“Quando O Dique Quebra” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Quando O Dique Quebra

Não foi nenhuma surpresa descobrir que Jacob Blake Sr., pai do negro americano Jacob Blake Jr., que foi baleado em 23 de agosto por um policial branco em Kenosha, Wisconsin, tem uma longa história de postagens racistas e antissemitas em redes sociais. O antissemitismo está crescendo em toda parte; a tensão está no ar e, mesmo onde ainda está calmo, parece que o chão está tremendo sob nossos pés. Quando o dique se romper e o dilúvio começar, ninguém lamentará ver os judeus se afogarem.

O nível de antissemitismo está disparando não apenas na América, mas em todo o mundo. Mas os Estados Unidos, onde a comunidade judaica é a mais proeminente e poderosa do mundo, serão o epicentro do cataclismo.

É difícil dizer quando o ponto crítico chegará, mas se a trajetória não mudar, ele virá com certeza e os judeus americanos experimentarão o que toda diáspora judaica experimentou desde que o exílio começou há dois mil anos: extinção e expulsão.

Em um mundo tão cheio de ódio e tão desprovido de humanismo, não podemos ignorar nossa obrigação para com as nações: ser “uma luz para as nações”, ser um exemplo de unidade e responsabilidade mútua. Não precisamos agradar às nações ou apaziguá-las. Elas não nos julgam pela forma como nos relacionamos com elas; elas nos julgam pela forma como nos relacionamos! Quando nos odiamos, elas nos culpam por espalhar a guerra entre elas. De forma simples, sem um exemplo de unidade, elas não podem se unir e começar a lutar. E no fundo, elas sentem que é por nossa causa.

Nós demos ao mundo ciência e tecnologia, arte e cultura, conhecimento e sabedoria, mas o mundo nos odeia cada vez mais e não nos mostra nenhuma gratidão. É hora de percebermos que isso não é o que ele espera de nós; espera de nós um exemplo de Arvut Hadadit (responsabilidade mútua).

Nós nos tornamos uma nação apenas quando nos unimos “como um homem com um coração” aos pés do Monte Sinai (a montanha do ódio). Imediatamente depois disso, recebemos a ordem de ser “uma luz para as nações”, para levar ao mundo a unidade que conquistamos. A ausência dessa luz de unidade é a causa do mundo caótico em que vivemos, e nossa obrigação é trazer essa unidade dando o exemplo.

Podemos negar, mas a negação não nos isentará de nosso dever nem convencerá o mundo de que não somos os culpados. Portanto, podemos escolher nos unir acima de nosso ódio, fazer o que o mundo espera de nós e conquistar seu favor pela primeira vez na história, ou receber o açoite da humanidade como fizemos na Europa há oitenta anos.

Comente