“Para Onde Vamos Com A COVID No Controle” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Para Onde Vamos Com A COVID No Controle

Agora é o auge do verão e a COVID ainda está se espalhando, cada vez mais rápido. Em alguns meses, quando a temperatura esfriar, ela se espalhará ainda mais rápido. Esta não será outra temporada de gripe; ela vai nos desgastar.

No momento, os governos ainda podem executar programas de ajuda, mas estão gastando dinheiro rapidamente e logo não restará mais nada. Quando isso acontecer, lamentaremos ter economizado em negócios perdidos, mas esses negócios desaparecerão para sempre, assim como o dinheiro, e teremos que voltar ao básico.

As máquinas farão a grande maioria de todo o trabalho que a humanidade precisa para seu sustento, e as pessoas estarão livres para socializar. Gradualmente, perceberemos que a razão de nossa doença, de todas as doenças, de fato, são nossas conexões negativas. Com tanta má vontade e maus pensamentos um sobre o outro, era impossível construir uma civilização sustentável, então o coronavírus apareceu e nos forçou a reiniciar o sistema. Se insistirmos em executá-lo novamente do jeito anterior, não funcionará. Se aceitarmos a situação, mesmo que involuntariamente, e seguirmos o ditado da COVID para ver que todos recebem o básico de que precisam e que passamos nosso tempo nos conectando, tudo funcionará e o vírus não nos afetará.

Esta, de acordo com a sabedoria da Cabalá, é a ideia completa da COVID-19: ela está arranhando o século anterior e nos enviando de volta ao básico – ganhe o que você precisa e seja grato por ter conseguido.

Mas isso não vai nos manter lá. Podemos produzir muito mais do que precisamos, mas guardamos para nós mesmos, para que fique preso e não vá a lugar algum, as pessoas passam fome e os fabricantes vão à falência. A COVID nos ensinará a produzir apenas o necessário e garantir que todos ganhem. Então as coisas correrão bem.

A princípio, faremos isso porque será a única maneira de sobreviver. Mas assim que o sistema começar a funcionar, perceberemos que essa é uma maneira muito mais gratificante de viver.

Comente