Quem É O Culpado Pela Destruição Do Templo?

95O dia 9 de Av simboliza a destruição do Templo, que ocorreu por causa do ódio infundado no povo de Israel. E vemos que ao longo da história existiram e existem alguns grupos dentro do povo judeu que estão em guerra uns com os outros. Este é exatamente o mesmo ódio.

Os judeus são o povo que Abraão reuniu na antiga Babilônia quando havia ódio entre as pessoas. Ele ensinou que só existe um remédio contra o ódio: elevar-se ao amor acima de todo o ódio que cresceu até os céus como a torre de Babel.

Alguns dos habitantes da Babilônia seguiram Abraão e ele os levou da Babilônia para Canaã, para a terra de Israel. O resto permaneceu na Babilônia.

Abraão ensinou seus discípulos a viver segundo a lei de amar o próximo como a si mesmo. Esta regra principal, “o amor cobrirá todos os crimes”, os separou de todos os outros povos do mundo que permaneceram na Babilônia e depois se espalharam pela Terra.

E aqueles que seguiram Abraão eram representantes de todas as nações, mas foram capazes de se unir e se tornar o povo de Israel, que significa “direto ao Criador” (Yashar-Kel), ou seja, direto à unidade, a amar o próximo. Eles se esforçaram para se aproximar e se tornarem irmãos e, até certo ponto, conseguiram.

Eles tiveram que passar pelo exílio egípcio, por muitas provações em seu caminho, mas isso só os fortaleceu. Eles se tornaram mais próximos e realmente se tornaram um só povo; eles se autodenominavam Israel (“direto ao Criador”) como um sinal de que estavam lutando por um poder – o poder do amor.

Mas o egoísmo não se acalma, ele desperta novamente e confunde a pessoa, então com o tempo, vários grupos começaram a se formar no povo de Israel que se opunham ao método de Abraão. Eles queriam viver sob o capitalismo para que todos fizessem o que quisessem, em vez de viver como uma comunidade. Guerras e lutas reais começaram entre eles.

Ao longo da história, o povo de Israel tem estado em guerra consigo mesmo, e a razão é sempre a mesma: “a favor” ou “contra” a unificação. Este foi o caso quando o Primeiro e o Segundo Templo foram destruídos. Todas as quedas ocorreram apenas porque alguns grupos pediram a união e a cobertura de todos os crimes com amor, enquanto outros eram contra e não concordavam.

Isso continua até hoje. É por isso que o povo de Israel foi submetido ao exílio, a muito sofrimento e à antipatia de todos os povos do mundo. Afinal, outros povos também saíram da antiga Babilônia, mas se esqueceram disso.

Hoje, tanto os judeus quanto as nações do mundo estão espalhados por toda a Terra, e ninguém sabe o que é o amor ao próximo. Desde então, o egoísmo cresceu terrivelmente nos judeus e nas nações do mundo. É necessário despertar a causa raiz em todos para descobrir o que está acontecendo com o mundo, por que as nações do mundo ainda têm queixas contra o povo de Israel e qual é a missão do povo de Israel. Isso precisa ser explicado a todos.

Os historiadores atribuem a destruição do Primeiro Templo ao rei babilônico Nabucodonosor e o Segundo Templo ao imperador romano Tito. No entanto, os judeus acreditam que a destruição foi causada por conflitos dentro do próprio povo de Israel. De fato, a razão de tudo era o ódio infundado e a desunião. Por nossa resistência à unificação, causamos a destruição do Primeiro e do Segundo Templos.

Todos os nossos infortúnios são causados ​​pelo fato de que não nos damos bem uns com os outros e não podemos alcançar a unidade do povo de Israel.

Exteriormente, parece que as tropas imperiais e os inimigos são os culpados pela destruição, mas na verdade, nós mesmos, pela presença ou ausência de conexão entre nós, colocamos esses impérios a favor ou contra nossa existência e vemos o resultado natural. Uma força externa apenas executa a sentença, mas nós mesmos ativamos essas forças dentro de nosso próprio povo. Portanto, não temos ninguém para culpar por nosso destino amargo, exceto nós mesmos.

E hoje a mesma coisa está acontecendo: a Pérsia (hoje o Irã) e outros países árabes estão contra nós, e tudo porque não existe uma conexão adequada dentro de nós, e isso cria um mundo de divisão e ódio entre todos.

Outras nações também podem ter inimizade interna, mas não existe tal ódio como no povo de Israel, porque odiamos os judeus dentro de nós. O judeu interior é o desejo que exige que nos unamos acima do nosso egoísmo e mostremos ao mundo que é possível viver em paz, tranquilidade e unidade, e esta será a correção de todo o mundo.

Isso é o que diz o judeu dentro de nós, mas não queremos ouvi-lo. Apenas os Cabalistas que estudam a ciência Cabalística, na qual ela é claramente expressa em preto e branco por milhares de anos, sabem que a Torá é baseada em sua grande regra: ama ao próximo como a si mesmo. Mas ninguém quer ouvi-los.

Afinal, a unificação soa muito bonita em palavras, mas assim que as pessoas tentam implementá-la, se convencem de que é simplesmente impossível e que requer toda a atenção de uma pessoa e toda a sua vida. E as pessoas não estão preparadas para isso. Isso requer uma educação integral especial ou um sofrimento muito grande, o que fará as pessoas desistirem de seu egoísmo e se aproximarem umas das outras.

De KabTV, “Perspectivas Globais”, 26/07/20

Comente