Transformação Do Embrião Em Ser Humano

laitman_610.2Por que a natureza faz com que o processo de nascimento seja acompanhado com uma agonia tão terrível? O fato é que, posteriormente, essa dor se transforma em força. A dor sentida por uma mulher durante o parto a fortalece e lhe dá uma força tremenda mais tarde na vida, o que lhe permite cuidar do bebê e suportar as provações da vida.

O sofrimento experimentado durante o parto fortalece o corpo da mulher. Portanto, uma mulher que deu à luz é mais forte que uma mulher que não deu à luz e é mais forte e mais paciente do que um homem.

As dores de parto são muito benéficas para a saúde, pois proporcionam às mulheres paciência e resiliência na vida. Portanto, o sofrimento que a humanidade está passando agora em conexão com o coronavírus lhe dará força para o desenvolvimento no futuro.

Afinal, teremos que passar de um mundo para outro, como um bebê nascido do ventre de uma mãe que se transforma de um embrião em um ser humano. Após o nascimento, ele começa a se comportar de uma maneira completamente diferente e a familiarizar-se com uma nova realidade e um novo mundo fora do útero da mãe. O corpo de um recém-nascido começa a agir de forma independente: a criança chora, sorri, aprende a ouvir, ver e depois falar.

A criança também sofre as dores do nascimento, embora não tão fortemente quanto a mãe. Ela perde todas as sensações que teve dentro de sua mãe. Sua mãe a empurra para fora, mas ela mesma faz um esforço para sair também. Obviamente, ela não entende o que está fazendo, mas age instintivamente ao chamado da natureza.

A natureza obriga o bebê a abaixar a cabeça e lhe dá forças para sair do útero através do estreito canal do parto para nascer. O bebê também faz um ótimo trabalho no parto.

Hoje cada um de nós é um embrião, e o útero da mãe é o nosso ambiente. Precisamos nascer com a ajuda do ambiente e começar a viver em um novo ambiente, sentindo o ambiente como o Partzuf (rosto, em hebraico) de nossa alma.

Somos forçados a desistir da vida habitual no mundo antigo, onde nos sentíamos quentes, confiantes, protegidos. Agora deixamos este lugar e partimos para um novo mundo que não conhecemos. Como podemos passar por esse estado, superar essa barreira?

Ainda não é visível que o útero esteja começando a abrir. Tudo está fechado por enquanto, mesmo que as contrações já tenham começado. Mas essas contrações, a pressão sobre a humanidade dentro do útero, ainda não são direcionadas. O embrião ainda não abaixou a cabeça e levará tempo para nascer.

Virar de cabeça para baixo é uma troca de valores, de tudo o que era importante antes. De cabeça para cima significa que a coisa mais importante para mim é meu egoísmo e minha própria existência egoísta. Mas agora quero abandonar essa abordagem, cancelar, esquecer de mim mesmo e começar a me comportar de uma nova maneira, o que significa que me viro de cabeça para baixo.

Tudo o que antes era importante para mim não é mais importante, mas o que é importante agora é algo completamente diferente de antes: doação, unificação, amor ao próximo. Os velhos valores da sociedade humana, comida, sexo, família, dinheiro, poder, conhecimento, todos perdem seu valor no novo mundo onde todos nasceremos juntos. A pessoa age com princípios completamente diferentes.

O principal para nós é se unir e revelar uma nova realidade na conexão entre nós, um poder superior, unir-se a ele e fortalecer constantemente esse contato.

De KabTV, “Mulheres no Novo Mundo”, 09/07/20

Comente