“Progressistas E Conservadores – Uma Interdependência Relutante” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: “Progressistas E Conservadores – Uma Interdependência Relutante

Do protesto ao contraprotesto, ao contra-contraprotesto, não vamos a lugar nenhum. Nada sairá de nenhum deles, exceto intensificar o ódio até o ponto da ruptura.

Podemos continuar culpando uns aos outros por todos os nossos problemas e nos sentir bem conosco, mas a indignação justa nunca leva ninguém a um lugar bom. A menos que reconheçamos o simples fato de que o ódio leva a mais ódio, que finalmente leva à morte, acabaremos em derramamento de sangue.

Nós construímos uma sociedade que não pretende a unidade, onde cada um deve simpatizar com um determinado ponto de vista, partido, ideologia, escola, etc., e parte dessa simpatia se expressa em refutar o mérito do outro lado com intensidade crescente. Hoje, esse repúdio atingiu um nível em que cada lado pensa que o outro lado é um perigo para a nação, um perigo para o país, para a democracia, para o Estado de direito, para a liberdade de expressão e, portanto, deve deixar de existir.

Quando você constrói uma sociedade onde o mérito está do lado com mais força, o lado que está no topo, você se sentencia a viver pela espada e morrer pela espada, ou pela bala. A razão para a queda de todas as grandes nações desde o alvorecer da história foi apenas esta: seus governantes consideraram merecedores apenas suas próprias perspectivas e negaram o mérito de qualquer outro ponto de vista.

Mas, ao contrário da crença comum, quando você extingue seu rival, você não descansa sobre os louros, você se sentencia à extinção.

Cada um de nós acha que está certo. Esta é a nossa natureza: acho que sim, portanto tenho razão em parafrasear as palavras de Descartes. Mas esquecemos que somos todos feitos da mesma matéria. O mesmo programa que me projetou, moldou e gerou, projetou, moldou e gerou todos os outros.

O programa, conhecido como “natureza”, nos projetou um pouco diferente, não para que lutássemos até a morte, mas para completarmos o quadro juntos. A natureza precisa de todas as suas facetas, e especialmente dos opostos mais extremos, para definir e expressar todas as suas sutilezas. Você não seria capaz de definir “dia” na ausência de “noite”, “frio” na ausência de “quente”, “amor” na ausência de “ódio” e “vida” na ausência de ” morte”.

Da mesma forma, você não seria capaz de definir “progressista” na ausência de “conservador” ou “fiel” na ausência de “agnóstico”. Nossos opostos são vitais para nós porque, sem eles, não podemos saber quem somos ou mesmo articular nossos pensamentos sobre nós mesmos.

Acontece que somos dependentes de todos aqueles que detestamos, desprezamos e demonizamos, porque sem eles, nós mesmos não existiríamos como seres humanos. Estamos vivendo em um sistema dual por completo.

Mas há uma boa razão para a dissidência perpétua: ela nos obriga a voltar nossa atenção para o programa comum que nos criou – a natureza.

A natureza é completude feita de opostos unidos. Quando pensamos em unidade, pensamos na proximidade de corações e mentes. Mas isso não é unidade; é uniformidade. E assim como você não se une ao seu próprio reflexo no espelho, não se une a alguém que se parece com você em todos os sentidos. Você se sente próximo dessa pessoa, mas não é porque você está unido, é porque você é semelhante. Isso pode parecer bom, mas leva à estagnação e eventual decadência. Para alcançar o crescimento, deve haver dois opostos que se desafiam.

Portanto, a unidade é o esforço conjunto de dois opostos de se unirem, apesar de sua animosidade inicial. Sua oposição não pode e não deve ser apagada, ou se tornará mesmice. Para se unir, os dois lados devem valorizar a existência um do outro, pois sem a outra parte nenhum deles existiria. E essa apreciação cria um novo tipo de proximidade que existe ao lado da animosidade.

Além disso, as duas partes devem valorizar sua unidade mais do que sua animosidade inerente ou elas voltarão à destruição mútua. O Rei Salomão colocou isso de forma sucinta em suas palavras imortais: “O ódio desperta contendas, e o amor cobrirá todos os crimes” (Prov. 10:12).

É muito fácil cair no ódio. Odiar é ótimo; não existem muitas emoções mais satisfatórias do que a justiça própria. Mas devemos sempre lembrar que essa é uma isca que não devemos morder. Se mordermos, cairemos em decadência e nos desintegraremos. Se resistirmos à tentação de odiar e reconhecermos que o outro lado existe para voltar nossa atenção para a natureza que nos criou, nos conectaremos a essa natureza e realizaremos nosso pleno potencial como seres humanos.

Comente