“A Oceanos De Distância – A Separação Entre Israelenses E Judeus É Uma Má Notícia Para O Mundo” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Oceanos De Distância- A Separação Entre Israelenses E Judeus É Uma Má Notícia Para O Mundo

Há cerca de seis meses, o primeiro paciente com Covid-19 faleceu em Israel. Agora, depois de quebrar outro recorde no número de novos casos confirmados e ampliar nossa “liderança” como o país com mais infecções per capita, finalmente começamos a perceber que há um problema real aqui, que as pessoas estão realmente morrendo, e que estamos perdendo o controle sobre a pandemia.

Não nos tornamos uma nação para nossos próprios propósitos, mas para ser “uma luz para as nações”, para mostrar ao mundo como o amor pode cobrir todos os crimes, todo o ódio, e através do nosso próprio exemplo abrir o caminho para a unidade, para que elas pudessem fazer o mesmo.

Eu avisei sobre isso meses atrás; eu disse que se não fizermos o que devemos fazer, estaremos entre os países que serão mais atingidos. E não apenas nos casos confirmados da Covid, mas também no desemprego e na desintegração social.

Não devemos nos surpreender que isso esteja acontecendo. Não fizemos o que devíamos, então a pandemia está se espalhando em Israel e ao redor do mundo mais rápido do que os incêndios florestais na Califórnia. E se as pessoas nos culpam por isso, elas estão apenas ecoando o que nossos sábios disseram há milhares de anos: “Nenhuma calamidade vem ao mundo, a não ser por causa de Israel” (Yevamot 63a). A Covid-19 é certamente uma calamidade, mas ficará muito pior a menos que nós, israelenses, comecemos a agir como israelenses.

E aqui está o que significa ser israelense: nossa nação foi formada quando concordamos em nos unir “como um homem com um só coração”. Não gostávamos um do outro; não concordávamos; e não queríamos ficar juntos. Viemos de diferentes clãs e tribos de todo o Crescente Fértil e nos juntamos ao grupo de Abraão porque gostávamos do que ele ensinava, que devemos amar uns aos outros acima de nossas diferenças. No entanto, não é como se realmente nos importássemos um com o outro, pelo menos não a princípio. Mas lá, ao pé do Monte. Sinai, depois de escapar do Egito, finalmente concordamos em nos unir acima de nossas disparidades e disputas.

Naquele momento, nos tornamos uma nação. E mesmo que caíssemos na beligerância e nas lutas logo depois, sempre soubemos o que deveríamos fazer. Nas palavras do Rei Salomão: “O ódio suscita contendas, e o amor cobre todos os crimes” (Provérbios 10:12).

No entanto, não nos tornamos uma nação para nossos próprios propósitos, mas para ser “uma luz para as nações”, para mostrar ao mundo como o amor pode cobrir todos os crimes, todo o ódio, e através de nosso próprio exemplo mostrar o caminho para unidade, para que eles pudessem fazer o mesmo.

Hoje, embora tenhamos recuperado a soberania, Israel está tudo menos unido. Ele está dividido em seitas e facções, classes, visões políticas, setor privado x setor público e religioso x secular. Cada facção da nação deseja que seu pedaço do bolo seja o maior possível, independentemente de seu próprio tamanho ou necessidade, e independentemente das necessidades de outras facções da nação.

Além disso, a sociedade israelense como um todo é um oceano à parte dos judeus americanos, não apenas fisicamente, mas principalmente emocionalmente. Há um abismo profundo entre a maneira como os judeus americanos percebem o judaísmo e Israel e a maneira como os israelenses os percebem. Isso torna as duas comunidades judaicas mais predominantes no mundo perpetuamente em conflito uma com a outra.

O livro Sefat Emet escreve: “A verdade é que tudo depende dos filhos de Israel. Conforme eles se corrigem, todas as criações os seguem”. Atualmente, não estamos nos corrigindo; estamos apenas nos separando mais profundamente a cada dia.

A Covid-19 nos salvou. Ela nos parou a caminho da aniquilação. Permitiu-nos refletir sobre a nossa sociedade e começar a corrigi-la, tornando-a mais coesa e solidária, e com isso, enfim, dar um exemplo positivo para o mundo.

Não aproveitamos a oportunidade; nós estragamos tudo. Assim, enquanto o mundo parecia surpreso por estarmos vencendo o vírus no início, agora parece perplexo, pois estamos ficando para trás de todos os outros países devido à nossa rendição aos caprichos de nossas facções e seitas. Mais uma vez, a divisão é a fonte de nossos problemas, mas estamos ocupados demais nos entregando à indignação justa para reconhecê-la.

Está escrito que Israel é um povo obstinado e, de fato, somos muito obstinados. Ser obstinado pode ser vantajoso, mas também tem seus limites. Em algum ponto, uma massa crítica de pessoas apontará o dedo para Israel e dirá que somos a causa de todos os seus problemas, e nada que possamos dizer as convencerá do contrário. Se chegarmos lá, Israel terá grandes problemas. Antes que isso aconteça, devemos fazer o que deveríamos fazer desde o primeiro dia: unir-se e assim dar o exemplo, para que o mundo inteiro olhe para nós e faça o mesmo.

Surpreendentemente, O Livro do Zohar (Aharei Mot) escreveu sobre a nossa situação e a solução para ela quase dois mil anos atrás: “Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união’ Estes são os amigos quando se sentam juntos e não estão separados uns dos outros. No início, eles parecem pessoas em guerra, desejando matar uns aos outros … então eles voltam a estar no amor fraternal. … E vocês, os amigos que estão aqui, como antes estavam em carinho e amor, doravante também não se separarão … e por seu mérito, haverá paz no mundo”.

Comente