“Não Negligencie A Mensagem De Tisha B’Av” (Israel Hayom)

Dr Michael LaitmanMeu novo artigo sobre Israel Hayom:Não Negligencie A Mensagem De Tisha B’Av

Não devemos estar de luto pela destruição do templo, mas pela ruína de nossa unidade, nosso amor fraterno e o abandono de nossa tarefa de nos unirmos como um só e ser um modelo para as nações.

Nesta quarta-feira, 29 de julho, será o dia 9 do mês hebraico de Av, quando o templo foi destruído e os judeus foram exilados de suas terras. Embora os historiadores atribuam o exílio ao comandante do exército romano, Tito, fontes judaicas atribuem a ruína e o exílio ao “sina’at hinam” (ódio infundado/sem fundamento), o ódio dos judeus um pelo outro.

O povo judeu ganhou sua nacionalidade quando se uniram “como um homem com um coração” aos pés do monte Sinai. Quando eles se uniram e se tornaram uma nação, eles também foram incumbidos de serem “uma luz para as nações”, ou seja, de tornar sua unidade um exemplo para o resto das nações, para que também pudessem se unir.

A demanda de que os judeus seriam modelos de unidade se tornou o núcleo de todo ódio aos judeus, emanado de outras nações, bem como de judeus que se ressentiram da ideia de unidade e queriam seguir agendas individualistas (que mais tarde se tornariam helenísticas).

Dois mil anos atrás, o ódio dentro do povo judeu tornou-se tão feroz que eles se trancaram em sua capital, Jerusalém – com a legião romana acampada do lado de fora dos muros – se mataram, queimaram os reservatórios de comida um do outro e facilitaram muito o trabalho de Tito, quando ele finalmente decidiu conquistar a cidade e destruir o Templo.

O dia em que os romanos entraram no Templo e selaram a derrota judaica se tornaria um dia de luto. Mas não devemos lamentar a destruição das paredes ou a quebra do altar. Em vez disso, devemos lamentar a ruína de nossa unidade, de nosso amor fraterno, o abandono de nossa tarefa de nos unirmos como um homem com um coração e ser um modelo para as nações.

Quando Hitler explicou no Mein Kampf por que ele odeia os judeus, ele expôs seu desgosto com a aversão deles um pelo outro. “O judeu só está unido quando um perigo comum o força a estar ou um espólio comum o atrai; se esses dois fundamentos estão ausentes, as qualidades do egoísmo mais grosseiro surgem por si mesmas”, escreveu ele.

Inúmeros outros antissemitas escreveram e falaram da mesma forma sobre o povo judeu. Eles não dedicariam tanta atenção ao ódio judeu um pelo outro se não esperassem que os judeus sentissem o contrário em relação a seus irmãos.

Hoje em dia, mais uma vez, a divisão e o ódio interno são galopantes, tanto em Israel quanto fora dele. Indivíduos e grupos judaicos antijudeus repreendem com justa indignação que apenas seus caminhos e pontos de vista estão certos, que judeus com outros pontos de vista são ignorantes e inferiores. Eles não percebem que conquistar os corações das nações, pelos quais eles tão desesperadamente anseiam, depende não de sua ideologia, mas de sua unidade precisamente com os irmãos que odeiam.

Da perspectiva do mundo, nada mudou. Ainda temos a tarefa de ser uma luz para as nações, dando um exemplo de unidade, e ainda somos odiados por mostrar o contrário. Vasily Shulgin, membro sênior do parlamento russo antes da revolução de 1917 e um ávido antissemita autoproclamado, escreveu em seu livro, O Que Não Gostamos Neles: “Os judeus do século XX se tornaram muito inteligentes, eficazes e vigorosos na exploração das ideias de outras pessoas. No entanto, ele protestou, não é uma ocupação para professores e profetas, nem o papel de guias de cegos, nem o papel de portadores de coxos”.

No fundo, todo judeu se sente em dívida com o mundo. No fundo, sentimos o chamado da nossa vocação. Mas nunca cumpriremos nossa tarefa odiando um ao outro. Só faremos isso se mostrarmos ao mundo que, acima dos nossos ferozes desacordos, nos amamos como uma família. Embora não possamos concordar com nada, formamos uma união mais forte do que qualquer disputa.

As divisões entre nós são o veículo através do qual podemos mostrar ao mundo o que significa unidade, mas apenas se enfrentarmos o desafio e nos unirmos acima delas. Se fizermos isso, o mundo verá que a união é possível, por mais profundo que seja o abismo entre pessoas e nações. Se continuarmos evitando a unidade, o mundo continuará nos culpando por espalhar a divisão e nos fará pagar por seu sofrimento.

Comente