“Mirando Alto Os Grandes Feriados Judaicos” (Times Of Israel)

The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Mirando Alto Os Grandes Feriados Judaicos

Imagens de profunda introspecção e comunidade profundamente conectada retratam a atmosfera vívida dos Dias de Temor (yamim hanoraim), que lotam as sinagogas a cada outono. Este ano, pela primeira vez na história, a COVID-19 dará uma sensação completamente diferente aos Grandes Feriados porque eles serão conduzidos principalmente por meio de plataformas virtuais em vez de grandes encontros físicos. A distância física que nos é imposta não é coincidência. É um reflexo de nosso estado interno como povo judeu. Os Grandes Feriados deste ano oferecem uma oportunidade especial de transformação, de passar de nossa divisão atual para a unidade dos corações.

Nossas novas condições são na verdade uma indicação e direção de Cima sobre o que devem ser nossas orações – particularmente durante os feriados judaicos. Agora é o momento perfeito para fazer uma pausa e refletir sobre nossa presença no mundo como um povo – tão dividido, cheio de ódio infundado, sem conexão ou reciprocidade. Uma oração potente e eficaz deve ser o apelo unido por toda a nação, e como isso é possível se nos mantemos à distância em oposição interna? Se este for o nosso estado, também devemos sentir a distância fisicamente. Esta é a mensagem dentro das condições únicas que a pandemia nos apresentou neste ano.

É bom para nós sentir o quanto nossos jogos egocêntricos fecham cada um de nós dentro de si mesmo, como é difícil abrir o coração para alguém com opiniões diferentes e o quanto estamos divididos em facções, partidos e campos. Temos orgulho natural de nossa comunidade e denominação, mas isso nunca deve ser usado para menosprezar, desprezar ou maltratar os outros. Embora nossa diversidade seja maravilhosa, deve haver algo que nos conecte a todos como um, acima de todas as diferentes formas e cores. Atualmente, estamos perdendo a pedra angular do amor entre nós.

Portanto, este ano, em vez de nos reunirmos mecanicamente, devemos sentar-nos sozinhos e lamentar o estado fragmentado e miserável em que caímos como povo. Assim que percebermos o que deve ser consertado – nossa fragmentação como nação judaica – uma verdadeira oração explodirá do fundo de nossos corações para dar vida às palavras vazias recitadas do livro de orações.

Originalmente, uma sinagoga, ou beit knesset (do hebraico kinus, que significa congregação) simbolizava uma casa de conexão, um lugar onde todos se reúnem para buscar um poder supremo de amor e doação. Se este ano as circunstâncias marcantes não nos permitem sequer estar juntos fisicamente, deve ser uma indicação de que chegamos a um beco sem saída em nosso caminho atual. Mas há um lado bom: quando o mal é revelado, ele fornece um convite para corrigir o curso e traçar um novo caminho para uma forma de existência mais avançada.

Além disso, a era do coronavírus ilumina algo que estava escondido até agora. Se no passado podíamos estar separados em nossos corações e ainda sentar um ao lado do outro, não é mais assim. Existe uma lei na natureza que exige que nos adaptemos a um mundo que evoluiu para um estado fortemente interconectado. Portanto, não podemos mais nos relacionar com “Ame ao próximo como a si mesmo” como uma banalidade adorável, mas vazia. É a fórmula absoluta para a conexão mútua, sem a qual será impossível sobreviver. Estamos entrando em um novo grau evolutivo onde todos sentirão que o outro é realmente uma parte sua, e realmente nos tornaremos como um homem com um coração.

O projeto piloto para a conexão integral entre as pessoas deve ocorrer primeiro entre nós, os judeus. E quando decifrarmos o novo código de conexão entre nós, iluminaremos o caminho para todas as outras pessoas. O resultado final será alegria, saúde, prosperidade – uma abundância suprema que fluirá por meio de nossos corações conectados.

Comente