“’Celebrando’ O Encerramento Do Ano Novo”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 21/09/20

O ano novo hebraico começou com o encerramento. Mas essa foi apenas a declaração oficial. Na prática, cada facção segue seu próprio caminho e tenta amenizar as restrições e torná-las mais convenientes. Nessa marca de guerra, a saúde pública não interessa a ninguém e todos estão perdendo.

O povo de Israel que vive no Estado de Israel não é uma nação. É um coletivo de muitas seitas e facções. Não vejo um coletivo e não vejo uma nação israelense. Por esse motivo, não sairemos mais fortes ou saudáveis ​​com esse fechamento, já que melhorar ou fortalecer não está na cabeça de ninguém. Quanto mais nos afundamos nesta pandemia, mais divididos, odiosos e alienados nos tornamos.

Enquanto continuarmos nossa separação, a chance de cura do vírus é zero. Esse ódio entre nós é exatamente o oposto do que deveríamos estar fazendo, e é por isso que o vírus está vencendo. Já somos o país com o segundo maior número de casos por milhão de pessoas no mundo e estamos rapidamente correndo para o “topo”. Em vez de um modelo para o mundo, uma luz para as nações, nos tornamos o alvo de chacota do mundo.

Se não perdermos tempo enquanto estamos fechando (presumindo que o obedeçamos) para pensar no futuro de nossa nação e o que significa ser o povo de Israel, traremos para nós mesmos um terceiro e mais doloroso fechamento.

Ser Israel significa estar unido. Significa fazer da unidade o valor máximo, acima de todas as nossas diferenças. Temos orgulho de nosso legado de debates e argumentos e frequentemente citamos a Casa de Hillel e a Casa de Shammai como exemplos de duas visões conflitantes dentro da nação. Mas omitimos o que não é conveniente: eles ajudaram a nação a examinar questões essenciais precisamente porque eram parte da mesma nação.

Os chamados debates de hoje não são nada disso. Queremos eliminar nossos dissidentes, não aprender juntos o que é melhor para a nação. Não estamos usando desentendimentos para crescer. Na verdade, não queremos nem crescer, mas obliterar nossos adversários e ficar sozinhos no rinque. Com isso, estamos trazendo sobre nós mesmos nossa condenação.

Não haverá vacina contra a Covid-19, já que o verdadeiro patógeno são nossos egos doentes. Quando mudarmos nossa relação mútua, seremos libertados do vírus. Nossa má vontade o cria, e ele criará patógenos cada vez piores, até que mudemos nossa má vontade em boa vontade.

Atualmente, não estamos fazendo isso. Estamos desafiando o fechamento para sair e protestar, entrar em choque com a polícia e gritar em desafio, sem máscaras e sem distância. Por que não desafiamos o fechamento para nos aproximarmos? Enquanto nossa motivação for destruir, continuaremos a destruir a nós mesmos. Se o mantivermos por tempo suficiente, teremos sucesso.

Comente