“Uma Centelha De Luz Quando A Vida Não Faz Mais Sentido” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Uma Centelha De Luz Quando A Vida Não Faz Mais Sentido

Estresse, medo, solidão e dificuldades econômicas são exacerbados pela Covid-19. Como esses sentimentos aumentarão o risco de taxas mais altas de suicídio ainda é um assunto de estudo, mas as organizações de saúde mental já veem sinais de um aumento potencial das chamadas “mortes por desespero”, incluindo overdose de drogas e suicídio. A sociedade não pode mais enterrar a cabeça na areia. Ela precisa se preparar para o que está por vir e organizar as condições para apoiar os necessitados por meio de cuidado, cordialidade e responsabilidade mútua.

A satisfação sem limites não pode ser alcançada por nenhum de nós sozinho. Ela só pode ser alcançada por meio de uma boa conexão com os outros, e isso cria o “campo” necessário onde a fonte eterna de realização pode ser revelada.

Após seis meses de pandemia, pensamos que o comportamento e o impacto do vírus já estavam resolvidos. No entanto, a praga global continua surpreendendo a comunidade científica com novas mutações, novos sintomas e efeitos colaterais. Até que a cura seja descoberta, a incerteza continuará a reinar e tempos mais difíceis podem ser esperados.

Até 75.000 americanos a mais poderiam ser adicionados ao número de mortos da pandemia, não devido a causas naturais, mas porque decidiram acabar com suas próprias vidas, de acordo com uma análise de um grupo nacional de saúde pública. As taxas de suicídio nos Estados Unidos aumentaram 35% em geral desde o ano 2000, de acordo com dados oficiais. Historicamente, as dificuldades econômicas – particularmente recessões profundas como a de 2008 – quase dobraram o número de pessoas que cortaram suas vidas por falta de esperança. Entramos em uma nova etapa da humanidade, uma nova era em que devemos estar conectados uns aos outros por meio de vínculos recíprocos positivos, onde todos na sociedade atuam para com os outros como uma mãe amorosa que abraça seu filho querido.

O suicídio é a pior decisão que uma pessoa pode tomar. Uma pessoa desesperada chega a esta resolução extrema para escapar da dor. Na mente daqueles que cometem tais atos extremos, a vida se torna um fardo do qual vale a pena se livrar, uma provação sem satisfação. Ao fazer isso, eles desconsideram a dor que infligem à família e aos amigos e manifestam total relutância em aceitar as condições concedidas pela vida.

Eles aparentemente ficam sem forças para exigir o que consideram ter o direito de ter na vida, seja o que for. Em vez de envolver outras pessoas para ajudar a trabalhar juntos na busca de soluções, a pessoa suicida recua para seus próprios pensamentos egocêntricos e turbilhão de emoções.

Embora o suicídio pareça ser a mais pessoal das decisões, temos uma responsabilidade coletiva como sociedade por não conseguir criar as condições necessárias para as pessoas viverem vidas saudáveis ​​e felizes. Tais condições impediriam as pessoas de atingir o estado final de desespero, angústia e dor que as leva ao ponto de sentirem que a vida não faz mais sentido.

Devemos criar mecanismos de responsabilidade mútua para garantir que as necessidades mais básicas de cada pessoa sejam atendidas, a fim de que cada pessoa tenha o necessário para uma existência digna.

A Luz depois da Escuridão

A pessoa deve sempre estar ciente de que quaisquer tormentos que surjam, eles são dados para o nosso progresso pessoal, com o propósito de corrigir nossa natureza egoísta de satisfação pessoal acima de qualquer outra consideração. Esses baixos estados de depressão despertam o ponto mais profundo escondido dentro de cada um de nós, uma centelha que visa um nível superior de existência onde o vazio escuro é preenchido.

Como o principal Cabalista Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) escreve: “Em cada pessoa, mesmo na secular, há uma centelha desconhecida que exige a unificação com Deus. Quando às vezes desperta, desperta a pessoa para conhecer Deus, ou negar Deus, que é a mesma coisa. Se alguém gerar a satisfação desse desejo naquela pessoa, ela concordará com tudo” (A Solução).

A satisfação sem limites não pode ser alcançada por nenhum de nós sozinho. Ela só pode ser alcançada por meio de uma boa conexão com os outros, e isso cria o “campo” necessário onde a fonte eterna de realização pode ser revelada.

Qual é a abordagem certa para ajudar alguém em desespero? Não devemos sobrecarregá-los com simpatia exagerada ou tratá-los com condescendência. Basta expressarmos carinho, ouvirmos, estarmos ao lado deles, mostrarmos que eles não estão sozinhos e que podem contar com os amigos e familiares.

Precisamos compartilhar com alguém em desespero o pensamento de que há luz depois da escuridão. Da mesma forma, todo estado sombrio é o preparo para uma realidade melhor, a percepção de um novo estado positivo, já que não há preenchimento sem falta. Esse novo estado de sentimento de que somos compreendidos, protegidos e abraçados está esperando e nos dará uma paixão renovada pela vida e expandirá nossos horizontes em direção a uma vida significativa, cheia de significado e propósito, alegria e abundância.

Comente