“Vida Social Em Um Mercado De Trabalho Em Constante Mudança” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Vida Social Em Um Mercado De Trabalho Em Constante Mudança

Pense nisso, uma realidade onde você precisa de dois chefes de família para sustentar uma família simplesmente não faz sentido. Ambos os pais ficam fora a maior parte do dia e, quando chegam em casa, estão exaustos e mal têm energia para dedicar sua atenção aos filhos. E em famílias com apenas um chefe de família, a situação é obviamente muito pior, tanto porque há apenas um dos pais para criar os filhos quanto porque os pais solteiros geralmente têm que trabalhar em dois empregos apenas para prover as necessidades básicas da família.

Estamos vivendo em anos transformadores. Podemos passar por eles com facilidade e alegria se nos unirmos e emergirmos do outro lado como uma sociedade unida e solidária. Ou podemos experimentá-los como dolorosos e opressivos e, ainda assim, perceber que eles foram apenas para o nosso bem. De qualquer forma, o coronavírus nos fará aprender a cuidar.

Essa é uma situação antinatural e doentia cujo resultado é uma geração de crianças negligenciadas, abandonadas por seus pais cativos que lutam para manter um teto sobre a cabeça de seus filhos e colocar pão em suas bocas. Mas a maior estranheza sobre esse estado miserável é que passamos a considerá-lo “normal” e até “desejável”.

Felizmente, o coronavírus está nos forçando a reconstruir nosso mundo. Somos rebeldes, contenciosos, mas isso vai nos dobrar e nos forçar a obedecer. A Covid destruirá a economia por mais que possamos resistir, nos forçará a sustentar aqueles que foram atingidos pelo colapso e nos obrigará a começar a pensar também uns nos outros e não apenas em nós mesmos. Teremos que fazer isso, ou o colapso também nos atingirá.

A Covid deixará muito pouco excedente para a indulgência em coisas que antes pensávamos serem necessárias, mas ela não nos deixará de mãos vazias. Pelo contrário, vai nos mostrar o que realmente tínhamos o tempo todo, mas não percebíamos: um ao outro. O vírus nos ensinará o óbvio – que nada importa mais do que cuidar da família e dos amigos, e nada nos torna mais felizes do que tê-los por perto. Isso nos fará reconstruir nossas vidas e colocar as pessoas no centro de nossa atenção ao invés do dinheiro, que é como deveria ser, porque somente quando vemos outras pessoas, e elas nos veem, podemos ser felizes.

O mundo está produzindo e continuará a produzir alimentos abundantes e o resto das necessidades da vida. Não haverá falta deles. A única questão é com que rapidez vamos aprender a distribuí-los entre todos e garantir que todos sejam alimentados, vestidos, vivam em um lar adequado e tenham educação e cuidados de saúde adequados. Quando aprendemos isso e agimos de acordo com essa percepção, a única coisa que ainda precisamos fazer é aprender a nos relacionar uns com os outros de maneira favorável, que é o que deixamos de fazer nas últimas décadas. E esse aprendizado vai finalmente nos deixar felizes.

Estamos vivendo em anos transformadores. Podemos passar por eles com facilidade e alegria se nos unirmos e emergirmos do outro lado como uma sociedade unida e solidária. Ou podemos experimentá-los como dolorosos e opressivos e, ainda assim, perceber que eles foram apenas para o nosso bem. De qualquer forma, o coronavírus nos fará aprender a cuidar.

Comente