“A Luz No Fim Do Túnel Da COVID-19” (Israel Hayom)

Meu novo artigo no Israel Hayom: “A luz no fim do túnel da COVID-19

A vontade das pessoas de resistir à tempestade do coronavírus e voltar à vida normal rivalizou com o aumento das taxas de infecção recordes em todo o mundo. As pessoas estão cansadas de ouvir falar da pandemia, mas ela agarra e não solta, se espalhando e contagiando. No entanto, podemos encontrar resistência para navegar na crise quando percebemos que a solução está em nossas mãos.

“Pela primeira vez na história, quase todos os cientistas do mundo estão focados no mesmo problema … isso está começando a render dividendos reais”, dizem acadêmicos de Harvard que destacam a nova era de cooperação em que entramos para mitigar o impacto da pandemia em todos os domínios de nossas vidas: economia, saúde, educação, cultura. Milhões de pessoas em todo o mundo estão estressadas com as variáveis ​​que predizem o que nos espera no futuro. O que acontecerá no próximo inverno em termos de casos de COVID? Quantas mais pessoas ficarão desempregadas?

A incerteza molda nossa consciência coletiva e a prepara para uma mudança brusca. Precisamente esse tipo de mudança de perspectiva – de uma perspectiva tacanha e egoísta para uma abordagem abrangente e ampla para resolver nossos desafios comuns – é o que nos ajudará a chegar a uma solução para a crise na raiz mais profunda do problema: nossas relações humanas disfuncionais, ao invés de abordá-las apenas de uma perspectiva científica, econômica ou política.

De um mundo onde a pessoa vê apenas a si mesma, precisamos fazer a transição para um mundo onde as pessoas se considerem umas às outras. De um mundo onde não paramos mais para pensar se devemos ou não usar máscara ou manter distância social para evitar a transmissão de um vírus nocivo àqueles que estão perto de nós, precisamos alcançar uma realidade em que façamos conscientemente o que for preciso para proteger os outros, da mesma forma que gostaríamos que cuidassem da saúde de nossos filhos.

Nossa atual sensação de impotência está nos tornando mais sensíveis aos relacionamentos entre nós. Sem melhorar nossas relações humanas, não poderemos garantir um bom futuro. Em vez disso, apenas desperdiçaremos energia e recursos preciosos em guerras e conflitos de interesse. Mesmo se uma cura para a COVID-19 for encontrada, ela não curará o fenômeno social do egoísmo excessivo, o estado que faz com que as pessoas não sintam as necessidades dos outros, mas apenas suas próprias demandas egoístas.

A vacina definitiva contra todos os patógenos visa a cura dos corações, neutraliza as críticas venenosas e corrige nossa atitude exploradora para com os outros. A natureza não é cega e nada acontece por acaso. O motor da evolução produz o que percebemos como eventos negativos, então vamos reagir e fazer conexões que nos movem na direção oposta em direção ao alinhamento com a natureza. Esta é a fórmula para a evolução da vida, e os tempos exigem que todos percebam isso. O mundo que construímos está completamente interconectado, mas nossos corações permanecem distantes. Essa incompatibilidade é exatamente o que devemos consertar, para que funcionemos como um sistema integral em consideração e harmonia mútuas.

Se ajudarmos uns aos outros a assumir a mentalidade do bem de todos, nossos corações serão limpos de atitudes egoístas e alienantes e todas as partes da natureza irão recuperar o equilíbrio. A preocupação comum com o bem-estar dos outros criará soluções para todas as situações possíveis, construindo um escudo que nos protegerá de todas as dificuldades. Então descobriremos que não há nada de ameaçador na natureza e que o coronavírus foi apenas o meio para curar o mundo do ódio e do consumismo excessivo.

O ponto principal desta fórmula de segurança e prosperidade é simples: sem a conexão dos corações, todos nós sofreremos, mas o apoio mútuo construirá uma sensação de paraíso. Somos como uma família presa em um túnel. Seremos capazes de ver a luz no fim do túnel apenas com o poder do amor.

Comente