade está caminhando para uma mutualidade de um tipo que nunca conhecemos. Até agora, estávamos acostumados a pensar na sociedade, nos amigos e até na família como fontes de benefício e prazer para nós mesmos. O coronavírus está nos fazendo inverter nossa atitude para com as pessoas ao nosso redor e começar a vê-las como oportunidades de doação, e na própria doação encontrar novos significados para nossas vidas, novas fontes de prazer e alegria, nova vitalidade e energia à medida que nos engajamos em reciprocidade ao invés de autoabsorção.

A transformação não acontecerá da noite para o dia. Ainda estamos no começo. A praga é muito “jovem”, tem apenas alguns meses, mas já podemos ver a tendência. Aos poucos, o vírus nos tornará semelhantes ao resto da natureza: dar e receber, equilibrados e harmoniosos. Isso nos tornará indivíduos conscientes que se sintam parte de um enorme e grandioso projeto que a natureza criou e que se manifesta na realidade que nos cerca. Em vez do vazio constante de buscar prazeres, vamos celebrar a vida. Em vez de drenar e esgotar nosso ambiente social e natural, nos tornaremos como torneiras abertas, fontes que sempre saciam, mas nunca secam.

Ao nos esforçarmos para dar em vez de receber, encontraremos mais do que uma razão para viver; vamos encontrar o sentido da vida! Descobriremos que a verdadeira alegria e satisfação existem em criar vida, não em extingui-la. No processo, iremos desenterrar a natureza integral da realidade, onde tudo está conectado e evoluindo. Nos sentiremos como partes da realidade comum e não como unidades distintas cuja existência termina assim que sua vida física expira.

Ao nos roubar os brinquedos de nossas vidas passadas, a Covid-19 não está nos punindo. Ela está antes nos fazendo erguer a cabeça e ver onde está o verdadeiro prazer. Se ela não tivesse tirado nossas vidas anteriores, teríamos levado décadas de sofrimento humano, guerras e aniquilação mútua para finalmente olhar para cima e ver onde está o verdadeiro prazer. Apesar do preço, a Covid é o meio menos doloroso que a natureza poderia empregar para nos mostrar o caminho para uma existência feliz e sustentável. Quanto mais cedo seguirmos seu exemplo, menos teremos que sofrer antes de encontrar felicidade e sentido na vida.

Comente