Textos arquivados em ''

Meus Pensamentos No Twitter 25/10/20

Dr Michael Laitman Twitter

Entramos em um novo estágio de compreensão da pandemia – que ela existirá por um longo prazo e talvez para sempre. Há um cansaço generalizado do coronavírus. O temperamento das pessoas está pronto para explodir. É aqui que as pessoas podem ficar cientes do egoísmo que as está enviando para a morte e da necessidade de superá-lo, mesmo ao preço de substituir o cuidado de si pelo cuidado dos outros – contanto que ganhe força e motivação para se mover , para se socializar, para viver, e depois disso, talvez as pessoas vejam um futuro completamente diferente …

Da apatia as pessoas chegarão à conclusão de que não adianta pensar em si. É antes pensando nos outros que a vida vai adquirir um novo sentido. Se tudo é sobre os outros, temos um novo mundo espiritual, oposto ao anterior.

A mudança mais significativa na humanidade é sua desilusão na vida, apatia, a falta de vontade de lutar por qualquer coisa. Isso acabará por levar a uma reavaliação da vida, à necessidade de encontrar um objetivo superior à vida. Então, a vontade de alcançá-lo voltará; a vida adquirirá um sentido superior.

O teste principal é: a que uma pessoa aspira e quão forte é o seu desejo. Uma mudança de intenção é como mudar a marcha do carro da frente para a ré, o que determina se estou avançando em direção ao Criador e as criaturas, ou para trás.

Do Twitter, 25/10/20

Unidades Sutis De Medição De Pensamento

294.2Todos os vírus são resultado de nossos pensamentos ruins. Mas não existem instrumentos capazes de medir esta conexão porque ela é mais elevada do que a percepção material comum.

Existem muitos laboratórios e estudos tentando entender a conexão entre o espiritual e o material, mas isso é impossível. Nossos pensamentos bons ou maus pertencem ao nível humano, uma vez que são baseados em nosso egoísmo, o princípio do mal.

Diga-me, qual dispositivo pode ser usado para medir o egoísmo de uma pessoa e onde ele deve estar conectado? Claro, não ao corpo material porque ele é apenas uma máquina biológica que executa ordens. Ao coração? Mas o coração é apenas uma bomba que pode ser substituída por uma artificial. Talvez ao cérebro? Também não.

De onde os pensamentos de uma pessoa podem ser extraídos para passá-los pelo dispositivo e ver quais pensamentos são bons e quais não são e precisam ser corrigidos? É possível? Você pode construir um cardiograma, medir frequências, processos elétricos no corpo, mas é impossível avaliar sua essência. Afinal, ela não pertence à matéria. Portanto, a ciência não é capaz de abordar isso.

Como estudante, tivemos aulas no Instituto do Cérebro Humano em São Petersburgo. Então, ouvi do chefe do departamento, que era um cientista famoso, que não sabemos onde estão os pensamentos e desejos de uma pessoa.

Os cientistas tentam rastrear essa conexão, mas ela conduz do cérebro para uma esfera que não somos capazes de perceber. Lá, fora do homem, estão todos os nossos pensamentos e desejos. O cérebro humano é um modem que conecta o espaço espiritual, onde todos os nossos pensamentos voam, com as sensações humanas.

Em nosso mundo, é comum identificar uma pessoa com seu corpo animal. Mas, ao estudar a Cabalá, nós construímos um Partzuf espiritual, ascendemos à fé acima do conhecimento. Não é mais material. A ciência da Cabalá conecta uma pessoa com sua verdadeira essência como se a separasse do corpo material e a ligasse à alma. Portanto, o mundo físico desaparece de nossas sensações porque é imaginário.

Quando alcançarmos tal conexão entre nós em que começamos a revelar fenômenos espirituais, então abriremos o livro O Estudo das Dez Sefirot e seremos capazes de sentir tudo o que está escrito lá e ler como um músico lê uma partitura.

De KabTV, “Encontro de Escritores”, 15/10/20

O Vírus Se Espalha Por Meio Dos Pensamentos

283.01Se eu permitir que um pensamento cruel sobre os outros venha à tona e seja expresso e ouvido, dou-lhe a oportunidade de se manifestar. Enquanto ele estiver dentro de mim, ainda posso suprimi-lo, proibir que esses pensamentos saiam de mim, ou seja, fazer uma restrição em minha natureza egoísta inerente.

Um pensamento negativo sobre o nosso próximo é como uma ação. Mas eu posso captar e interromper um pensamento sem permitir que ele se manifeste e magoe os outros. Um pensamento inicia uma ação, mesmo que não seja material. Se eu permitir que um pensamento cruel flua e aja livremente, sem tentar controlá-lo e suprimi-lo, estou prejudicando meu próximo e cometendo uma ação ruim no mundo.

Nós vivemos em um mundo de pensamentos. Um pensamento é uma ação. Portanto, ao permitir que pensamentos rudes saiam de mim e acreditar que isso não é ruim, eu ajo maliciosamente e assim determino o que está acontecendo na realidade. Nosso mundo inteiro, cada pessoa terá que se examinar e descobrir como ela influencia os outros. Isso exigirá um trabalho interno profundo e muito esforço de todos.

O homem deve mudar a direção de seus pensamentos sobre os outros de negativos para positivos. Então, nessa atitude positiva para com os outros, ele sentirá uma força adicional da natureza que não sentia antes.

Mudando nossos pensamentos de negativos para positivos, nos salvaremos do coronavírus e redimiremos o mundo inteiro da epidemia e de outros problemas. Afinal, é assim que nos alinhamos com a natureza para que todos os seus graus: inanimado, vegetal, animal e humano estejam em harmonia, em bons pensamentos, complementando-se mutuamente.

Tudo o que impede isso é nossa natureza má, nosso egoísmo. Portanto, precisamos transformar essa atitude egoísta em relação aos outros em uma atitude boa. Para isso, precisamos trabalhar em grupos para atrair a força boa oculta na natureza e fazê-la se revelar. Nós exigimos que essa força boa, as boas relações e a unidade sejam manifestadas entre nós no grupo.

Se permitirmos que nossos pensamentos egoístas nos governem e não nos conectarmos, o coronavírus se espalhará mais e mais. Não teremos remédio para essa doença, porque o coronavírus é uma demonstração de nossas relações más uns com os outros. Nós apenas o chamamos de vírus.

Haverá muitos outros “vírus” desse tipo que aparecerão como resultado de nossos pensamentos maus, e nós sofreremos muito. Seis meses atrás, ainda havia esperança de que a epidemia diminuiria gradualmente. Agora, porém, vemos que só vai piorar cada vez mais até que digamos: “Chega!”

Nossa corrupção se manifesta na forma de um vírus porque o corpo humano está cheio de vírus. Os vírus são blocos de informação que estão em comunicação constante uns com os outros em todos os níveis do corpo. Nós os chamamos de vírus, mas, na verdade, não podemos existir sem eles. Cada vírus é uma entidade muito complexa e não entendemos nem mesmo uma milionésima parte de como ele funciona. Não sabemos como funciona o nosso corpo.

Quando tais rupturas são reveladas na forma de vírus, elas só podem ser corrigidas por uma força superior a elas. E acima do vírus está o pensamento. Os vírus são portadores que transmitem pensamentos; eles transmitem dados e informações para diferentes partes do corpo e para o cérebro. Visto que nossos pensamentos e desejos operam em níveis egoístas muito elevados, eles se manifestam em vírus tão perigosos.

Se quisermos acalmá-los e colocá-los em equilíbrio, existe a sabedoria da Cabalá para isso. O equilíbrio é restaurado por restrição, tela e luz refletida. Você precisa equilibrar todas as forças que ativam esses vírus para que eles caiam sob a restrição e a tela. Então, todos os vírus que causam a doença hoje se tornarão benéficos.

Da Reunião dos Escritores 15/10/20

Transição De Mundo Para Mundo

537Estamos todos em um estado de exílio, que é um exílio da percepção e do conhecimento do Criador, o mundo espiritual superior. Existem apenas dois estados: exílio e redenção.

Estando em um estado onde o Criador está oculto, nós nos encontramos na realidade como ela nos parece agora, isto é, temporária e mudando sob a influência das leis da natureza.

Mas existe uma realidade espiritual à qual podemos ascender. Existem outros tempos e definições ativas aí, e nos encontramos acima do tempo, do espaço e do movimento.

Como podemos passar deste mundo, da realidade material percebida pelos sentidos físicos, para a realidade espiritual? Para fazer isso, você precisa desenvolver órgãos sensoriais espirituais que percebam o mundo espiritual.

Mesmo enquanto estamos no corpo animal, enquanto ainda vivemos neste mundo, podemos experimentar a realidade espiritual junto com a realidade material. No final, a realidade material se dissipará e todos nós entraremos no mundo espiritual.

Como podemos alcançar a libertação de nosso egoísmo, que agora nos mantém apenas no sentimento deste mundo? De acordo com o programa do Criador, o egoísmo nos dá vários problemas e dificuldades para nos forçar a subir e deixar este mundo. Afinal, se sempre nos sentíssemos bem com isso, permaneceríamos nesses pequenos desejos egoístas para sempre.

O Criador quer que nos desenvolvamos e, por isso, desperta em nós sofrimentos com vários problemas, obrigando-nos a pensar em mudar nosso estado. Ele também nos aponta na direção da mudança, despertando relações egoístas entre nós que nos levam a compreender a necessidade de nos elevarmos a uma percepção diferente do mundo, a uma realidade acima da nossa razão.

A transição de um mundo para outro depende se a pessoa percebe a realidade pessoalmente, individualmente, sentindo o mundo como o vemos hoje. Por meio da percepção pessoal, é impossível sentir o mundo de forma diferente. Ou a pessoa começa a se conectar com outras pessoas e percebe a realidade a partir dessa conexão.

Ela começa a pensar não em si mesma, mas no que é bom para o grupo, para a dezena, ou mesmo para toda a humanidade. Ela se identifica com os outros, fora de si, e percebe a realidade por meio deles. Esta já será uma percepção espiritual da realidade porque ela se eleva acima do seu egoísmo, do desejo de receber, que se chama corpo, para outra percepção no desejo global entre ela e os outros, que se chama alma.

É assim que ela obtém uma nova percepção da realidade. Portanto, a transição da percepção física da realidade para a espiritual é uma ascensão do sentimento dentro de uma pessoa pessoalmente para a sensação global do grupo, da sensação do eu para o NÓS. Quanto maior este NÓS, mais forte é o senso de realidade espiritual, eterna, perfeita e independente da percepção pessoal de um indivíduo.

Esta será uma percepção nova e verdadeira da única realidade existente. Agora vivemos em uma realidade imaginária e todo o nosso mundo é uma ilusão que surge em nossos órgãos dos sentidos materiais devido aos desejos egoístas que puxam tudo para si. Essa realidade existe apenas em nossa imaginação.

Quando ascendemos do mundo material para o espiritual, sentimos como se estivéssemos acordando de um sonho. Agora estamos em um sonho e devemos acordar.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 19/10/20, “Bereshit

De Um Observador Passivo A Um Pesquisador Ativo

239Dois mil anos atrás, a nação de Israel caiu de seu nível espiritual para o corporal, da intenção de doar para a intenção para si mesmo. Como resultado, nos transformamos em pessoas completamente diferentes, em uma nação diferente com uma nova religião, uma nova visão da vida e uma percepção diferente da realidade.

Anteriormente, percebíamos toda a realidade como um único todo no qual uma força atuava, e todos pertencíamos a ela. Mas, gradualmente, junto com o colapso do Primeiro Templo e depois de mil anos do Segundo Templo, começamos a nos afastar da doação e da unificação para perceber a vida como a vemos hoje, isto é, puramente corporal, egoisticamente e reconhecer a unificação de um homem apenas consigo mesmo, mas não com os outros.

Hoje teremos que fazer muito esforço para retornar à verdadeira percepção espiritual da realidade. Devemos entender que essa percepção da realidade e intenção estão em conflito com o que é aceito em todas as religiões. Cada religião deseja se estabelecer acima das outras, ter orgulho disso e ensinar o mesmo às pessoas que a seguem. No entanto, precisamos anunciar uma união que nos coloque acima de todos os problemas, porque todos são consequência do distanciamento, da separação e do ódio infundado entre nós.

Se eu percebo a realidade egoisticamente, me importo apenas com minha própria existência, vejo os outros de longe e não me uno a eles por meio dos sentimentos em um todo, então eu vejo o mundo como ele é hoje, em meus cinco órgãos dos sentidos.

Mas se eu me unir a outra pessoa, pelo menos a uma pessoa, para isso preciso me anular e então já começarei a perceber a realidade com diferentes órgãos de sensação. Estes não serão mais a visão, audição, olfato, paladar e tato comuns, mas as Sefirot Keter, Hochma, Bina, Zeir Anpin e Malchut.

Vou ver a realidade como única e perfeita. Já será uma realidade que não existe dentro de mim, mas fora de mim. Ou seja, não será limitada por meus órgãos sensoriais. Na medida em que eu abandonar minha sensação pessoal, meu desejo de receber prazer, para a percepção externa, para o desejo de doar, nessa medida eu revelarei a verdadeira realidade.

Vou revelar a luz no desejo de doação, que fui capaz de construir dentro do meu desejo de receber prazer, a forma de doação e amor, ou seja, a forma do Criador. De um observador passivo da realidade, me transformarei em seu pesquisador ativo. Isso é o que a ciência Cabalística nos ensina.

Todos nós devemos receber a forma de um Partzuf espiritual, que contém desejo, restrição, tela e luz refletida. Então ele se torna ativo, pode doar ao mestre, unir-se a Ele e alcançá-Lo, como está escrito: “E você será como Deus e conhecerá o bem e o mal”.

Na religião, uma pessoa realiza ações corporais e deseja receber uma recompensa corporal por elas. Mas nós queremos realizar ações espirituais, ou seja, construir uma conexão mútua, unidade, até o amor entre nós. Esta será nossa recompensa.

Da 1ª parte da  Lição Diária de Cabalá 10/19/20, “Bereshit

“Ignorar A COVID É Jogar Roleta Russa Com A Saúde De Nossos Filhos” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: “Ignorar A COVID É Jogar Roleta Russa Com A Saúde De Nossos Filhos

Apesar de todos os nossos esforços para negar sua gravidade, a COVID-19 não é uma piada. É uma doença grave e quanto mais a ignoramos, mais grave ela se torna.

Se no início pensávamos que ela afetava apenas pessoas idosas e doentes, agora sabemos que afeta a todos, em todas as faixas etárias e em todos os níveis de saúde. Mas o aspecto mais assustador do coronavírus é seu impacto nas crianças. Embora a maioria das crianças infectadas permaneça assintomática, algumas desenvolvem uma condição muito grave conhecida como Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (PIMS), que afeta o cérebro e pode até levar à morte.

Ignorar os riscos da COVID-19 é, em muitos aspectos, como jogar roleta russa. As chances de morrer neste caso são muito menores, mas a cabeça na mira da arma é a de nossos filhos. Estamos dispostos a correr o risco?

Quanto mais demoramos para lidar com o vírus, mais infeccioso e violento ele se torna. O que acontecerá se protelarmos por mais seis meses? Quão pior será o impacto sobre nós e nossos filhos? Queremos esperar que a taxa de mortalidade aumente? Queremos ficar sentados até que os hospitais sejam incapazes de tratar as pessoas com qualquer doença porque seus leitos são ocupados por pacientes COVID? Nós realmente deveríamos saber melhor.

O novo coronavírus não está aqui em uma breve visita. Eu disse isso quando ele chegou, e agora a ciência está começando a reconhecê-lo. Há alguns dias, John Edmunds, membro do Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências do Reino Unido, disse aos legisladores que “teremos que viver com este vírus para sempre. Há pouca chance de que ele seja erradicado”. Em palavras mais simples, a vida que tínhamos até 2020 nunca mais vai voltar; temos que construir uma nova e melhor.

O primeiro lugar para começar a reconstruir nossas vidas é a nossa sociedade. Se examinarmos cada crise que a humanidade está lutando, encontraremos causas específicas para cada uma delas. Mas por trás de cada crise, seja mudança climática, incêndios florestais, COVID-19, fome, guerra, poluição da água, poluição do ar, abuso de substâncias, pobreza, obesidade, violência doméstica, racismo ou qualquer outra crise, todas são causadas ​​por nossa falta de consideração, pela nossa alienação mútua.

Nós patrocinamos uns, demonizamos outros, abusamos, manipulamos e enganamos em nosso caminho para a riqueza e o poder. Alguns são mais agressivos, outros menos, mas esta é a mentalidade dominante em todo o mundo. Esta é também a mentalidade que nos infligiu as inúmeras crises que assolam nosso planeta. Nós nunca as superaremos até eliminarmos nossos constantes maus tratos mútuos.

Sabemos que a responsabilidade mútua é ótima para todos nós; sentimos isso instintivamente. Mas sempre que queremos implementá-la, a “voz da razão” desperta em nossas cabeças e diz que é inútil tentar implementá-la, pois muito poucas pessoas estão dispostas a fazer o esforço, que é contra a natureza humana, que estamos sonhando se pensamos que isso pode funcionar, etc.

Mas é contra a natureza humana querer se sentir seguro? É contra a natureza humana querer ser capaz de confiar nas pessoas? É contra a natureza humana construir redes de responsabilidade mútua a fim de garantir a saúde e o bem-estar de todos? Pelo contrário, nada é mais natural do que esses comportamentos. Cada assentamento oferece a seus residentes exatamente esses benefícios; é por isso que as pessoas vivem em assentamentos e comunidades, e quando escolhemos nossos líderes, buscamos aqueles que melhor podem nos prover essas necessidades.

Porém, enquanto vivemos em sistemas que protegem nossas vidas, maltratamos uns aos outros – os blocos de construção dos sistemas que nos sustentam. Não faz sentido. É como se as células atacassem um antígeno que veio ajudá-las a combater um vírus e depois reclamassem que estavam doentes.

Devemos parar de ceder aos nossos egos. Eles estão distorcendo nossa percepção e nos fazem pensar todas as coisas erradas uns dos outros. Eles fazem com que nos odiemos quando, na verdade, somos todos dependentes uns dos outros e não seríamos capazes de viver se não fosse por todos nós.

E se não formos fortes o suficiente para lutar contra nossos egos para nosso próprio bem, vamos pelo menos fazer isso por nossos filhos. Não é culpa deles estarmos permitindo que nossos egos se descontrolem; não é culpa deles que sejamos sem coração, sem coragem e não possamos olhar além de nossos narizes. Vamos pelo menos desistir de nossos egos por causa deles, para que eles também tenham um futuro, e não vamos jogar roleta russa com a cabeça de nossos filhos sob a mira de uma arma.

“A Sátira Do Antissemitismo” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Sátira do Antissemitismo

Somente no Twitter e no Facebook, a impressionante quantidade de 1,7 milhão de postagens antissemitas foi feita este ano, disse o enviado especial dos EUA para o monitoramento e combate ao antissemitismo, Elan Carr. Isso não é assunto para rir. Mas e se lutarmos contra o ódio com a sátira, como os comediantes tentam fazer? Poderia ser uma maneira eficaz de lidar com as teorias da conspiração contra os judeus? Acho que “sim”. Independentemente de ser feito de forma direta ou inversa, o que mais importa é despertar a questão de por que existe o ódio infindável aos judeus, como um passo importante para resolver o problema para sempre.

Somente o povo de Israel pode fazer a diferença no mundo porque é o povo que recebeu o método de conexão, a sabedoria da Cabalá, que descreve os meios para atrair a força única da natureza capaz de neutralizar qualquer interrupção e negatividade na realidade. Essa força que equilibra o ódio é o poder do amor criado por meio da unidade judaica. Quando os judeus estiverem unidos e se tornarem um exemplo a ser seguido, eles irão surgir como a “luz para as nações”, iluminando o caminho para um futuro positivo para a humanidade. Esse será o dia em que a justiça, a igualdade e a compreensão mútua darão as últimas risadas.

O coronavírus vem de “um lugar chamado Wuhan, que fica em Israel”, brincou o comediante judeu Sasha Baron Cohen em um popular programa de televisão dos Estados Unidos e foi relatado em alguns meios de comunicação. As pessoas certamente não o levam a sério e é claro que sua intenção não é provocar, mas usar o sarcasmo como uma forma eficaz de denegrir o antissemitismo. Por que essa pode ser uma ótima estratégia? Porque precisamos de uma abordagem criativa para lidar com a crescente animosidade contra os judeus em todo o mundo. Ela pode nos ajudar a destacar esse fenômeno de forma direta e veemente nas redes sociais, onde o antissemitismo surge e se espalha como um vírus.

A atenção do mundo está atualmente voltada para outra epidemia, a Covid-19, que ofuscou ligeiramente o ódio aos judeus, mas não o apagou do programa de televisão, como mostram as estatísticas. Assim que a praga enfraquecer, as vozes de nossos inimigos se intensificarão novamente, culpando os judeus pela pandemia e outras calúnias, como os antissemitas fazem tão abertamente em cada primeira oportunidade e por todos os meios à sua disposição.

No entanto, nós perdemos nosso tempo tentando combater os inimigos de frente ou lutando para remover algum conteúdo indesejado. Essas ações não vão ajudar, nem temos o imenso poder e recursos necessários para erradicar o problema. Assim que as medidas para eliminar os posts antissemitas são implementadas em um lugar, elas se reproduzem rapidamente como ervas daninhas no campo. Portanto, a única estratégia que dará frutos é aprender a pegar a negatividade lançada em nosso caminho e contrastá-la com toda a bondade esperada do povo judeu.

Na verdade, vamos dar um passo para trás e pensar nisso claramente por um momento. Quando os antissemitas culpam os judeus por todas as calamidades no mundo, eles estão na verdade apontando os judeus como a única força capaz de causar mudanças no mundo, como o único povo que tem o poder de resolver qualquer crise que a humanidade enfrenta, mas que está falhando em cumprir este objetivo.

Essa é uma afirmação verdadeira – eles estão totalmente certos. Somente o povo de Israel pode fazer a diferença no mundo porque é o povo que recebeu o método de conexão, a sabedoria da Cabalá, que descreve os meios para atrair a força única da natureza capaz de neutralizar qualquer interrupção e negatividade na realidade. Essa força que equilibra o ódio é o poder do amor criado por meio da unidade judaica. Quando os judeus estiverem unidos e se tornarem um exemplo a ser seguido, eles irão surgir como a “luz para as nações”, iluminando o caminho para um futuro positivo para a humanidade. Esse será o dia em que a justiça, a igualdade e a compreensão mútua darão as últimas risadas.

“Qual É O Propósito Da Vida?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É O Propósito Da Vida?

O propósito da vida é atingir o estado mais elevado e exaltado que a natureza preparou para nós: ascender acima de nossos “eus” egoístas inatos e obter uma compreensão, percepção e sensação claras de por que nós – e a natureza em todos os seus níveis, inanimado, vegetativo, animado e humano – existimos.

Além disso, o propósito da vida não pode ser imposto ou mostrado a ninguém, da mesma forma que não podemos provar as leis matemáticas aos gatos. Em vez disso, cada pessoa precisa descobrir o propósito da vida por si mesma: elevar-se em percepção e sensação até obter uma visão e sentimento completos da realidade.

A ascensão acima de nossa natureza egoísta inata até a descoberta da totalidade da natureza é o significado mais completo de se tornar um ser humano. Em hebraico, a palavra para “humano” é “Adam“, que deriva da frase, “Adameh le Elyon” (“semelhante ao superior”), o que significa que se nos elevamos acima de nossa estreita percepção egoísta e atingirmos a percepção total da realidade, cumprimos nosso papel de nos tornarmos “humanos” no sentido mais amplo do termo.

Em princípio, existem duas forças na natureza: recepção (egoísmo, negativo) e doação (altruísmo, positivo). Nós nascemos e crescemos apenas com a força da recepção, que se expressa em nós como egoísmo: o desejo de desfrutar à custa de qualquer coisa ou pessoa fora de nós.

Nosso egoísmo se desenvolve e cresce ao longo de muitas gerações, de um pequeno desejo de desfrutar que não exige nada mais do que suas necessidades básicas de sobrevivência – comida, sexo, família e abrigo – para um ego maior que exige realização de uma série de conexões sociais – dinheiro, riqueza, honra, respeito, fama, controle, poder e conhecimento. Em nossa era, nós alcançamos um ponto de transição singularmente significativo, onde testemunhamos nosso desenvolvimento egoísta chegando a um beco sem saída, ou seja, sentindo-se cada vez mais difícil se sentir realizado com as buscas egoístas, o que também dá origem a uma infinidade de atitudes negativas na sociedade – pessoas descontando cada vez mais a sua insatisfação, levando a uma polarização e o ódio crescentes em toda a sociedade.

O egoísmo exagerado de hoje aponta, portanto, o caminho para a necessidade de atrairmos uma força oposta, positiva e altruísta, a fim de criarmos relações equilibradas entre nós e com a natureza.

Tanto o nosso egoísmo inato quanto a força altruísta positiva derivam da natureza, e o propósito da vida é que nos apliquemos para atrair a força altruísta positiva da natureza acima de nossa egoísta, a fim de vivermos em equilíbrio e harmonia com a natureza.

Guia Para Mesas Redondas, Parte 20

528.03Lições Na Forma De Uma Mesa Redonda

Pergunta: Qual é a principal dificuldade em organizar aulas em forma de mesa redonda? Em que devemos prestar atenção?

Resposta: É muito difícil fazer uma mesa redonda de uma aula porque uma aula requer um professor. Se o professor se exclui desse círculo e está presente como moderador externo, o problema é outro.

Pergunta: Em que você vê a dificuldade em organizar tal mesa redonda?

Resposta: A dificuldade está nos próprios alunos, se eles estão preparados para isso, se entendem a importância de fazer os exercícios dessa forma.

De KabTV, “Habilidades de Gestão”, 09/07/20

Nova Vida 475 – Interesses Pessoais Versus Interesses Nacionais

Nova Vida 475 – Interesses Pessoais Versus Interesses Nacionais
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Um verdadeiro líder precisa estar acima de seu ego, devotado ao povo e desapegado de qualquer interesse pessoal. É alguém que está pronto para deixar o seu posto e limpar as ruas se isso for necessário para o bem das pessoas. A liderança é um reflexo do público e só pode ser corrigida de baixo para cima, pois qualquer sistema existente destrói e devora aqueles que nele ingressam. Conheceremos o mal do ego escuro e corrupto e nos moveremos na direção da conexão. Uma vez que um novo espírito é criado, ele será projetado na liderança. Ser Israel é amar o seu amigo como a si mesmo e descobrir a força superior entre nós.

De KabTV, “Nova Vida 475 – Interesses Pessoais Versus Interesses Nacionais”, 16/12/14