“Um Feliz Réquiem Para Um Mundo Antigo” (Linkedin)

Dr. Michael LaitmanMeu novo artigo no Linkedin: “Um Feliz Réquiem Para Um Velho Mundo

O velho mundo morreu e eu não poderia estar mais feliz. Tudo o que sabemos não será o mesmo: relações entre casais, filhos, locais de trabalho, relações internacionais, tudo mudará. O ego que reinou em todos esses contatos está morrendo, sufocado por bloqueios recorrentes e outros grilhões impostos a ele por um vírus.

A humanidade está cantando um réquiem para o velho mundo, e estou torcendo pelo novo que está por vir. Estou esperando isso há décadas e agora está finalmente chegando. Naturalmente, não é uma transição fácil. Haverá muitas dores e sofrimento ao longo do caminho, mas qualquer pessoa que entenda como eu que o mundo vindouro será governado por amor e responsabilidade mútua está muito feliz nos dias de hoje.

Quando nos libertarmos das cadeias do egoísmo, entenderemos o que a liberdade realmente significa. Toda pessoa não só será capaz, mas incentivada a desenvolver o seu potencial ao máximo. A sociedade apoiará ativamente cada pessoa na realização de seus sonhos, pois a realização desses sonhos contribuirá para a sociedade, tornando-a mais rica, unida e vibrante.

Os primeiros estágios já estão acontecendo: não há trabalho no lugar daqueles que desapareceram, e mais e mais pessoas estão percebendo que o coronavírus não é uma crise; é uma transformação. Elas estão reconhecendo que não terão apenas que mudar de emprego ou mesmo de carreira. Elas estão percebendo que terão que mudar a vida inteira.

Mas mesmo isso ainda é apenas parte da verdade. A verdade é que elas terão que transformar a maneira como pensam a vida. As pessoas aprenderão a perceber tudo de maneira diferente: elas mesmas, as outras pessoas e seus relacionamentos com outras pessoas e com o mundo.

Em vez de uma perspectiva individualista e egocêntrica, em que cada pessoa se preocupa apenas consigo mesma e (no melhor dos casos) com os entes queridos, as pessoas transcendem seus egos e formam um reino em que cada pessoa é igualmente importante, contribuindo igualmente, e se preocupando igualmente com todos os outros.

As pessoas desenvolverão uma consciência de grupo que substituirá a consciência individualista. Essa consciência de grupo determinará o que acontece em suas vidas, e não o ego, que sabe apenas como lutar pela sobrevivência até perder e desistir da vida. Não haverá perdedores no mundo que se aproxima, já que vencer significa fazer com que todos se sintam valiosos, dignos, merecedores ou, em suma, felizes.

Preocupações materiais serão a menor preocupação das pessoas. As máquinas podem fazer esses trabalhos melhor do que os humanos; então, por que os humanos deveriam se preocupar com eles? As pessoas estarão preocupadas em construir a nova sociedade, algo que somente os humanos podem fazer.

Tudo o que sabemos hoje, e que se baseia em restringir o ego, mudará dramaticamente. Direito, educação, mercado de trabalho, saúde, moradia, todos os domínios em que atualmente expressamos nossos egos serão revolucionados, pois usaremos nossas habilidades para expressar preocupação pelos outros.

Se sentimos ressentimento quando pensamos em um mundo assim, é o nosso ego que se ressente. Quando nos libertarmos das cadeias do egoísmo, entenderemos o que a liberdade realmente significa. Toda pessoa não só será capaz, mas incentivada a desenvolver o seu potencial ao máximo. A sociedade apoiará ativamente cada pessoa na realização de seus sonhos, pois a realização desses sonhos contribuirá para a sociedade, tornando-a mais rica, unida e vibrante.

Vastas quantidades de energia e fundos estarão disponíveis, uma vez que atualmente estão atadas às autoridades que precisam manter nossos egos imprudentes afastados. Mas quando trabalharmos em benefício da sociedade, essas entidades não serão necessárias, e os abundantes recursos humanos e monetários dedicados a mantê-las em funcionamento estarão a serviço da sociedade.

Não temos ideia de quanta riqueza a humanidade produz. Cada pessoa produz todos os dias várias vezes o que consome. Atualmente, esse excedente vai para o estado e os ricos. Mas a COVID está forçando todos a agir mais socialmente; ela ensinará a todos que, a menos que todos sejam felizes, ninguém será feliz.

De fato, podemos acelerar o início da transformação por meio de exercícios simples e úteis. Por exemplo, se começarmos a usar máscaras não para pegar o vírus, mas para evitar transmiti-lo, isso já criará uma mudança na nossa percepção do mundo. Esse é apenas um exemplo, um primeiro passo, mas, como diz o ditado, “Uma jornada de mil milhas começa com um único passo”.

A humanidade viu uma grande revolução em seu tempo, mas nunca viu uma transformação. Nós somos a primeira geração que se transforma em um novo ser – mais gentil, mais sábio, melhor.

Comente