“Individual E Coletivo Em Arrependimento” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Individual E Coletivo Em Arrependimento

“’Como os judeus expiarão seus pecados?’, perguntou o rei Davi. Ao que o Criador respondeu: ‘Quando o sofrimento recair sobre os judeus por causa de seus pecados, eles devem se reunir diante de Mim em completa unidade. Juntos, eles confessarão seus pecados e recitarão a ordem das Selichot, e eu responderei suas orações’” (Mishna). Isso exemplifica a própria essência da nação israelense, que exige que adotemos uma abordagem coletiva em relação a tudo, para o bem e para o mal.

Essa quebra de nossa condição de povo é o que devemos pedir perdão, por ignorar as crescentes lacunas entre nós, por esquecer o que é esperado de nós como um povo e por nosso comportamento real que está fora de sincronia com a garantia mútua.

As Selichot (perdãos), orações comunais ditas durante a temporada de Grandes Festas, representam um momento especial de introspecção e arrependimento. Mas pelo que devemos pedir perdão? Este período especial entrega a compreensão de que, coletivamente, temos caminhado mais para a separação do que para a conexão com outras pessoas em nossas vidas, e este é o pecado pelo qual precisamos pedir perdão.

Isso tem implicações importantes para os Dias de Arrependimento entre Rosh Hashanah e Yom Kippur. Toda a nossa introspecção – tudo o que desejamos refletir, examinar, esclarecer, admitir, confessar, pedir perdão – também deve ser realizada em conjunto e na plena consideração de cada um dos membros da nação.

No entanto, como fomos criados separadamente, fomos treinados e encorajados a administrar a nós mesmos como indivíduos. Como consequência, nos distanciamos de nossas origens comunais e perdemos a consciência de nós mesmos como um povo. Em outras palavras, deixamos de nos comportar como uma sociedade inspirada, organizada e operada de acordo com a garantia mútua.

A sensação de que somos como os órgãos de um único corpo – a consciência em que cada indivíduo não é avaliado separadamente, mas sim como parte integrante de um todo saudável e plenamente funcional – degenerou-se. Cabe a nós despertar gradualmente dessa ilusão de divisão e perceber que estamos sendo vistos pelos outros como um povo, não como uma coleção de grupos de facções ou indivíduos separados.

Essa quebra de nossa condição de povo é o que devemos pedir perdão, por ignorar as crescentes lacunas entre nós, por esquecer o que é esperado de nós como um povo e por nosso comportamento real que está fora de sincronia com a garantia mútua.

Não há razão para ficar com raiva e censurar uns aos outros; não há razão para discutir e usar palavras duras. Geralmente, essas palavras alcançam poucos e muitas vezes têm o efeito oposto. Veja, por exemplo, educar filhos. Elevamos nossa voz e ordenamos que “sejam bons, cedam e compartilhem”, mas nossas palavras parecem cair em ouvidos surdos. Antes de obedecerem, eles precisam reconhecer em nós algo que vem de dentro. Lembre-se de seus pais. Você não se lembra mais de suas ações do que de suas palavras? Como os filhos observam tudo e têm uma habilidade aguçada de reconhecer o que vem do lugar real do coração, eles aprendem melhor com exemplos pessoais; nós somos exatamente iguais.

Devemos aproveitar a oportunidade que as Grandes Festas proporcionam para redescobrir os laços de conexão amorosa entre nós. Só nos falta a consciência da nossa divisão para gritar e pedir a força para nos unir, a força de amor e correção. Nosso objetivo final é internalizar a noção de que somos partes de um único corpo funcionando em garantia e amor mútuos.

O amor de que estamos falando é interno, profundo e oculto. Não explode na frente de todos como é visto no cinema ou no teatro, onde é amor egoísta de qualquer maneira. Portanto, é difícil e complicado demonstrar como é quando todos estão conectados e se sentindo como um.

Depois de chegar a essa profunda consciência do estado em que devemos estar e perceber que ainda não chegamos perto de realizar esforços suficientes nessa direção, estamos prontos para nos arrepender e implorar por ajuda. Quando chegamos juntos a um pedido tão sincero de cura e unidade entre nós, estamos prontos com uma oração que certamente será cumprida.

Comente