“Mudando-Se Por Causa Do Vírus, Para Nunca Mais Voltar” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: “Mudando-Se Por Causa Do Vírus, Para Nunca Mais Voltar

Em todo o mundo, as pessoas estão se mudando dos centros das cidades atingidas pelo coronavírus para os subúrbios e além, para o campo ou mesmo para outros países. Poucos meses após o início da pandemia, as pessoas se acostumaram a trabalhar em casa, tornando desnecessária a necessidade de morar perto do escritório. Como resultado, milhares de apartamentos em bairros antes sofisticados de grandes cidades ao redor do mundo estão vazios.

A mudança é mais do que temporária. As pessoas não terão motivo para voltar, a não ser para possíveis atividades recreativas, mas mesmo essas provavelmente desaparecerão nas grandes cidades. A mudança que estamos testemunhando no mundo todo é nada menos que uma transformação da civilização humana.

Não é só trabalho, mas tudo está se tornando virtual. Bancos e serviços financeiros, escritórios governamentais, empresas de software e alta tecnologia e a maioria dos outros produtos e serviços estão mudando para a arena online. E onde a presença física é necessária, as entregas de drones substituirão muitas das viagens necessárias de hoje.

Mas as pessoas não ficarão mais felizes. Ao contrário, os sentimentos negativos que se espalham pela América e pelo mundo só vão se espalhar ainda mais profundamente nos corações das pessoas. A COVID-19 expôs nossos maus tratos mútuos, nosso desprezo, insensibilidade e veneno que nutrimos contra qualquer pessoa de quem discordamos. Aqueles que se esconderem em suas casas de campo ficarão lá por medo da violência nas cidades e nas estradas, e se sentirão muito isolados e sozinhos. Os que ficarem nas cidades terão medo de sair de casa até mesmo para comprar mantimentos.

Nessa situação, as pessoas não terão escolha a não ser começar a procurar respostas reais para seus problemas. Quando fizerem isso, perceberão que aqueles que têm dito a elas que sua miséria é causada pelo presidente (seja ele quem for em dois meses), ou um determinado partido, ou uma política específica, ou alguma injustiça, podem estar certos, mas perderam a causa raiz (principal). E sem encontrar a raiz, cortar os brotos não faz nada para aliviar a dor.

À medida que as pessoas examinam sua situação, perceberão que há uma raiz comum para todas as suas dificuldades: as relações humanas rompidas. Elas verão que todos os nossos problemas resultam de nossas relações mútuas destruídas. Nós transformamos nossa sociedade em um campo de batalha de seitas conflitantes divididas por raça, riqueza, religião, afiliação política e geralmente qualquer coisa que possa separar as pessoas e colocá-las umas contra as outras.

Nossa miséria não provém de um determinado líder, partido ou qualquer outra autoridade. Vem do fato de que não gosto e não posso confiar no meu próximo. Em muitos casos, nos sentimos afastados até mesmo de nossas próprias famílias. Quando esta é a situação, não faz diferença quem está no poder; sempre nos sentiremos miseráveis. Por outro lado, se tivermos uma grande família unida e ótimos vizinhos de quem gostamos e podemos confiar, não nos importamos muito com quem está no poder e o que fazem; nos sentiremos seguros e felizes em nossas comunidades e famílias.

Quando as pessoas protestam contra as injustiças, elas expressam sua frustração e raiva. Suas causas muitas vezes podem ser nobres e dignas, mas a raiva que expressam em seus protestos não decorre de sua indignação com a injustiça infligida pelas autoridades; expressa principalmente sua desconexão da sociedade. Caso contrário, elas não seriam capazes de incendiar os negócios e casas de outras pessoas, destruindo seus meios de subsistência e espancando-as para protestar contra a injustiça.

O colapso social está acontecendo em todo o mundo ocidental e além. Na América, entretanto, é o mais notável, por enquanto. Se a América puder lidar com isso, outros países também o farão. Se a América não puder, outros terão muito mais dificuldade em ter sucesso.

As cidades americanas em esvaziamento são um alerta vermelho, um chamado para estabelecer solidariedade, cuidado e responsabilidade mútua na sociedade. Sempre haverá opiniões diferentes na sociedade porque a natureza dos seres humanos é ter suas próprias opiniões. A questão não é como fazemos com que todos vejam que temos razão, mas como fazer com que todos se sintam novamente uma família, ou pelo menos um bairro, onde uma boa vizinhança faz bem a todos!

Comente