“Shana Tovah Depende De Nós” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Shana Tovah Depende De Nós

Nós estamos no limiar de uma revolução completa – uma mudança substancial em nossa atitude em relação a nós mesmos, à sociedade, à humanidade e a toda a natureza. Rosh Hashanah, que em hebraico significa a “cabeça” ou “início” do “ano”, chega em um momento especial, como nunca antes, no meio de uma pandemia global. Estamos cientes do impacto de longo alcance do vírus, mas precisamos nos perguntar para que propósito ele chegou? A resposta a esta pergunta é a chave para um bom ano novo, um Shana Tovah 5781.

A era do coronavírus está remodelando nossas vidas, literalmente à força. Está nos levando a um mundo mais elevado e avançado, no qual todas as partes estão ligadas. O fato de que o mundo parece exatamente o oposto agora – cheio de jogos de ego, violência, corrupção, lutas e tumultos – faz parte do processo de desenvolvimento.

O coronavírus está nos mostrando como nosso comportamento individualista e egoísta está nos levando à destruição e à dor. Olhando-nos bem nos olhos no espelho, com total honestidade, desejaremos reformar e corrigir nossa natureza em uma que deseja apenas cooperação e unidade mútuas.

Os crescentes desafios e apuros que vivemos despertam a introspecção mundial para perceber que o caminho atual que a humanidade trilha não está nos levando a um bom lugar. Este reconhecimento por si só já é um passo muito importante em nosso desenvolvimento. O coronavírus revelou-se uma força que está despertando a humanidade para empreender uma revisão completa de seu estado.

Nosso entendimento atual do que está acontecendo se resume à consciência de que estamos sendo espancados por este vírus. Mas nosso discernimento não vai mais fundo do que isso. Não temos ideia para onde os golpes estão nos direcionando, de onde eles vêm e, mais importante, com que propósito. Estamos tão desamparados e desorientados como um bebê recém-nascido que sente dor e não para de chorar, sem entender o motivo da situação.

Assim, nosso desafio mais importante é descobrir a razão do coronavírus, não no sentido biológico, mas no sentido essencial, desde sua própria origem. Distanciamento social, máscaras, prevenção de multidões, uma corrida global por uma vacina, tratamentos experimentais – todas são medidas que buscam aliviar o problema da Covid-19. No entanto, nenhuma será capaz de constituir uma solução abrangente para o fenômeno do coronavírus.

A natureza, como um pai amoroso, sempre trabalha para o bem de toda a criação em conjunto. Os golpes, pressões e angústias, por mais dolorosos que sejam a cada indivíduo, não vêm para nos prejudicar, mas para nos levar ao equilíbrio com a natureza e, com isso, a uma vida melhor. Seu objetivo é aguçar nossa consciência de nossas prioridades na vida, do que realmente importa: nossas relações harmoniosas entre nós e com a natureza.

A pandemia visa ensinar-nos como abordar o meio circundante de forma adequada, de forma integrada e complementar, com o desejo de fazer o bem aos outros e ao ambiente. A natureza é global, integral e unificada. Assim, a tendência do desenvolvimento evolutivo é fazer com que nos identifiquemos com essas mesmas qualidades, apesar de termos sido criados diferentes e distantes uns dos outros.

A era do coronavírus está remodelando nossas vidas, literalmente à força. Está nos levando a um mundo mais elevado e avançado, no qual todas as partes estão ligadas. O fato de que o mundo parece exatamente o oposto agora – cheio de jogos de ego, violência, corrupção, lutas e tumultos – faz parte do processo de desenvolvimento. Se no início da pandemia ainda víamos manifestações de solidariedade e ajuda mútua, hoje a paciência de todos se esgotou.

Além disso, a ilusão de que nos tratamos bem foi destruída e ficou claro que é da natureza humana cuidar apenas de si mesmo.

O desamparo que estamos sentindo nos levará a buscar a orientação de nossos sábios que, ao longo de milhares de anos, criaram um método unificador para este tempo especial para conduzir a humanidade a um novo horizonte. Este método atemporal desenvolve na pessoa a visão e o sentimento de que estamos todos dentro de um sistema. Uma vez que essa noção é firmemente instilada em nós, torna-se natural tratar os outros como gostaríamos de ser tratados até nos tornarmos “como um homem com um só coração”.

E quando finalmente estivermos harmoniosamente conectados, sentiremos como o único poder da natureza que governa tudo na realidade só nos faz bem.

Então, o que devemos desejar para o ano novo? Primeiro, reconhecer nossa natureza humana egoísta como uma força autodestrutiva que nos separa. Em segundo lugar, que desejaremos mudar de direção e nos conectar para o bem de todos. Com isso, vamos ativar a força da natureza que irradia um mundo saudável e pacífico. Nossa intenção e vontade de construir uma conexão profunda entre nossos corações curará o coronavírus em sua raiz e garantirá que o próximo ano seja o mais doce que já experimentamos, um verdadeiro Shana Tovah.

Comente